Repetição em aquisição de linguagem: notas sobre o espelhamento sonoro infantil e a ecolalia no autismo.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v34.70277

Palavras-chave:

Repetição, Espelhamento Sonoro, Ecolalia, Marca.

Resumo

O principal objetivo deste artigo consiste em investigar o lugar ocupado pelas repetições de segmentos sonoros nas manifestações verbais de crianças sem dificuldades, confrontando-as com verbalizações ecolálicas de crianças com algum tipo de dificuldade em sua trajetória linguística, mais precisamente, crianças/adolescentes diagnosticados como autistas. Pretendeu-se pesquisar de que forma se caracterizam essas repetições sonoras e quais seriam suas implicações na constituição do sujeito falante, tendo como alicerce teórico, contribuições de autores que serviram de base para o entrelaçamento entre estudos de aquisição de linguagem e o enfoque psicanalítico. A análise dessas repetições trouxe à tona a questão da marca.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Eduarda Araujo de Moraes, Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP), Recife, Pernambuco, Brasil. E-mail: mariaeduardaaraujodemoraes@gmail.com

Graduanda (2021) em Psicologia pela Universidade Católica de Pernambuco. Foi Bolsista CNPq pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica 2018/2019 - com título do projeto: "Interpretação materna e jogos sonoros infantis" e bolsista da FASA/UNICAP, também pelo PIBIC (2019/2020) - com título do projeto: " A repetição de sons na relação lúdica da criança com sua língua materna". Atuou como estagiária no auxílio para o desenvolvimento físico e cognitivo de crianças autistas  na clínica SOMAR. Uma das autoras do livro "Era uma vez a história de Alice no país da escola: Desmistificando o Papel do Psicólogo Escolar".

Referências

ARANTES, Lúcia Maria Guimarães. As Múltiplas faces da Especularidade. Letras de Hoje, 36(3), p. 253-259, 2001.

CARVALHO, Glória Maria. Notas sobre a relação lúdica da criança com a língua: a questão do recalque dos sons. Revista do Gel, v. 16, n. 3, p. 111-126, 2019.

MORAES, Maria Eduarda. A repetição de sons na relação lúdica da criança com sua língua materna. Relatório Final de Pesquisa, PIBIC, 2020.

BARROS, Isabela B. do Rego; VILAR DE MELO, Maria de Fátima; CARVALHO, Glória Maria Monteiro. A relação entre ecolalia-linguagem e sujeito no autismo: um estudo de caso. Revista FSA, v.10, n.1, p. 244-263, 2013.

BETTELHEIM, Bruno. A fortaleza vazia. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

CATÃO, Inês; VIVÈS, Jean-Michel. Sobre a escolha do sujeito autista: voz e autismo. Revista Estudos de Psicanálise, n. 36, p. 83–92, 2011.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Trad. de Luiz Orlandi e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1968[1988].

FELMAN, Shoshana, Jacques Lacan and the adventure of insight. Cambridge/Massachusetts/London: Harvard University Press, 1987.

FREUD, Sigmund. Recordar, repetir e elaborar. In: Obras completas. Trad. de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, v. 10, p. 147-158, 1914 [2010].

FREUD, S. O inquietante. In: Obras completas. Trad. de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, v. 14, p. 328-376, 1919 [2010].

FREUD, S. Além do princípio do prazer. In: Obras completas. Trad. de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, v. 14, p. 120-171, 1920 [2010].

GARCIA-ROZA, Luiz Alfredo. Acaso e repetição em psicanálise: uma introdução à teoria das pulsões. Rio de Janeiro Zahar, 1986.

JAKOBSON, Roman. Linguística e Comunicação. Trad. de Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. 21ª ed. São Paulo: Cultrix, 1963[2008].

KANNER, Leo. Os distúrbios autísticos do contato afetivo. In: Rocha, Paulina S. (Org.). Autismos. São Paulo: Escuta, p. 111-170, 1943[1997].

LACAN, Jacques. Subversão do sujeito e dialética do desejo no inconsciente freudiano. In: Escritos. Trad. de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1966[1998], p. 793-842.

LACAN, Jacques. O Seminário: Livro 1: Os escritos técnicos de Freud (1953-1954). Trad. de Betty Milan Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1975[1983].

LACAN, Jacques.Conferência em Genebra sobre o sintoma. Opção Lacaniana, 23, p. 6-16, 1975[1998].

LACAN, Jacques. A lógica do fantasma. Recife: Publicação não comercial de circulação interna do Centro de Estudos Freudianos do Recife 1966-1967[2017].

LAZNIK-PENOT, Marie Christine. Trad. de Mônica Seincman. Rumo à palavra. São Paulo: Escuta, 1997.

LEMOS, Cláudia Thereza G. A Sintaxe no Espelho. Cadernos de Estudos Linguísticos, n.10, p. 05-15, 1986.

LEMOS, Cláudia Thereza G. Das vicissitudes da fala da criança e de sua investigação. Cadernos de Estudos Lingüísticos, Campinas, v. 42, p. 41-69, 2002.

LEMOS, Maria Teresa G. A língua que me falta: uma análise dos estudos em aquisição de linguagem. Campinas: Mercado de Letras/ FAPESP, 2002.

LIER-DE VITTO, Maria Francisca. Patologias da linguagem: sobre as “vicissitudes de falas sintomáticas”. In: LIER-DE VITTO, Maria Francisca.; ARANTES, Lúcia (Orgs). Aquisição, Patologia e Clínica de Linguagem. São Paulo: EDUC, FAPESP, 2006, p. 97-107.

MALEVAL, Jean Claude. O que existe de constante no autismo? Trad. de Emilia Firmino. Revista CLINICAPS, v.4, n°11, 2010.

MALEVAL, Jean Claude. Língua verbosa, língua factual e frases espontâneas nos autistas. In: MURTA, Alberto; CALMON, Analícea.; ROSA,

Márcia. (Orgs). Autismo(s) e atualidade: uma leitura lacaniana. Porto Alegre: Artmed, p. 45-70, 2012.

METZGER, Clarissa. A sublimação no ensino de Jacques Lacan: um tratamento possível do gozo. São Paulo: Editora EDUSP, 2017.

OLIVEIRA, Mariana T. Ecolalia: Quem fala nessa voz? 2001, 101 p. Dissertação de Mestrado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, PUC-SP, São Paulo, 2001.

OLIVEIRA, Mariana T. A diversidade sintomática na ecolalia. Distúrbios da comunicação, 14 (2), 351-360, 2003.

PENA, Abel N. Eco e Narciso: leituras de um mito. Lisboa, Cotovia, 2017.

PIRES, Luciana. Do silêncio ao Eco: autismo e clínica psicanalítica. São Paulo, FAPESP, 2007.

POMMIER, Gérard. Da passagem literal do objeto ao moedor do significante, In: MELMAN, Charles et al. O significante, a letra e o objeto. Trad. de Procopio Abreu. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2004.

POMMIER, Gérard. Comment les neurosciences démontrent la psychanalyse. Paris: Flammarion, 2007.

PORGE, Érik. Voz do eco. Trad. de Viviane Veras. Campinas: Mercado de Letras, 2014.

POZZATO, Vanessa G; VORCARO, Ângela. Aproximações e distinções entre os autismos e as psicoses em crianças: condições da alienação à linguagem. Analytica, v. 3, n. 5, 2014.

REGO, Fabiana Lins B. Investigando a ecolalia no autismo: há possibilidade de um novo olhar? 2006. 114 p. Dissertação de Mestrado em Psicologia Cognitiva, UFPE, Recife, PE, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/18489/1/FABIANA%20LINS%20BROWNE%20REGO%20-%20Disserta%C3%A7%C3%A3o%20Final%20%202016.pdf. Acesso em: 20 jun. 2020.

RINALDI, Doris. O traço como marca do sujeito. Salvador: Revista Estudos de Psicanálise, n. 31, p. 59-63, 2008.

SANTOS, Iara Maria Ferreira. Falas ecolálicas: uma discussão sobre a multiplicidade de seus efeitos. 2015. 90 p. Dissertação de Mestrado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, PUC-SP, São Paulo, 2015. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/13753. Acesso em: 10 fev. 2021.

SOLER, Colette. O inconsciente a céu aberto da psicose. Trad. de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

SOUZA, Luciana C. Considerações psicanalíticas sobre o tratamento do outro no autismo. Revista Estilos da Clínica, p. 52-65, 2011.

VORCARO, Ângela. Crianças na psicanálise: clínica, instituição, laço social. Rio de Janeiro: Cia. de Freud, 1999.

VORCARO, Ângela. O tratamento do autismo: notas introdutórias. Analytica, v. 5. n. 9, p. 04-30, 2016.

Downloads

Publicado

2022-06-15

Como Citar

MORAES, M. E. A. de .; CARVALHO, G. M. M. de . Repetição em aquisição de linguagem: notas sobre o espelhamento sonoro infantil e a ecolalia no autismo. . Signótica, Goiânia, v. 34, 2022. DOI: 10.5216/sig.v34.70277. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/70277. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Estudos Linguísticos