Um romance hiper-circuitado: 2019 não passa e o curto da tradição literária

Autores

  • Júlia de Mello Silva Mello Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, São Paulo, Brasil. E-mail: mellodeju@gmail.com https://orcid.org/0000-0001-8434-2355
  • Nair Renata Amâncio Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, São Paulo, Brasil. E-mail: nairrenataamancio@gmail.com https://orcid.org/0000-0002-4309-5033
  • Rejane Cristina Rocha Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, São Paulo, Brasil. E-mail: rjncris@gmail.com https://orcid.org/0000-0002-5944-6846

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v33.69127

Palavras-chave:

Literatura digital, Romance, Instagram, 2019 não passa

Resumo

Se a arte - e, por extensão, a literatura - sempre se fez com os meios do seu tempo, como propôs Arlindo Machado, na contemporaneidade digital os meios digitais oferecem possibilidades e impõem restrições aos escritores, a depender de como eles optam por manipular códigos informáticos ou, ainda, experimentar com as mídias a fim de expandir e/ou recusar as especificidades dos gêneros literários nascidos e consolidados ao longo da cultura impressa. Este artigo analisa o romance de Instagram, 2019 não passa, a fim de discutir de que maneira a sua inscrição material em uma rede social altera/amplia o que temos identificado como próprio do gênero romance.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nair Renata Amâncio, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, São Paulo, Brasil. E-mail: nairrenataamancio@gmail.com

Formada em Letras Português e espanhol pela UFSCar, mestranda em Estudos de literatura pelo Ppglit-Ufscar e Professora Substituta do Ifsp-Campos do Jordão.

Rejane Cristina Rocha, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, São Paulo, Brasil. E-mail: rjncris@gmail.com

Docente DA UFSCar, atua na Graduação em Letras e no Programa de Pós-Graduação em Estudos de Literatura. Atualmente Coordena o projeto de pesquisa (CNPq) Repositório da Literatura Digital Brasileira. Lidera o Grupo de Pesquisa Observatório da Literatura Digital Brasileira (https://www.observatorioldigital.ufscar.br/#atlas)

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética (a teoria do romance). São Paulo, Hucitec Editora, 2010.

BEIGUELMAN, Giselle. Reinventar a memória é preciso. In: Futuros possíveis: artes, museus e arquivos digitais. São Paulo: EDUSP/FAPESP/Itaú Cultural/Peirópolis, 2014, p. 12-33.

BRANDÃO, Jacyntho L. A invenção do romance: narrativa e mimese no romance grego. Brasília, Editora Universidade de Brasília, 2005.

DARNTON, Robert. Parte III – A palavra impressa. In: DARNTON, Robert. O beijo de Lamourette: mídia, cultura e revolução. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

DIGITAL 2021: BRAZIL. DataReportal, 2021. Disponível em: https://datareportal.com/reports/digital-2021-brazil. Acesso em: 3 mai. 2021.

DIGITAL 2021: GLOBAL DIGITAL OVERVIEW. DataReportal, 2021. Disponível em: https://datareportal.com/reports/digital-2021-global-overview-report. Acesso em: 3 mai. 2021.

EVEN-ZOHAR, Itamar. Polisistemas de cultura. Tel Aviv, Universidad de Tel Aviv -Laboratorio de investigación de la cultura, 2017. F

ALCI, Carlos Henrique Rezende. Lugares imaginários em rede - narrativas de memória em ambientes programáveis. Texto Digital, Florianópolis, v. 9, n. 1, p. 213-226, jul. 2013.

GAINZA, C. Nuevos escenarios literarios: hacia una cartografía de la literatura digital latinoamericana. In: MÜLLER, G.; GUERRERO, GUSTAVO; LOY, BENJAMIN (Eds.). World editors: Dynamics of Global Publishing and the Latin American Case between the Archive and the Digital Age. Berlim/Boston: De Gruyter, 2021. p. 331-349.

GAINZA, Carolina. Narrativas y poéticas digitales en América latina. Producción literaria en el capitalismo informacional. Santiago de Chile: Ed. Cuarto Propio, 2018.

GAINZA, Carolina. Literatura chilena en digital: mapas, estéticas y conceptualizaciones. Revista. Chilena de literatura. Santiago, n. 94, p. 233-256, dez. 2016.

GARRAMUÑO, F. Frutos estranhos: sobre a inespecificidade na estética contemporânea. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.

HAYLES, Katherine. Literatura Eletrônica: novos horizontes para o literário. Passo Fundo: UPF/São Paulo: Global, 2009.

HOSSNE, Andrea S. Degradação e acumulação: considerações sobre algumas obras de Luiz Ruffato. In: HARRISON, Marguerite Itamar. Uma cidade em camadas: ensaios sobre o romance Eles eram muitos cavalos de Luiz Ruffato. Vinhedo: Ed. Horizonte, p. 18-42, 2007.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. São Paulo, Aleph, 2009.

KLUCINSKAS, Jean; MOSER, Walter. A estética à prova da reciclagem cultural. Scripta, v. 11, n. 20, 2007.

KOMATSU, Flávio. 2019 não passa: nunca mais passará. Instagram, 2019. Disponível em: https://www.instagram.com/2019naopassa/?hl=pt-br. Acesso em: 2 ago. de 2021.

LADDAGA R. Uma fronteira do texto público: literatura e meios eletrônicos. In: OLINTO, H. K.; SCHOLLHAMMER, K. E. (Orgs.). Literatura e mídia. Rio de Janeiro: PUC/Loyola, 2002. p. 17-31. MACHADO, Arlindo. Arte e mídia. Rio de Janeiro, Zahar, 2007.

MANOVICH, Lev. El lenguaje de los nuevos medios de comunicación. Trad. Oscar Fontodrona. Barcelona: Paidós, 2005.

MANOVICH, Lev. Subjects and Styles in Instagram Photography (part 1). Manovich, 2016a. Disponível em: http://manovich.net/index.php/projects/subjects-and-styles-in-instagram-photography-part-1. Acesso em: 7 dez, 2019.

MANOVICH, Lev. Subjects and Styles in Instagram Photography (part 2). Manovich, 2016b. Disponível em: http://manovich.net/index.php/projects/subjects-and-styles-in-instagram-photography-part-2. Acesso em: 6 dez. 2019.

MANOVICH, Lev. Notes on Instagrammism and mechanisms of contemporary cultural identity (andalso photography, design, Kinfolk, kpop, hashtags, mise-en-scène, and cостояние). Manovich, 2016c. Disponível em: http://manovich.net/index.php/projects/notes-on-instagrammism-and-mechanisms-of-contemporary-cultural-identity. Acesso em: 5 dez. 2019.

MANOVICH, Lev. Designing and Living Instagram Photography: Themes, Feeds, Sequences, Branding, Faces, Bodies. Manovich, 2016d. Disponível em: http://manovich.net/index.php/projects/designing-and- -living-instagram-photography. Acesso em: 4 dez. 2019.

ROCHA, Rejane Cristina. Além do livro: literatura e novas mídias. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n. 47, p. 11-17, 2016. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/estudos/article/view/10096/8922. Acesso em: 3 dez. 2019.

ROCHA, Rejane C. “Monstro esperançoso”: a respeito de Oratório, de André Vallias. Estudos de literatura brasileira contemporânea. Brasília, n. 47, p. 157-184, 2016. Disponível em: https://periodicos.unb. br/index.php/estudos/article/view/10096/8922. Acesso em: 2 dez. 2019. R

OCHA, Rejane C. Contribuições para uma reflexão sobre a literatura em contexto digital. Revista da Anpoll. Florianópolis, nº 36, p. 160-186, 2014. Disponível em https://revistadaanpoll.emnuvens.com.br/revista/ article/view/680/738. Acesso em: 2 dez. 2019.

RECUERO, Raquel. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

Downloads

Publicado

2021-12-08

Como Citar

MELLO, J. de M. S. .; AMÂNCIO, N. R.; ROCHA, R. C. Um romance hiper-circuitado: 2019 não passa e o curto da tradição literária. Signótica, Goiânia, v. 33, 2021. DOI: 10.5216/sig.v33.69127. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/69127. Acesso em: 7 jul. 2022.

Edição

Seção

Dossiê de Estudos Literários