Uma Proposta de Modelo Metacognitivo de Aquisição da Escrita no Ensino Universitário Moçambicano

Autores

  • Nelson Maurício Ernesto Universidade de Cape Town (UCT), Rondebosch, Cape Town, África do Sul. E-mail: nelernest@yahoo.com.br. https://orcid.org/0000-0001-6098-7327

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v33.65797

Palavras-chave:

Metacognição. Estratégias metacognitivas. Fases do processo de escrita. Modelo metacognitivo de ensino.

Resumo

A metacognição sempre esteve presente nos modelos processuais de produção escrita (ROHMAN, 1965 FLOWER; HAYES, 1980 BEREITER; SCARDAMALIA, 1987), com destaque à presença de estratégias de aprendizagens (metacognitivas) que auxiliam a produção textual, através de uma frequente monitorização e autorregulação da cognição na produção textual. Este artigo propõe um modelo metacognitivo de tratamento da escrita, tomando em consideração que a aprendizagem da escrita também circunscreve-se ao ensino universitário, assumindo também que um ótimo produtor de escrita é o que faz uso das estratégias metacognitivas no desenvolvimento da produção escrita, o que não é operado pelo produtor de escrita menos eficiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nelson Maurício Ernesto, Universidade de Cape Town (UCT), Rondebosch, Cape Town, África do Sul. E-mail: nelernest@yahoo.com.br.

2001 - Docente efetivo na Universidade Eduardo Mondlane

2007-2014 - Leitor de Língua portuguesa na Universidade do Zimbabué

2015 - Leitor de Língua Portuguesa na Universidade de Cape Town

Referências

ANDERSON, N. The Role of Metacognition in Second Language Teaching and Learning. Disponível em: www.cal.org/resources/digest/0110anderson.html. Acesso: 22.set.2020, 2002.

BAKER, L.; BROWN, A. L. Metacognitive Skills and Reading. In: PEARSON, P. D.; BARR, R.; KAMIL M. L.; MOSENTHAL, P. (Eds.). Handbook of Reading Research. New York: Longman, 1984, p. 353 - 394.

BARBEIRO, L. F. O processo de escrita e o computador. Revista portuguesa de educação, Lisboa, v. 3, n. 3, 1990, p. 139-149.

BEREITER, C.; SCARDAMALIA, M. The psychology of written composition. Hillsdale, NJ: Erlbaum, 1987.

BROWN, A. Metacognitive, Executive Control, Self-Regulation, and Other Mysterious Mechanisms. In: WEINER, F.; KLUWE, R. (Eds.). Metacognition, Motivation and Understanding. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 1987, p. 65-116.

CHAMOT, A. U.; BARNHARDT, S.; EL-DINARY, P. B.; ROBBINS, J. The Learning Strategies Handbook. New York: Longman, 1999.

COHEN, A. D. Strategies in learning and using a second language. Harlow: Longman, 1998.

CROSS, D. R.; PARIS, S. G. Development and Instructional Analyses of Children’s Metacognition and Reading Comprehension. Journal of Educational Psychology, n. 80, 1988, p. 131-142.

ERNESTO, N. Ensino de Estratégias Metacognitivas a Estudantes Universitários Moçambicanos com Dificuldades na Produção Escrita. 2006. 120f. Dissertação (Mestrado em Ensino do Português Língua Segunda e Estrangeira) – Faculdade de Ciências Socias e Humana, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2006.

FLAVELL, J. Metacognition and Cognitive Monitoring: A New Area of Cognitive-Development Inquiry”. In: NELSON, T. O. (Ed.). Metacognition: Core Readings. Boston: Allyn and Bacon, 1979, p. 3-7.

FLAVELL, J. Metacognitive Aspects of Problem Solving. In: RESNICK, L. (Ed.). The Nature of Inteligence. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 1976, p. 231-235. Signótica. 2021, v.33: e65797 Uma Proposta de Modelo Metacognitivo de Aquisição da Escrita no Ensino Universitário... Nelson Maurício Ernesto FLOWER, L. Problem-Solving Strategies for Writing. 3ª edição. Marrickville: Harcourt Publishers Group, 1989.

FLOWER, L.; HAYES, J. R. The dynamics of composing: Making plans and juggling constraints. In: GREGG, L.; STEINBERG, E. (Eds.). Cognitive processes in writing, 1980, p. 31–50. GONÇALVES, P.; VICENTE, F. Erros de Ortografia no Ensino Superior. In: GONÇALVES P. (Org.). O Português escrito por estudantes universitários: Descrições linguísticas e estratégias didácticas. Maputo: Texto Editores, 2010, p. 51 – 72.

GONÇALVES, P.; VICENTE, F. Perfil linguístico dos alunos da 10ª classe: Erros ortográficos e de acentuação - Projecto Introdução da disciplina de Português nos Institutos do Magistério Primário. Maputo: Instituto Nacional do Desenvolvimento da Educação, Programa de Apoio ao Sector da Educação (PASE), Moçambique-Finlândia (não publicado), 2005.

GRABE, W.; KAPLAN, R. B. Theory and Practice of Writing: An Applied Linguistic Perspective. New York: Longman, 1996.

GRAHAM, S.; HARRIS, K. R. The Role of Self-Regulation and Transcription Skills in Writing and Writing Development. Educational Psychologist, EUA, v. 35, n.1, 2000, p. 3-12.

HAYES, J. R.; FLOWER, L. Identifying the Organization of Writing Processes. In: GREGG, L. W.; STEINBERG, E. R. (Eds.). Cognitive Processes in Writing: An Interdisciplinary Approach. Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum, 1980, p. 3-30.

HORTA, I.; ALVES, M. Desenvolvimento e aprendizagem da ortografia: Implicações educacionais. Análise Psicológica, Lisboa, n.1, v. 22, 2004, p. 213-223. KARMILOFF-SMITH, A. Learning, development, and conceptual change. Beyond modularity: A developmental perspective on cognitive science. Massachusetts: MIT Press, 1992.

KELLOGG, R. T. Attentional overload and writing performance: Effects of rough draft and outline strategies. Journal of Experimental Psychology: Learning, Memory, and Cognition, EUA, v. 14, n. 2, 1988, p. 355–365.

KRAPELS, A. An overview of second language writing process research. In: KROLL, B. (Ed.). Second language writing: Research insights for the classroom. New York: Cambridge University Press, 1990, p. 37-56.

MACARO, E. Strategies for language learning and for language use: Revising the theoretical framework. Modern Language Journal, EUA, n. 90, 2006, p. 320-337.

MCDONOUGH, S. H. Strategy and skill in learning a foreign language. London: Edward Arnold, 1995.

MORAIS, A. G.; TEBEROSKY, A. Erros e transgressões infantis na ortografia do português. Discursos, Lisboa, n. 8, 1994, p. 15-51.

NAIMAN, N.; FROHLICH, M.; STERN, H. H.; TODESCO, A. The good language learner. Ontario: The Ontario Institute for Studies in Education, 1978.

O’MALLEY, J. M.; CHAMOT, A. U. Learning strategies in second language acquisition. Cambridge: CUP, 1990.

OXFORD, R. Language learning strategies: what every teacher should know. New York: New Bury House Publishers, 1990.

PIRES, A. A produção textual escrita de alunos do ensino médio egressos do programa de correção de fluxo: um estudo sobre letramento escolar. 2015. 136f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal de Santa Catarina, SC, 2015.

REBELO, J. A. S.; FONSECA, A. C. Aprendizagem da escrita elementar em português e suas dificuldades: um estudo longitudinal. Revista Portuguesa de Pedagogia, v. 35, n 2, 2001, p.33-63.

ROHMAN, D. G. Pre-writing the stage of discovery in the writing process. College Composition and Communication, EUA, v.16, n. 2, 1965, p. 106-112. RUBIN, J. What the ‘good language learner’ can teach us. TESOL Quarterly, EUA, n. 9, 1975, p. 41-51.

SIOPA, C. Aperfeiçoar a escrita em Português na Universidade em Moçambique. Revista Científica da Universidade Eduardo Mondlane, Maputo, v. 1, n. 1, 2015, p. 52-66. Disponível em: Downloads/Siopa_aperfeioar_a_escrita_Moambique.pdf. Acesso: 22.set.2020.

SIOPA, C.; ERNESTO, N.; COMPANHIA, C. A competência em português dos estudantes universitários: primeira abordagem. Revista Idiomático, Lisboa, 2003, p. 1-20. Disponível: http://cvc.instituto-camoes.pt/idiomatico/01/competencia_em_portugues.pdf. Acesso: 22.set. 2020.

SITKO, B. M. Knowing how to write: Metacognition and writing instruction. In HACKER, D. J.; DUNLOSKY, J.; GRAESSER A. C. (Eds.). The educational psychology series. Metacognition in educational theory and practice, EUA, 1998, p. 93–115.

ZIMMERMAN, B. J.; RISEMBERG, R. Becoming a self-regulated writer: A social cognitive perspective. Contemporary Educational Psychology, EUA, v. 22, n. 1, 1997, p. 73-101.

Downloads

Publicado

2021-12-08

Como Citar

ERNESTO, N. M. Uma Proposta de Modelo Metacognitivo de Aquisição da Escrita no Ensino Universitário Moçambicano. Signótica, Goiânia, v. 33, 2021. DOI: 10.5216/sig.v33.65797. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/65797. Acesso em: 7 jul. 2022.

Edição

Seção

Dossiê de Estudos Linguísticos