Bilinguismo na formação de enquadres de conflito e de construções identitárias entre alunos surdos na sala de aula de contexto acadêmico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v32.64676

Palavras-chave:

Línguas em contato. Bilinguismo. Enquadres. Estudos surdos. Práticas transidiomáticas.

Resumo

Esta é uma investigação que se ocupa em verificar como são realizadas interações bilíngues entre alunos surdos em um curso de Graduação de Letras-Libras, em que se faz uso da Libras, do Português e de outras formas de linguagem, incluindo a alternância e a sobreposição modal de códigos na constituição de posições e enquadres de conflito e de construções identitárias. Em termos teóricos, busca-se articular conceitos da Sociolinguística Interacional, da Análise da Conversa em contexto institucional e de Línguas em Contato na interação, na ordem micro e macro, na relação com os Estudos Surdos. A metodologia da pesquisa é qualitativa e interpretativa, com gravação de dados mediante método etnográfico de investigação. Na análise dos dados, emergiram práticas transidiomáticas que fazem parte dos repertórios linguísticos dos interagentes. Os resultados indicam que os alunos constroem identidades a partir do foco no outro e no grupo. Indicaram, sobretudo, as relações coconstruídas entre os alunos em práticas transidiomáticas que imprimiram o caráter bi/multilíngue da sala de aula. Evidenciaram diferenças na propensão para a adesão ao enquadre institucional pelos alunos, com relações de negociação de conflito e a busca de afirmação linguística entre eles.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ATKINSON, J. Maxwell & HERITAGE, John. Transcript notation. In: ATKINSON, J. Maxwell & HERITAGE, John. Structures of social action. Studies in conversation analysis. Cambridge, Cambridge University Press, 1984. P. ix-xvi

BATESON, Gregory. Uma teoria sobre brincadeira e fantasia. In RIBEIRO, Branca T. GARCEZ, Pedro M. (Orgs.). Sociolinguística Interacional, São Paulo, SP: Edições Loyola, [1972] 2013.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro, RJ: Zahar Editores, 2005.

BAUMAN, Zygmunt. Tempos líquidos. Rio de Janeiro, RJ: Zahar Editores, 2007 [e-book].

BHABHA, Homi K., O local da Cultura. Belo Horizonte MG: Editora UFMG, 1998.

BLOM, J. GUMPERZ, J. J. O significado social da estrutura linguística: alternância de códigos na Noruega. In: RIBEIRO, B. T.; GARCEZ, P. M. (Orgs.). Sociolinguística Interacional. São Paulo: Edições Loyola, [1972] 2013. p. 45-84

BRASIL. Decreto n° 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n° 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial [da) República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 2005. http://www.planalto.gov.br/CCIVIL/_AtB1004-2006/2005/Decreto/D5626.htm . Acesso em: 16 nov. 2007.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Diário Oficial [da) República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 25 abr. 2002. Disponível: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/Leis/2002/L10436.htm. Acesso em: em 16 nov. 2007.

CASTRO, Nelson P. de. A tradução de fábulas seguindo aspectos imagéticos da linguagem cinematográfica e da língua de sinais. 2012. Dissertação (Mestrado em Estudos da tradução) - Universidade Federal de Santa Catarina UFSC, Florianópolis SC: 2012.

CASTRO, Nelson P. VALSECHI, Geisielen S. FREITAS, Luiz C B de. Os sinais de Letras na Libras: colonização ou línguas em contato? Revista Letras Raras, Campina Grande, v. 5, n. 1,2016. [http://revistas.ufcg.edu.br/ch/index.php/RLR/article/view/582].

CAVALCANTI, Marilda C. SILVA, Ivani Rodrigues. Transidiomatic practices in a deaf-fearing scenario and language ideologies. Revista da ANPOLL, Campinas, v. 1, n. 40, 2016.

CHRISTENSEN, Kathee. Deaf Plus: a multicultural perspective. San Diego, CA: DawnSignPress, 2000.

CONEP, Comissão Nacional de Ética na Pesquisa. Sisnep. Manual de Operação. Módulo do Pesquisador. Versão 1.02. Brasília – DF: 2006. Disponível: http://portal2.saude.gov.br/sisnep/imagens/manuais/Manual_PESQUISADOR.pdf. Acesso em: 29 de jun. de 2016.

DE FINA, Anna. Positioning level 3. Connecting local identity displays to macro social processes. Narrative Inquiry 23:1, 40–61. Doi 10.1075/ni.23.1.03de ISSN 1387–6740 / E-ISSN 1569–9935, 2013.

DELGADO, Gilbert. Deaf Plus: A Multicultural Perspective. San Diego CA USA: DawnSignPress, 2000.

DENZIN, N.; LINCOLN, Y. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006.

FELIPE, Tanya A. MONTEIRO, Myrna S. Libras em contexto: curso básico, livro do professor instrutor. Brasília, DF: Programa Nacional de Apoio à Educação dos Surdos, MEC: SEESP, 2001.

FERNANDES, Sueli. Educação de surdos. Curitiba PR: Ibpex, 2011.

FERREIRA, Lucinda. Por uma Gramática da Língua de Sinais. Rio de Janeiro, RJ: Tempo Brasileiro, [1995] 2010.

FERREIRA, Waléria de M. Os gestos na interação de crianças ouvintes e surdas: as possibilidades de um contexto bilíngue. 2013. 238 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal da Paraíba, PB, 2013.

FREITAS, Luiz Carlos Barros de. A Internet e a educação a distância dos surdos no Brasil: uma experiência de integração em um meio excludente. 2009. 145 f. Dissertação (Mestrado em Design) – PUC-Rio, Rio de Janeiro, 2009.

GAGO, Paulo Cortes. Questões de transcrição em Análise da Conversa. VEREDAS - Rev. Est. Ling Juiz de Fora, Juiz de Fora, v.6, n.2; p.89-113, jul./dez. 2002.

GARCEZ, Pedro M. A organização da fala-em-interação em sala de aula: controle social, reprodução de conhecimento, construção conjunta de conhecimento. Unisinos: v. 4, n.1; p. 66-80, jan/abr, 2006.

GARCEZ, Pedro M. BULLA, Gabriela da Silva. LODER, Letícia L. Práticas de pesquisa micro etnográfica: geração, segmentação e transcrição de dados audiovisuais como procedimentos analíticos plenos. D.E.L.T.A., v. 30, n..2, p. 257-288. 2014. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/0102-445078307364908145.

GARCÍA, O. Bilingual education in the 21st century: A global perspective. Edição digital. Oxford: Wiley- Blackwell, 2009.

GOFFMAN, Erving. Trad. Márcia Bandeira de Mello Leite Nunes. Estigma – Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4.ed. Rio de Janeiro: LTC, [1963] 2008.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, [1959] 2018.

GOFFMAN, Erving. Ritual de Interação - Ensaios sobre o comportamento face a face. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, [1967] 2011.

GOFFMAN, Erving. Os quadros da experiência social. Uma perspectiva de análise. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, [1974] 2012.

GORSKI, Edair. FREITAG, Raquel Meister Ko. Ensino de Língua Materna. Florianópolis SC: UFSC, 2010.

GUMPERZ, John J. Convenções de contextualização. São Paulo, SP: Edições Loyola, 2002.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro RJ: DP&A Editora, 2006.

HARVEY, Michael A. Odyssey of hearing loss: tales of triumph. San Diego, CA: DawnSignPress, 1998.

JACQUEMET, Marco. Transidiomatic practices: Language and power in the age of globalization. Elsevier Language & Communication 25, 257–277, 2005.

JACQUEMET, Marco. Transidioma. Revista da Anpoll, Campinas, n. 40, p. 19-32, Florianópolis, jan./jun., 2016.

JEFFERSON, G. Sequencial Aspects of storytelling in Conversation. In: J. SCHENKEIN (Ed.), Studies in the Organization of Conversational Interaction, New York, USA: Academic Press, 1978.

LANE, Harlan. HOFFMEISTER, Robert. BAHAN, Ben. A Journey into the Deaf-world. San Diego, CA USA: Dawn Sign Press, 1996.

LODER, Letícia L. JUNG, Neiva M. Fala-em-interação social: introdução à Análise da Conversa Etnometodológica.Campinas, SP: Mercado das Letras, 2008.

LODER, Letícia L. JUNG, Neiva M. Análises de fala-em-interação institucional: a perspectiva da Análise da Conversa Etnometodológica. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2009.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Os novos letramentos digitais como lugares de construção de ativismo político sobre sexualidade e gênero. Trab. Ling. Aplic., Campinas, v.49, n.2, p. 393-417, jul./dez., 2010.

NASCIMENTO, Cristiane Batista do. Empréstimo linguístico do Português na Língua de Sinais Brasileira - LSB: línguas em contato. 2010. 111f. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

NORA, Andreza Barboza. Igual ao biscoito recheado, aquele meio a meio, meio surda, meio ouvinte: línguas, identidades e representações em um curso superior bilíngue (LIBRAS/Língua Portuguesa). 2016. 251 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – UNICAMP, Campinas, SP, 2016.

PIMENTA, Nelson. QUADROS, Ronice M. de. Curso de Libras 1. Rio de Janeiro, RJ: LSB Vídeo, [2006] 2013.

QUADROS, Ronice (Org.). Estudos Surdos I. Petrópolis RJ: Editora Arara Azul, 2006.

QUADROS, Ronice (Org.). Estudos Surdos III. Petrópolis RJ: Editora Arara Azul, 2008(b).

QUADROS, Ronice Muller de. CAMPELLO, Ana Regina e Souza.

Constituição política, social e cultural da Língua Brasileira de Sinais. In: Lucyenne Matos da Costa Vieira-Machado, Maura Corcini Lopes. (Org.). Educação de Surdos: Políticas, Língua de Sinais, Comunidade e Cultura Surda 1. Santa Cruz, RS: EDUNISC, 2010a.

QUADROS, Ronice Muller de. CAMPELLO, Ana Regina e Souza. O ‘BI’ em bilinguismo na educação de surdos. In: FERNANDES, Eulalia (Org.). Surdez e Bilinguismo. Porto Alegre RS: Editora Mediação, 2010b.

QUADROS, Ronice Muller de. CAMPELLO, Ana Regina e Souza. As línguas de bilíngues bimodais. Revista de Estudos Linguísticos da Universidade do Porto, Porto, Portugal, 2017a.

QUADROS, Ronice Muller de. CAMPELLO, Ana Regina e Souza. Língua de Herança: língua Brasileira de Sinais. Porto Alegre, RS: Penso, 2017b.

QUADROS, Ronice M. LILLO-MARTIN, Diane. PICHLER, Deborah Chen. Sobreposição no desenvolvimento bilíngue bimodal. RBLA, Belo Horizonte, v. 14, n. 4; p. 799-834, 2014 [http://dx.doi.org/10.1590/1984-639820146001].

SÁ, Nídia de. Surdos: qual escola? Manaus, AM: Editora Valer e Edua,2011.

SKLIAR, Carlos (Org.). A Surdez: Um Olhar Sobre as Diferenças. Porto Alegre –RS, Brasil: Editora Mediação, [1998] 2005.

SOUSA, Aline Nunes; QUADROS, Ronice Muller de. Uma análise do fenômeno ‘alternância de línguas’ na fala de bilíngues intermodais (Libras e Português). ReVEL, Brasil, v. 10, n. 19, 2012. [www.revel.inf.br].

STAROSKY, Priscila. O role-playing game como proposta pedagógica de coconstrução de histórias no contexto da surdez. 2011. 00f. Tese (Doutorado em) – PUC-Rio, Rio de Janeiro, RJ, 2011.

STROBEL, Karin. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis, SC: Editora da UFSC, 2008.

TANNEN, Deborah. WALLAT, Cynthia. Enquadres interativos e esquemas de conhecimento em interação. In: RIBEIRO, Branca T. GARCEZ,

Pedro M. (Orgs). Sociolinguística Interacional. São Paulo, SP: Edições Loyola, 2013.

VIANNA, Gláucia dos S. MOURA, Daniele B. SANTOS, Ana P. L. PINA, Aline M. C. Bilinguismo intercultural na educação de surdos: rediscutindo estratégias e materiais didáticos voltados para o ensino de Português como segunda língua (L2). Rio de Janeiro, RJ: XVIII Congresso Nacional de Linguística e Filologia, 2014.

VIEIRA, Claudia R. Bilinguismo e inclusão: problematizando a questão. Curitiba, PR: Appris, 2014 [e-book].

WATSON, Rod. GASTALDO, Édison. Etnometodologia & Análise da Conversa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

WITKOSKI, Silvia Andreis. Educação de surdos pelos próprios surdos: uma questão de direitos. Curitiba, PR: Editora CRV, 2012.

Downloads

Publicado

2020-07-16

Como Citar

FREITAS, L. C. B. de . Bilinguismo na formação de enquadres de conflito e de construções identitárias entre alunos surdos na sala de aula de contexto acadêmico. Signótica, Goiânia, v. 32, 2020. DOI: 10.5216/sig.v32.64676. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/64676. Acesso em: 6 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê de Estudos Linguísticos