Libras, Bilinguismo e Educação Bilíngue: O Território do Surdo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v32.64643

Palavras-chave:

Bilinguismo. Língua de Sinais. Educação Bilíngue.

Resumo

Uma comunidade linguística não se refere apenas às pessoas que habitam determinados territórios. Os princípios que norteiam os Direitos Linguísticos adotam a ideia de que o espaço territorial não se classifica como uma área geográfica, mas sim como um espaço social e funcional imprescindível para o pleno desenvolvimento da língua. Nesse sentido, realizou-se uma pesquisa de caráter bibliográfico (OLIVEIRA, 2003, 2011; GROSJEAN, 2008, 2016; QUADROS, 2019; PLAZA-PUST, 2012; ANN, 2004), predispondo-se a discutir aspectos que sustentam os pressupostos teóricos quanto ao Bilinguismo e à Educação Bilíngue pelas perspectivas da esfera pública e da comunidade surda.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dayse Garcia Miranda, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, Minas Gerais, Brasil. E-mail: dayse.miranda@ufop.edu.br

Doutora em Estudos de Linguagens - CEFET/MG , Mestre em Educação pela FaE/UFMG. Pós-Graduação em Educação Inclusiva pela FJP/MG. Psicologia - FCH/FUMEC. Professora do Departamento de Letras da UFOP - Universidade Federal de Ouro Preto. Lecionou , em curso da Graduação, na PUCMINAS. Lecionou , em curso de Graduação, na UEMG. Lecionou , em curso de Pós-Graduação, na Faculdade Pitágoras Atuou no Centro de Atendimento a Profissionais da Educação na área da Surdez- CAS/SEE-MG, com capacitação e formação de intérprete de Língua de Sinais. Atuou como Assessora de RH da Congregação dos Deficientes Auditivos de Beagá - CODABE. Atuou como intérprete de Língua de Sinais da REDE MINAS/ Secretaria do Estado da Cultura de MG e no Ensino Superior. É membro do Núcleo de Estudos de Libras, Surdez e Bilinguismo, NELiS, que conta com a participação atualmente de pesquisadores de outras universidades.Conhecimento na área da surdez sendo: Educação Especial , Inclusiva e Bilinguismo. Língua de Sinais ( proficiência). Português como L2. Avaliação , formação e capacitação de intérprete e tradutores do Par-linguístico Libras/Português. Sala de aula bilíngue. Alunos Surdos. Intérprete Educacional.

Referências

ANN, Jean. Bilingualism and language contact. In: LUCAS, Ceil. The Sociolinguistics of Sign Languages. Cambridge: University Press, 2004.

BRASIL. Lei 10.436, de 24 de abril de 2002. Poder Executivo, Brasília, DF, 24 abr. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002. Acesso em: 13 out. 2014.

BRASIL. Decreto № 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 22 dez. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 11 jun. 2018.

BRASIL. Decreto № 7.387, de 09 de dezembro de 2010. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 27 jan. 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 07 ago. 2015.

BRASIL. Nota técnica № 005 / 2011 / MEC / SEESP / GAB. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, Brasília, DF, 2011. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_do-cman&view=download&alias=9959-nota-tecnica-05-2011-secadi&Itemid=30192. Acesso em: 11 jun. 2018.

BRASIL. Lei № 13.005, de 25 de junho de 2014. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 25 jun. 2014. Edição Extra, p. 1. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 11 jun. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação 2014-2024. Brasília, 2014a. Disponível em: http//pne.mec.gov.br. Acesso em: 11 jun. 2018.

BRASIL. Relatório do Grupo de Trabalho, designado pelas Portarias № 1.060/2013 e № 91/2013, contendo subsídios para a PolíticaLinguística de Educação Bilíngue - Língua Brasileira de Sinais e Língua Portuguesa. MEC/SECADI. Brasília, 2014b. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=56513. Acesso em: 11 nov. 2018.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 06 de julho de 2015. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 06 juL. 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 11 nov. 2018.

BRASIL. Decreto nº 9.665, de 02 de janeiro de 2019. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 02 jan. 2019. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2019/Decreto/D9665.htm. Acesso em: 15 fev. 2019.

FENEIS. Nota Oficial: Educação de Surdos na Meta 4 do PNE. 2013. Disponível em: http://blog.feneis.org.br/nota-meta-4-do-pne/. Acesso em: 11 jun. 2018.

FERNANDES, Eulália. Linguagem e surdez. Porto Alegre: Artmed, 2003.

GROSJEAN, François. O direito da criança surda de crescer bilíngue. Universidade de Neuchâtel, Suíça: 2016, p. 1-5.

GROSJEAN, François. Individual bilingualism. In: BRITO DE MELLO, Heloisa. The Encyclopedia of Language and Linguistics. Oxford: Pergamon Press, 2008, p. 163-176.

HALLIDAY, Michael. El Lenguaje como Semiotica Social. México: Fondo de Cultura Economica, 1979.

PLAZA PUST, Carolina. Deaf education and bilingualism. In: PFAU, Roland.; STEINBACH, M.arkus; WOLL, Bencie. Sign Language: Na International Handbook. Berlin: De Gruyter Mouton, 2012. p. 949-979.

MIRANDA, Dayse. As mediações linguísticas do intérprete de língua de sinais na sala de aula inclusiva. Ano 2010, 178 f. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação. UFMG, Belo Horizonte.

MIRANDA, Dayse. A multimodalidade no ensino de língua portuguesa como segunda língua para surdos: análise do uso do livro didático adaptado em Libras. Ano 2019, 276 f . Tese de Doutorado. Posling. CEFET-MG, Belo Horizonte.

OLIVEIRA. Gilvan. Declaração Universal dos Direitos Linguísticos: Novas Perspectivas em Política Linguística. Florianópolis: Mercado de Letras, 2003.

OLIVEIRA. Gilvan. Políticas Linguísticas como Políticas Públicas. In: GUADELUPE, T. B.; OURIQUES, N. D. Anuário Educativo Brasileiro: Visão Retrospectiva. São Paulo: Cortez, 2011.

QUADROS, Ronice; LILLO-MARTIN, Diane; PICHLER, Deborah. O que bilíngues bimodais têm a nos dizer sobre desenvolvimento bilíngue? In: Revista Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 48, № 3, p. 380–388, 2013.

QUADROS, Ronice; LILLO-MARTIN, Diane; PICHLER, Deborah. Libras. São Paulo: Parábola Editorial, 2019.

REFORMA POMBALINA (século XVIII). Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Per%C3%ADodo_pombalino. Acesso em: 29 jun. 2020.

REVISTA EXAME - Disponível em: https://exame.abril.com.br/negocios/dino/educacao-bilingue-cresce-em-todas-as-regioes-do-brasil-shtml/.www.dino.com.br. Rede de distribuição e divulgadora de notícias que garante a publicação dos conteúdos enviados por assessorias de imprensa ou diretamente por empresas em centenas de publishers. Acesso em: 11 nov. 2018.

SALGADO, Ana Claudia. Medidas de Bilingualidade: uma proposta. Ano 2008, 140f. Tese - PUC-Rio, Rio de Janeiro.

SANTOS, Alessandra. Multilinguismo em Bonfim/RR: o ensino de Língua Portuguesa no contexto da diversidade linguística. 2012. 144 f. Tese – UNB, Brasília, 2012.

SILVA, Giseli. O bilinguismo dos surdos: acesso às línguas, usos e atitudes linguísticas. Revista Leitura, Maceió, v. 1, № 58, p. 124-144, Jan./Jun 2017a. ISSN 2317-9945

STURMER, Ingrid; THOMA, Adriana. Políticas educacionais e linguísticas para surdos: discursos que produzem a educação bilíngue no Brasil na atualidade. 37ª Reunião Nacional da ANPED. Florianópolis: UFSC. 2015.

Downloads

Publicado

2021-07-16

Como Citar

MIRANDA, D. G. Libras, Bilinguismo e Educação Bilíngue: O Território do Surdo. Signótica, Goiânia, v. 32, 2021. DOI: 10.5216/sig.v32.64643. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/64643. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê de Estudos Linguísticos