A mediação de uma intérprete educacional de Libras na inclusão de um aluno surdo do primeiro ano do ensino fundamental em aulas de inglês de uma escola municipal do Rio de Janeiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v32.64123

Palavras-chave:

Inclusão escolar de surdos. Interação em sala de aula. Inglês. Libras. Coconstrução de conhecimentos.

Resumo

 Este estudo analisa a interação escolar de um surdo em uma
aula de Inglês do primeiro ano do ensino fundamental, investigando
como esse aluno, com a mediação da intérprete de Libras, coconstrói
conhecimentos na interação de sala de aula em contexto multilíngue
(Português, Inglês e Libras). A abordagem teórico-metodológica é da Linguística Aplicada contemporânea no âmbito da Microetnografia de sala
de aula e Sociolinguística Interacional. Os dados foram gerados mediante observações da rotina escolar. A análise indica que, na interação com
a intérprete, o surdo, apesar de não coconstruir conhecimentos na/sobre a língua-alvo (o Inglês), coconstrói conhecimentos em/sobre a Libras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRÉ, M. E. D. A. Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus, 2016.

BRASIL. Lei n° 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2002/L10436.htm. Acesso em: 21/04/2018.

BRASIL. Decreto n° 5626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 21/04/2018.

BRASIL. Lei n° 12.319, de 1º de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais - LÍBRAS. Disponível em:http://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/1025011/lei-12319-10. Acesso em: 21/04/2018.

DENZIN, N. LINCOLN, Y. S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, [2003] 2006.

ERICKSON, F. What makes school ethnography “ethnographic”? Anthropology Educational Quarterly. Spring, v. 15, p. 51-66, 1984.

ERICKSON, F. Ethnographic microanalysis of interaction. In: M. D. LeCompte, W. L. Millroy; J. Preissle (Eds.). The handbook of qualitative research in education. New York: Academic, p. 201–225, 1992.

ERICKSON, F. Ethnographic microanalysis. In: MCKAY, S. L.; HORNBERGER, N. F. (Eds.). Sociolinguistics and Language Teaching. Cambridge University Press, 1996.

ERICKSON, F.; SCHULTZ, J. The counselor as gatekeeper: social interaction in interviews. New York: Academic Press, 1982.

FELIPE, T. A. Libras em contexto: curso básico: livro do estudante. 9. ed. Rio de Janeiro: WalPrint Gráfica e Editora, 2009.

A mediação de uma intérprete educacional de Libras na inclusão de um aluno surdo do primeiro... Adriana Baptista de Souza • Aline Nunes de Sousa • Maria das Graças Dias Pereira

FERREIRA-BRITO, L. Por uma gramática da língua de sinais. Rio de Janeiro. Tempo Brasileiro: UFRJ, DLF, 1995.

GARCEZ, P. M. Microethnography in the Classroom. In: King K., Lai YJ., May S. (Eds). Research Methods in Language and Education. Encyclopedia of Language and Education (3rd ed.), Springer, Cham, 2017.

GARCEZ, P. M.; FRANK, I.; KANITZ, A. Interação social e etnografia: sistematização do conceito de construção conjunta de conhecimento na fala-em-interação de sala de aula. Calidoscópio: Unisinos, São Leopoldo, v. 10, n. 2, p. 211-224, maio/ago., 2012.

GARCEZ, P. M.; LOPES, M. F. R. Oportunidades de aprendizagem na nova ordem comunicativa da fala-em-interação de sala de aula contemporânea: língua espanhola no ensino médio. Trab. Ling. Aplic., Campinas, n 56.1, p. 65-95, jan./abr. 2017.

GARCEZ, P. M.; SCHULZ, L. Olhares circunstanciados: etnografia da linguagem e pesquisa em Linguística Aplicada no Brasil. DELTA, São Paulo, 31-especial, p. 1-34, 2015.

GOFFMAN, E. Frame analysis. N.Y., Harper & Row, 1974. GOFFMAN, E. A situação negligenciada. In: RIBEIRO, B.; GARCEZ, P. M. (Orgs.). Sociolinguistica Interacional. São Paulo: Loyola, p. 13-20, 2002.

GUARINELLO, A. C. et al. O intérprete universitário da língua brasileira de sinais na cidade de Curitiba. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 14, n. 1, p. 63-74, 2008.

GUMPERZ, J. J. Convenções de contextualização. In: RIBEIRO, B. T.; GARCEZ P. M. (org.). Sociolinguística Interacional. São Paulo: Ed. Loyola, p. 149-182, 2002.

JACOBY, S.; OCHS, E. Co-construction: an introduction. Research on language and social interaction, Lawrence Eribaum Associates Inc., v. 28, n. 3, p. 71-183, 1995.

KELMAN, C. A. O intérprete educacional: Quem é? O que faz? In: M. A. Almeida, E. G. Mendes, & M. C. P. I. Hayashi (Org.). Temas em Educação Especial: múltiplos olhares. 1 ed., p. 71-79, 2008.

KENDON, A. The role of visible behaviour in the organization of social interaction. In: M. Von Cranach and I. Vine, editors. Social Communication and Movement: Studies of Interaction and Expression in Man and Chimpanzee. London: Academic Press, p. 29-74, 1973.

KLEIMAN, A. B. Introdução. E um início: a pesquisa sobre interação e aprendizagem. Trab. Ling. Apl., Campinas, v. 18, p. 5-14, jul/dez, 1991.

LACERDA, C. B. F. Intérprete de Libras em atuação na educação infantil e no ensino fundamental. Mediação: Porto Alegre, 2011.

LEITE, E. M. C. Os papeis do intérprete de Libras na sala de aula inclusiva. Editora Arara Azul. 2005.

LEITE, T. A. A segmentação da língua de sinais brasileira (Libras): um estudo linguístico descritivo a partir da conversação espontânea entre surdos. 2008. 280 f. Tese (Doutorado em Letras) – USP, São Paulo, 2008.

LEMOS, G. S. Narrativas de conflito com alunos surdos e intérpretes de Libras nas relações com a família, escola e atividades profissionais. 2019. 234 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – PUC-Rio, Rio de Janeiro, 2019.

LODER, L. L.; JUNG, N. M. (Orgs.). Fala-em-interação social: introdução à análise da conversa etnometodológica. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2008.

LUCENA, M. I. P. Práticas de linguagem na realidade da sala de aula: contribuições da pesquisa de cunho etnográfico em Linguística Aplicada. DELTA, São Paulo, 31-especial, p. 67-95, 2015.

MARTINS, V.R. O. Posição-mestre: desdobramentos foucaultianos sobre a relação de ensino do intérprete de língua de sinais educacional. 2013. 253 f. Tese (Doutorado em Educação) – niversidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, 2013.

MATTOS, C. L. G. A abordagem etnográfica na investigação científica. In: MATTOS, C. L. G.; CASTRO, P. A. (Orgs.) Etnografia e educação: conceitos e usos. Campina Grande: EDUEPB, 2001.

MOITA LOPES, L. P. Uma linguística aplicada mestiça e ideológica: interrogando o campo como linguista aplicado. In: MOITA LOPES, L. P. da (Org.). Por uma Linguística aplicada INdisciplinar. 1 ed. São Paulo: Parábola Editorial, pp. 13-44, 2006.

RIBEIRO, B. T.; GARCEZ, P. M. (Orgs.). Sociolinguística Interacional. São Paulo: Edições Loyola, 2013.

SANTOS, S. A. Tradução/interpretação de língua de sinais no Brasil: uma análise das teses e dissertações de 1990 a 2010. 2013. 313 f. Tese (Doutorado em Estudos da Tradução) – UFSC, Florianópolis, 2013.

SCHULZ, L. A construção da participação na fala-em-interação de sala de aula: um estudo microetnográfico sobre a participação em uma escola municipal de Porto Alegre. 2007. 00f. Dissertação (Mestrado em) – UFRGS –, Porto Alegre, 2007.

SOUZA, A. B. Conflitos na coconstrução de conhecimentos por um aluno surdo do ensino fundamental I em interação nas aulas de inglês de uma escola municipal inclusiva do Rio de Janeiro. 2019.

f. Tese (Doutorado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 2019.

TAVEIRA, C. C. Proposta de educação bilíngue voltada à surdez no município do Rio de Janeiro. 2012. Disponível em: http://ihainforma.wordpress.com. Acesso em: 21 de mar. 2018.

PEREIRA, M. G. D. Introdução. Palavra 8, Rio de Janeiro, p.7-25, 2002.

Downloads

Publicado

2021-04-30

Como Citar

DE SOUZA, A.; SOUSA, A. N. de .; PEREIRA, M. das G. D. . A mediação de uma intérprete educacional de Libras na inclusão de um aluno surdo do primeiro ano do ensino fundamental em aulas de inglês de uma escola municipal do Rio de Janeiro. Signótica, Goiânia, v. 32, 2021. DOI: 10.5216/sig.v32.64123. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/64123. Acesso em: 6 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê de Estudos Linguísticos