Expressões policomponenciais em Libras: estatuto e processo de ensino e aprendizagem como L2

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v32.62905

Palavras-chave:

Libras. Expressões policomponenciais. Estatuto. Ensino e aprendizagem.

Resumo

O presente trabalho tem o objetivo de discutir o estatuto das expressões policomponenciais da Libras e refletir sobre o processo de ensino e aprendizagem dessas expressões pelo aprendiz ouvinte brasileiro. Na primeira parte, apresentam-se as ideias de Frydrych (2019), assumindo com Liddell e Metzger (1998), e McCleary e Viotti (2011), a existência de simbiose entre componentes linguísticos e gestuais para explicar tais construções. Na segunda parte, tomam-se os dados advindos das pesquisas de Silva (2018) e Kurz, Mullaney e Occhino (2019), analisando-os a luz da proposta de Taub et al. (2008) para refletir sobre o processo de ensino e aprendizagem na Libras como segunda língua (L2) para ouvintes. Conclui-se que as expressões policomponenciais são compostas por elementos linguísticos e gestuais, e quanto ao processo de ensino e aprendizagem, conclui-se que ocorrem transferências de alguns dos traços gestuais à língua e, portanto, a prática pedagógica precisa aproveitar o repertório gestual do aprendiz.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANCHIETA, Ester Vitória Basilio. Incorporação e partição do corpo: o espaço sub-rogado no discurso narrativo de uma tradução de literatura infantil do português para a libras. 2017. 190f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Tradução) – Centro de Comunicação e Expressão – Programa de Pós Graduação em Estudos da Tradução – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

BARBOSA, Thais Bolgueroni. Uma descrição do processo de referenciação em narrativas contadas em língua de sinais brasileira (libras). 2014. 155f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

BOERS-VISKER, E.; VAN DEN BOGAERDE, B. Learning to use space in the L2 acquisition of a signed language: two case studies. Sign Language Studies, v.19, n. 3, p. 410-452, 2019.

CARNEIRO, Bruno Gonçalves. Corpo e classificadores nas línguas de sinais. Revista Sinalizar, v. 1, n. 2, p. 118-129, 2016.

CORREA, Rosemeri Bernieri de Souza. A complementaridade entre língua e gestos nas narrativas de sujeitos surdos. 2007. 166f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, 2007.

DUNCAN, Susan. Gesture in signing: a case study from Taiwan Sign Language. Language and linguistics taipei, v. 6, n. 2, p. 279, 2005.

FUKS, Orit; TOBIN, I. The Semiotic Notion of Gesture in Israeli Sign Language. In: GESPIN 2019 –GESTURE AND SPEECH IN INTERACTION, 1 Edição, 2009, Paderborn, Proceedings of GESPIN, 2019 p (1-6).

FRYDRYCH, Laura Amaral Kümmel. Gestualidade nas línguas de sinais à luz do princípio saussuriano da dupla essência da linguagem. Cadernos do IL, v. 1, n. 59, p. 169-184, 2019.

KENDON, Adam. Gesture: visible action as utterance. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

KURZ, Kim B.; MULLANEY, Kellie; OCCHINO, Corrine. Constructed action in American Sign Language: a look at second language learners in a second modality. Languages, v. 4, n. 4, p. 90, 2019.

LEITE, Tarcisio de Arantes. A segmentação da língua de sinais brasileira (libras): Um estudo lingüístico descritivo a partir da conversação espontânea entre surdos. 2008. 280f. Tese (Doutorado em Letras). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2008.

LIDDELL, Scott. K. Real, surrogate, and token space: grammatical consequences in ASL. In: EMMOREY, K; REILLY, J. (Org). Languages, gesture and space.Hillsdale: Lawrence Erslbaum Associates. 1995 (p. 19-41) , 1995.

LIDDELL, Scott K; METZGER, Melanie. Gesture in sign language discourse. Journal of pragmatics. v. 30, n. 6, p. 657-697, 1998.

LIDDELL, Scott K. Grammar, gesture, and meaning in American Sign Language.Washington: Cambridge University Press, 2003.

MCCLEARY, Leland; VIOTTI, Evani. Língua e gesto em línguas sinalizadas. Revista Veredas, v. 15, n. 1, 2011.

MCNEILL, David. Catchments and contextos: non-modular factors in speech and gesture production. In MCNEILL, D. (org). Language and Gesture, Cambridge: Cambridge University Press 2000, pp. 312-328, 2000.

MOREIRA, Renata Lúcia. Uma descrição de Dêixis de Pessoa na língua de sinais brasileira: pronomes pessoais e verbos indicadores. 2007. 150f. Dissertação (Mestrado em Linguística) –Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.
PORTO, Marcelo. Transferências Visuais: um recurso indispensável na comunicação da Libras. 2016. 91f. Dissertação (Mestrado em Linguística)– Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, 2016.

SANTOS, L.F.; GIL, M. S.C. A. Do gesto ao sinal na Educação Infantil: o aprendizado de Libras por crianças surdas. ReVEL, v. 10, n. 19, 2012. 2016.

SILVA, João Paulo da. Demonstrações em uma narrativa sinalizada em libras. 2014. 151f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

SILVA, Lídia. Fluência de ouvintes sinalizantes de libras como segunda língua: foco nos elementos da espacialização. 2018. 271f. Tese (Doutorado em Linguística) – Centro de Comunicação e Expressão – Universidade Federal de Santa Catarina, 2018.

SILVA, Lídia; STRAZZI, Thayse Goulart. Marcadores discursivos em libras. Revista Sinalizar, v. 2, n. 2, p. 198-217, 2017.

TAUB, Sarah; et al. Gesticulação e aquisição da ASL como segunda língua. In: QUADROS, Ronice Müller de; VASCONCELLOS, Maria Lúcia Barbosa de. Questões teóricas das pesquisas em língua de sinais. Petrópolis, RJ: Editora Arara Azul, 2008. p. 275-285.

WILCOX, Sherman. Routes from gesture to language. Revista da abralin, vol. 4, n. 1 e 2, p. 11-45, 2005.

Downloads

Publicado

2021-07-08

Como Citar

PORTO, M. .; SILVA, L. da. Expressões policomponenciais em Libras: estatuto e processo de ensino e aprendizagem como L2. Signótica, Goiânia, v. 32, 2021. DOI: 10.5216/sig.v32.62905. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/62905. Acesso em: 27 set. 2022.

Edição

Seção

Dossiê de Estudos Linguísticos