Trocas ortográficas de consoantes oclusivas no português brasileiro: dados de pelotas/rs - Brasi

Autores

  • Vergília Spiering Damé Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil
  • Giovana Ferreira-Gonçalves Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v29i2.35632

Palavras-chave:

Aquisição da escrita, oclusivas, aprimoramento fonético/fonológico.

Resumo

Neste trabalho, observa-se de que forma a ocorrência de imprecisões fonético/fonológicas pode refletir nas trocas ortográficas relacionadas aos segmentos oclusivos. Para tanto, foram coletados dados de fala e de escrita de onze crianças, com faixa etária entre sete e oito anos, estudantes do segundo ano de uma escola pública, por meio de três etapas metodológicas. A partir do corpus obtido, nota-se maior ocorrência de trocas de oclusivas na relação surda/sonora e em sílabas constituídas por encontros consonantais. A análise de outiva não evidenciou a correspondência dessas trocas na fala, no entanto, análises acústicas revelaram indícios do papel do aprimoramento fonético/fonológico na escrita dos segmentos oclusivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vergília Spiering Damé, Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil

Curso de Pós-Graduação em Letras, bolsistas CAPES/FAPERGS

Giovana Ferreira-Gonçalves, Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil

Professora Adjunta do Centro de Letras e Comunicação, atua nos cursos de Letras e no Programa de Pós-Graduação em Letras da UFPEL. Bolsista de Produtividade do CNPQ, realiza pesquisas nas áreas de fonética/fonologia e aquisição da linguagem.

Downloads

Publicado

2017-08-30

Como Citar

DAMÉ, V. S.; FERREIRA-GONÇALVES, G. Trocas ortográficas de consoantes oclusivas no português brasileiro: dados de pelotas/rs - Brasi. Signótica, Goiânia, v. 29, n. 2, p. 504–527, 2017. DOI: 10.5216/sig.v29i2.35632. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/35632. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigo