Relações dêiticas no plano da memória: algumas incursões dos sintagmas nominais demonstrativos

Autores

  • Caio César Costa Santos Universidade Federal de Sergipe (UFSE), Aracajú, SE
  • Geralda de Oliveira Santos Lima Universidade Federal de Sergipe (UFSE), Aracajú, SE

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v27i2.30768

Palavras-chave:

processamento do texto, dêiticos de memória, situação projetada, memória demonstrativa, macrorrepresentações.

Resumo

O presente trabalho reúne contribuições que demonstram como o fenômeno da dêixis de memória pode suscitar no leitor a sensação de que o emprego de  pronomes  demonstrativos  não    relaciona  tematicamente  com  a  porção anterior  que  rompe  a  própria  continuidade  referencial.  À  medida  que o  processamento  de  uma  informação  contida  em  um  objeto-referente  é focalizado no campo demonstrativo da memória, costuma ocorrer a reativação de macrorrepresentações imediatamente. Verificamos, então, que esse tipo de dêitico, além de condensar, ao mesmo tempo, tanto a situação local instanciada, como a situação projetada, aponta para outras dimensões discursivas no próprio curso da textualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caio César Costa Santos, Universidade Federal de Sergipe (UFSE), Aracajú, SE

Mestre em Letras, área de concentração: Estudos Linguísticos, pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Membro do Grupo de Estudos em Linguística Textual e Memória (GELTeM/UFS).

Geralda de Oliveira Santos Lima, Universidade Federal de Sergipe (UFSE), Aracajú, SE

Doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Docente do Departamento de Letras Vernáculas e do Programa de Pesquisa e Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Sergipe. Coordenadora do Grupo de Estudos em Linguística Textual e Memória (GELTeM/UFS).

Downloads

Publicado

2015-12-22

Como Citar

SANTOS, C. C. C.; LIMA, G. de O. S. Relações dêiticas no plano da memória: algumas incursões dos sintagmas nominais demonstrativos. Signótica, Goiânia, v. 27, n. 2, p. 351–374, 2015. DOI: 10.5216/sig.v27i2.30768. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/30768. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigo