Interação Comunitária Na Preservação E Recuperação De Reserva Nativa No Município De Campo Grande – Ms

Autores

  • Armando Cirilo de Souza
  • Pedro Henrique Guedes
  • Fernando Garcia Raulino
  • Mayene Pereira Andreatta

DOI:

https://doi.org/10.5216/revufg.v18i24.58601

Resumo

As grandes e pequenas reservas pertencentes ao município de Campo Grande - MS, tem apresentado sérios problemas causados pelos avanços da construção civil e o desmatamento irregulares e ainda pela falta de conscientização e educação da comunidade local, produzindo uma degradação vegetal e consequências graves para todo o ecossistema.  Com a interação comunitária foram realizadas observações no local, e foi possível classificar a área como degradada. Desta forma, esse projeto teve como objetivo empregar o método de Enriquecimento Vegetal da Reserva com a interação comunitária local. O método utilizado foi a realização da produção de mudas de árvores das espécies nativas regionais e a plantação na reserva, com ajuda da comunidade local, tornando o ecossistema mais próximo daquele originalmente existente. Os resultados apresentados, com a interação comunitária na reserva, foram excelentes; pois algumas espécies das mudas de árvores plantadas mostraram bons desenvolvimentos. Concluímos que a interação da comunidade, resultou em uma conscientização em relação à importância da preservação do meio ambiente em reservas nativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Armando Cirilo de Souza

Armando Cirilo de Souza, professor Departamento de Física – UEMS. Pós Doutorado – The University of Sheffield – England.

Pedro Henrique Guedes

Estudande Agronomia -UEMS

Fernando Garcia Raulino

Estudante Agronomia – UEMS

Mayene Pereira Andreatta

Estudante de Engenharia Florestal - UEMS

Downloads

Publicado

2018-12-28

Como Citar

SOUZA, A. C. de; GUEDES, P. H.; RAULINO, F. G.; ANDREATTA, M. P. Interação Comunitária Na Preservação E Recuperação De Reserva Nativa No Município De Campo Grande – Ms. Revista UFG, Goiânia, v. 18, n. 24, 2018. DOI: 10.5216/revufg.v18i24.58601. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revistaufg/article/view/58601. Acesso em: 10 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos