O TRABALHO CONTEMPORÂNEO E A SUBJETIVIDADE DO TRABALHADOR

Autores

  • leidiane francisco diniz universidade federal de goiás-regional catalão

DOI:

https://doi.org/10.5216/revufg.v17i21.51672

Resumo

 

 

Resumo: O presente artigo teve como objetivo investigar as implicações do trabalho contemporâneo na subjetividade do trabalhador. O estudo consistiu em uma pesquisa qualitativa, exploratória. Realizou uma pesquisa de campo, para a qual se fez uso do instrumento entrevista semiestruturada. Desta etapa do estudo, participaram três trabalhadores que estavam procurando emprego em uma empresa de recursos humanos, situada em Catalão - GO. Considerou-se que, o trabalhador contemporâneo é tratado como um objeto, uma vez que, ele deve realizar as tarefas de acordo com os desejos e as determinações de um Outro-organizacional. Ao considerar o sujeito na posição de objeto e alienado aos desejos organizacionais, seria plausível dizer que ocorre a morte do sujeito freudiano, no campo do trabalho contemporâneo. Para psicanálise, tornar-se sujeito, o indivíduo precisa abandonar a posição de objeto de gozo materno, por meio da interdição simbólica, para, então, ser ator de seu discurso e desejo, como nos primórdios de sua constituição subjetiva. Mas, quando ingressa no mundo do trabalho, geralmente, ele retorna à condição de objeto, visto que volta a estar alienado quanto aos desejos de um Outro organizacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Giovanni. Trabalho e subjetividade: o espírito do toyotismo na era do capitalismo manipulatório. São Paulo: Biotempo, 2011.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Biotempo, 2009.

ARIÈS, Philippe. O sentimento da infância. In: História social da criança e da família. 2°ed. Rio de Janeiro: LTC,1981.

BENJAMIN, Walter. O narrador. In: Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense,1994.

BERNARDINHO, Leda Mariza Fischer. A criança como mestra do gozo da família atual: desdobramentos da “pesquisa de indicadores clínicos de risco para o desenvolvimento infantil”. In: Revista Mal-estar e subjetividade: Fortaleza, vol.VIII, n°3, p 661-680, 2008.

BERNARDINHO, Leda Mariza Fisher. O que a psicanálise pode ensinar sobre a criança, sujeito em constituição. São Paulo: Escuta, 2006.

BIRMAN, Joel. Adolescência sem fim? Peripécias do sujeito num mundo pós-edipiano. In: Destino da adolescência, Rio de Janeiro: 7 letras, 2008.

CAVALCANTI, Ana Elizabeth; SILVA, Maria Helena de Barros e. A clínica psicanalítica na contemporaneidade: impasses e redescrições. In: Cata-ventos: invenções na clínica psicanalítica institucional, São Paulo: Escuta, 2006, p. 53-63.

DUFOUR, Dany-Robert. A arte de reduzir as cabeças: sobre a nova servidão ultraliberal. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2005.

FERREIRA, João Batista et. Entre a mobilização subjetiva e a subtração do desejo: estudos com base na psicodinâmica do trabalho. In: O sujeito no trabalho: entre a saúde e a patologia. Curitiba: Juruá, 2013.

FLESLER, Alba. A Psicanálise de Crianças e o Lugar Dos Pais. Rio de Janeiro: Zahar. 2012.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6° ed. São Paulo: Atlas, 2008.

LACAN, Jacques. Os complexos familiares. Rio de Janeiro: Zahar,2002.

LACAN, J. Seminário 17, o avesso da psicanálise Rio de Janeiro: Zahar,1970.

ORLANDI, Eni. P. Análise do discurso: princípios e procedimentos.6 ed. São Paulo: Pontes, 2007.

SINGER, Paul. Globalização e desemprego: diagnóstico e alternativos. 6° ed. São Paulo: Contexto, 2003.

SOUZA, Adriana Gomes de. O mal-estar no trabalho contemporâneo: Inter-relações entre o sujeito do desejo e o sujeito do trabalho. Dissertação (mestrado). Universidade Veiga de Almeida. Mestrado profissional em psicanálise, saúde e sociedade, Rio de Janeiro, 2013.

VIEIRA, Carlos Eduardo Carrusca; BARROS, Vanessa Andrade; LIMA, Francisco de Paula Antunes. Uma abordagem da Psicologia do Trabalho, na presença do trabalho. In: Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 13, n. 1, p.155-168, jun, 2007.

Downloads

Publicado

2018-08-06

Como Citar

DINIZ, leidiane francisco. O TRABALHO CONTEMPORÂNEO E A SUBJETIVIDADE DO TRABALHADOR. Revista UFG, Goiânia, v. 17, n. 21, 2018. DOI: 10.5216/revufg.v17i21.51672. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revistaufg/article/view/51672. Acesso em: 1 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos