OS FRANCESES E SEUS CLICHÊS : UMA CRÔNICA GOIANIENSE

Autores

  • Christian Nicolas René Gouraud

Resumo

Originário do Pays de la Loire, França, região conhecida pelos castelos do rio Loire, cheguei a Goiânia no mês de abril de 1989. Naquela época, pode-se dizer que a chegada de um estrangeiro caído de pára-quedas na capital do Estado de Goiás era parecida com a de um extraterrestre. Não era tão simples, como nos dias de hoje, aterrissar no aeroporto Santa Genoveva. Primeiramente, entrei no Brasil por Rio de Janeiro, não por São Paulo como é de costume nos dias de hoje, e passei o dia inteiro no aeroporto para embarcar, finalmente, por volta das 18 horas, no avião para Goiânia. Havia somente um vôo à noite naquela época; então, por que ficar das 7 da manhã às 6 da tarde no aeroporto? Bem, um dos clichês do Brasil na França era, e continua sendo, o perigo de ser roubado por algum taxista clandestino da capital carioca. Por que me arriscar, sendo que eu não falava uma palavra de português? Deixei então a minha mala no guarda-volumes e comecei um passeio pelo aeroporto na espera do meu vôo. Foi então que tive minha primeira surpresa em relação à culinária brasileira, a churrascaria. Para nós, franceses, churrascaria corresponderia a um restaurante que serve barbecue, isto é, carne assada. A diferença está no fato de que não há na França, ou melhor, não havia, restaurantes tipo rodízio, espécie de estabelecimento que serve barbecue à vontade por um preço único por pessoa (hoje, principalmente em Paris, quem pode pagar saboreia um verdadeiro churrasco brasileiro ao preço módico de 40 (...)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-08-01

Como Citar

GOURAUD, C. N. R. OS FRANCESES E SEUS CLICHÊS : UMA CRÔNICA GOIANIENSE. Revista UFG, Goiânia, v. 13, n. 10, 2017. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revistaufg/article/view/48359. Acesso em: 17 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Mundo Digital e a Universidade