Preservar sapos e rãs

Autores

  • Rogério Pereira Bastos

Resumo

Apesar de atualmente os temas biodiversidade, conservação, desmatamento, aquecimento global estarem freqüentemente na mídia, a população brasileira tem pouco conhecimento sobre a fauna e flora existentes em nosso país. É justamente essa fauna e flora que fazem do Brasil um país megadiverso, com grande potencialidade econômica, seja devido ao turismo ecológico ou pela possibilidade de descobertas de novos medicamentos. Por exemplo, de um polipeptídeo extraído do veneno da jararaca (Bothrops jararaca) obteve-se o Captopril, que é um dos medicamentos para tratamento de hipertensão mais vendidos no mundo, rendendo a seus fabricantes bilhões de dólares anuais. No caso dos anfíbios, as pesquisas têm-se mostrado promissoras para obtenção de medicamentos para o tratamento da doença de Chagas. Devido a este desconhecimento, os anfíbios são ainda considerados animais “nojentos” pela maioria da população, que ainda os vê como seres maléficos, relacionados a bruxarias. Ledo engano, uma vez que lendas de muitas nações indígenas brasileiras tratam os sapos como animais de sorte ou de bons presságios. Mas quem são os anfíbios? Estes animais são vertebrados conhecidos popularmente como sapos, rãs e pererecas, os representantes das espécies da ordem Anura (atualmente são encontradas 797 espécies de anuros no nosso país). No Brasil, são conhecidas também espécies da ordem Caudata (salamandras, uma espécie encontrada na Amazônia) e da ordem Gymnophiona (cecílias ou cobras-cegas; 27 espécies espalhadas por todo o território brasileiro). Ao todo, são conhecidas 825 espécies de anfíbios no Brasil, o que torna o nosso país o mais rico em espécies de anfíbios do mundo (SBH, 2008). (Continua...)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

REFERÊNCIAS

ALCANTARA, M. B.; LIMA, L. P.; BASTOS, R. P. “Breeding activity of Scinax centralis

(Anura, Hylidae) in Central Brazil”. Iheringia, 2007, vol. 97, n. 4, pp. 406-410.

BASTOS, R. P. “Anfíbios do Cerrado”. In: NASCIMENTO, L. B. & OLIVEIRA, M. E. (Ed.).

Herpetologia no Brasil II. Belo Horizonte: SBH, 2007, pp. 87-100.

BASTOS, R. P.; MOTTA, J. A. O.; LIMA, L.P.; GUIMARÃES, L. D. Anfíbios da Floresta

Nacional de Silvânia, Estado de Goiás. Goiânia, 2003.

BASTOS, R. P.; BUENO, M. A. F.; LIMA, L. P. “Padrões de vocalização de anúncio em

cinco espécies de Hylidae (Amphibia: Anura) do Brasil Central”. Comunicações do

Museu Ciência e Tecnologia da PUCRS, Série Zoologia, Porto Alegre, vol. 16, n. 1, pp.

-51.

BINI, L. M. ET AL. 2006 DINIZ-FILHO, J.A.F.; RANGEL, T.F.L.V.B.; BASTOS, R.P. &

PINTO, M.P. Challenging Wallacean and Linnean shortfalls: knowledge gradients and

conservation planning in a biodiversity hotspot. Diversity and Distributions, 2006, vol.

, pp. 475-482.

BUSCHBACHER, R. Expansão agrícola e perda da biodiversidade no cerrado: origens

históricas e o papel do comércio internacional. Brasília: WWF Brasil, 2000.

DINIZ-FILHO, J. A. F.; BASTOS, R. P.; RANGEL, T. F. L. V. B.; BINI, L. M.; CARVALHO, P.;

SILVA, R. J. “Macroecological correlates and spatial patterns of anuran description dates

in the Brazilian Cerrado”. Global Ecology and Biogeography, 2005, vol. 14, pp. 469-

DINIZ-FILHO, J. A. F.; BINI, L. M.; PINTO, M. P.; RANGEL, T. F. L. V. B.; CARVALHO, P.;

BASTOS, R. P. “Anuran species richness, complementarity and conservation conflicts in

Brazilian Cerrado”. Acta Oecologica, 2006, vol. 29, pp. 9-15.

DINIZ-FILHO, J. A. F.; BINI, L. M.; PINTO, M. P.; RANGEL, T. F. L. V. B.; CARVALHO, P.;

VIEIRA, S. L.; BASTOS, R. P. “Conservation biogeography of anurans in Brazilian

Cerrado”. Biodivers Conservation, 2007, vol. 16, pp. 997-1008.

DINIZ-FILHO, J. A. F.; BINI, L. M.; VIEIRA, C. M.; SOUZA, M. C.; BASTOS, R. P.;

BRANDÃO, D.; OLIVEIRA, L. G. “Spatial patterns in species richness and priority areas

for conservation of anurans in the Cerrado region, Central Brazil”. Amphibia-Reptilia,

, vol. 25, pp. 63-75.

GUIMARÃES, L. D.; LIMA, L. P.;JULIANO, R. F.; BASTOS, R. P. “Vocalizações de espécies

de anuros (Amphibia) no Brasil Central”. Boletim do Museu Nacional, série. Zool.,

, n. 474, pp. 1-14.

GUIMARÃES, L. D. & BASTOS, R. P. “Vocalizações e interações acústicas em Hyla

raniceps (Anura, Hylidae) durante a atividade reprodutiva”. Iheringia, Porto Alegre,

, vol. 93, n. 2, pp. 149-158.

HADDAD, C. F. B.; TOLEDO, L. F.; PRADO, C. P. A. Anfíbios da Mata Atlântica. São

Paulo: Editora Neotropica, 2007.

MYERS, N.; MITTERMEIER, R. A.; MITTERMEIER C. G.; FONSECA, G. A. B.; KENT, J.

“Biodiversity hotspots for conservation priorities”. Nature, 2000, vol. 403, pp. 853-858.

PASQUALI, M. S., LIMA, L. P.; BASTOS, R. P. Sapos, rãs e pererecas: desvendando os

segredos dos anfíbios. Goiânia: R. P. Bastos, 2003, 12 pp.

RANGEL, T. F. L. V. B.; BINI, L. M.; DINIZ-FILHO, J. A. F.; PINTO, M. P.; CARVALHO, P.;

BASTOS, R. P. “Human development and biodiversity conservation in Brazilian

Cerrado”. Applied Geography, 2006, vol. 27, pp. 14-27.

SBH. “Anfíbios brasileiros – lista de espécies”. Sociedade Brasileira de Herpetologia,

Disponível em: <http://www.sbherpetologia.org.br>. Acessado em: 20/05/2008.

SILVA, D. M.; CRUZ, A. D.; BASTOS, R. P.; REIS, R. L.; TELLES, M. P. C.; DINIZ-FILHO, J.

A. F. “Population structure of Eupemphix nattereri (Amphibia, Anura, Leiuperidae)

from Central Brazil”. Genetics and Molecular Biology, 2007, vol. 30, n. 4, pp. 1161-

TELLES, M. P. C.; BASTOS, R. P.; SOARES, T. N.; RESENDE, L. V.; DINIZ-FILHO, J. A. F.

“RAPD variation and population genetic structure of Physalaemus cuvieri (Anura:

Leptodactylidae) in Central Brazil”. Genetica, 2006, vol. 128, pp. 323-332.

TELLES. M. P. C.; DINIZ-FILHO, J. A. F.; BASTOS, R. P.; SOARES****; GUIMARÃES, L. D.;

LIMA, L. P. “Landscape genetics of Physalaemus cuvieri in Brazilian Cerrado:

Correspondence between population structure and patterns of human occupation and

habitat loss”. Biological Conservation, 2007, vol. 139, pp. 37-46.

TOLEDO, L. F; GIOVANELLI, J. G. R.; GIASSON, L. O. M.; PRADO, C. P. A.; GUIMARÃES,

L. D.; BASTOS, R. P.; HADDAD, C. F. B. Guia interativo dos anfíbios anuros do Cerrado,

Campo Rupestre e Pantanal. (Cd Rom). São Paulo: Editora Neotropica, 2007.

VAZ-SILVA, W.; DI-BERNARDO, M.; GUIMARÃES, L. D.; BASTOS, R. P. “Territoriality,

agonistic behavior, and vocalization in Pseudis bolbodactylus A. Lutz, 1925 (Anura:

Hylidae) from Central Brazil”. Salamandra, 2007, vol. 43, n. 1, pp. 35-42

Downloads

Publicado

31-07-2017

Como Citar

BASTOS, R. P. Preservar sapos e rãs. Revista UFG, Goiânia, v. 9, n. 4, 2017. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revistaufg/article/view/48179. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos