Autonomia e entrelaçamento das especialidades: liberdade intelectual para as Artes

Autores

  • Glacy Antunes de Oliveira

Resumo

O texto da Medida Provisória nº 295, de 29 de maio de 2006, Portaria nº 7, de 29 de junho de 2006 do Ministério da Educação, que regulamenta, nas universidades federais, a progressão funcional da classe de Professor Adjunto para Professor Associado na carreira do magistério superior, reflete uma nova postura acadêmica no Brasil, por não apresentar distinção entre Ciências e Humanidades. Para progressão, o docente, que deverá ser doutor, terá seu desempenho acadêmico avaliado por meio de sua “produção intelectual, abrangendo a produção científica, artística, técnica e cultural, representada por publicações ou outras formas de expressão usuais pertinentes aos ambientes acadêmicos específicos”. Tal abrangência é bem-vinda, pois tem sido evidente que o fomento à pesquisa pelos órgãos brasileiros competentes – CNPQ, CAPES, FINEP – não vem privilegiando, com igualdade de tratamento, todas as áreas de conhecimento. Esta questão – que aflige particularmente os que trabalham com áreas não incluídas no que hoje se denomina Ciência e Tecnologia – é resultado de uma trajetória histórica instigante. O Homem saiu da concepção grega de Políbio – “antes, os acontecimentos que se desenrolavam no mundo não tinham nenhuma ligação entre si; agora, eles são todos avaliados em um mesmo conjunto” –, transitou pela concepção heliocêntrica de Copérnico (1543), viveu a experimentação científica de Francis Bacon (1561-1626), atravessou os séculos XVIII e XIX sob o peso da mecânica Newtoniana, da produção em massa e da industrialização e chegou a um avanço tecnológico de tal monta, prepoderantemente ligado às questões materiais, que significa, no entender de Ana G. Rêgo Souza, “a tragédia do homem contemporâneo”. (Continua...)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

31-07-2017

Como Citar

DE OLIVEIRA, G. A. Autonomia e entrelaçamento das especialidades: liberdade intelectual para as Artes. Revista UFG, Goiânia, v. 9, n. 1, 2017. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revistaufg/article/view/48162. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos