DIAGNÓSTICO, ESTRATÉGIAS E CAMINHOS

Autores

  • Pablo Sotuyo Blanco

DOI:

https://doi.org/10.5216/mh.v4i2.3938

Resumo

Apresentação Para podermos determinar quais os caminhos que a musicologia histórica brasileira poderia ou deveria percorrer neste novo século, é mister lançarmos um olhar atento ao seu passado para assim compreender o presente que dele resultou. Diagnóstico do Passado: da musicologia no Brasil à musicologia brasileira. Ao se fazer o levantamento dos escritos relativos à música no Brasil, podem ser estabelecidas duas grandes etapas. A primeira das etapas pode-se definir como pré-musicológica e inclui três grandes conjuntos documentários: a) crônicas descritivas do novo cenário; b) biografias de vultos representativos da cultura; c) trabalhos de cunho historicista. Cada um desses conjuntos satisfez as necessidades sócio-políticas das respectivas épocas, desde as descrições do encontro do homem branco com o novo mundo a ser colonizado, até os esforços de afirmação nacionalista realizados com critérios eurocentrados e evolucionistas. A etapa musicológica em si começa durante a década de 1940, quando o pesquisador teuto-uruguaio Francisco Curt Lange desenvolveu suas atividades no Brasil, dando inicio assim à primeira das três épocas em que pode se dividir este novo período. É inegável a importância que dito pesquisador teve para o estabelecimento da musicologia histórica no Brasil, centrando o foco do seu trabalho na fonte documental enquanto fundamento da pesquisa. Foi a partir dos seus trabalhos, que constituem um importante chamado de atenção para o passado musical de áreas não metropolitanas do Brasil daquela época, que se estabeleceram às características fundamentais da prática relativa à pesquisa musicológica histórica (e arquivística) das décadas seguintes. Em meados da década de 1960, a musicologia histórica vivenciou, no Brasil, o inicio de uma prática mais fortemente apoiada em conceitos e metodologias científicas, com um marcado interesse pela crítica e revisão de fontes, embora ainda estivesse fundamentada em princípios positivistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-05-19

Como Citar

SOTUYO BLANCO, P. DIAGNÓSTICO, ESTRATÉGIAS E CAMINHOS. Música Hodie, Goiânia, v. 4, n. 2, 2008. DOI: 10.5216/mh.v4i2.3938. Disponível em: https://revistas.ufg.br/musica/article/view/3938. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos