SENSO COMUM E ESTEREOTIPIA NAS PRÁTICAS DE LEITURA

Autores

  • Dylia Lysardo-Dias Universidade Federal de São João del-Rei

DOI:

https://doi.org/10.5216/ia.v37i1.18866

Resumo

Este artigo apresenta uma reflexão sobre as representações sociais acerca da leitura e de sua prática sob uma perspectiva discursiva. Considerando a natureza sócio-histórica da leitura, focaliza-se a sua relação com a estereotipia e a consequente naturalização de certas visões, naturalização que desconsidera a dinamicidade da vida social e a ação dos indivíduos como sujeitos únicos que transitam entre o novo e o diferente, ressignificam o jádito a partir da sua subjetividade e das relações intersubjetivas nas quais se inscrevem. Os estereótipos, entendidos como esquemas culturais que instituem uma percepção coletiva, mas nem por isso imutável, desempenham um importante papel no processo de leitura, já que o poder de evocação do estereótipo tem a ver com o conhecimento prévio que o leitor possui de seu próprio entorno e com a sua capacidade de perceber a presença de certos universos de referência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-06-08

Como Citar

LYSARDO-DIAS, D. SENSO COMUM E ESTEREOTIPIA NAS PRÁTICAS DE LEITURA. Revista Inter Ação, Goiânia, v. 37, n. 1, p. 27–36, 2012. DOI: 10.5216/ia.v37i1.18866. Disponível em: https://revistas.ufg.br/interacao/article/view/18866. Acesso em: 27 nov. 2022.