Quando o bordado e a memória se entrelaçam

imagem e oralidade em Arpilleras amazônicas

Autores

  • Marina Haizenreder Ertzogue Universidade Federal do Tocantins

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v23i3.51464

Resumo

Resumo: O presente artigo trata da relação entre arte e movimentos sociais através da criação de oficinas de confecção de arpilleras durante a ditadura de Pinochet (1973–1990). As arpilleras chilenas foram instrumentos de resistência política e mobilização popular. Uma das especificidades desse artesanato tradicionalmente feito por mãos femininas é a sua linguagem visual que requer do historiador sensibilidade para lidar com a memória em tecido. No Brasil, a técnica da arpillera está sendo adotada por mulheres do Movimento dos Atingidos por Barragens como instrumento de denúncias por violações dos direitos humanos e registro de perda de lugares de memórias, em virtude da construção de hidroelétricas e da desterritorialização de populações ribeirinhas impactadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Haizenreder Ertzogue, Universidade Federal do Tocantins

Doutora em História Social pela USP Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências dos Ambiente (M/D) da UFT Professora do curso de História (graduação) da UFT Bolsista Produtividade do CNPq

Downloads

Publicado

2019-03-23

Como Citar

ERTZOGUE, M. H. Quando o bordado e a memória se entrelaçam: imagem e oralidade em Arpilleras amazônicas. História Revista, Goiânia, v. 23, n. 3, p. 104–120, 2019. DOI: 10.5216/hr.v23i3.51464. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/51464. Acesso em: 29 jun. 2022.