Por uma etnografia das sensibilidades

histórias, memórias e antropologias

Autores

  • Túlio Fernando Mendanha Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil, tuliofmendanha@hotmail.com.

DOI:

https://doi.org/10.5216/hawo.v4.74752

Palavras-chave:

Antropologia. Etnografia. História. Hermenêutica. Sensibilidades.

Resumo

É de meu interesse neste artigo, elaborado quase em forma de ensaio, expor diversas abordagens sobre memória e hermenêutica a partir de um sobrevoo com diversos autores (as) da Filosofia, Literatura, História e Antropologia. Para tanto me guio especialmente pelos escritos de Pesavento (2007) sobre as possibilidades de captação das sensibilidades dentro dos trabalhos acadêmicos de ciências humanas. Proponho também a possibilidade de utilização da cultura material enquanto vulcanizadora das múltiplas sensibilidades, e neste ínterim, a parte final do texto conta com uma breve entrevista feita durante meu trabalho de campo durante a tessitura de minha tese de doutoramento, onde exponho uma tentativa de exercício de coetaneidade etnográfica (Fabian, 2013) direcionada a importância de captação das sensibilidades no fazer histórico e antropológico.

Biografia do Autor

Túlio Fernando Mendanha, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil, tuliofmendanha@hotmail.com.

Historiador pela Universidade Estadual de Goiás, mestre e doutor em Antropologia social pela Universidade Federal de Goiás. 

Referências

ALEKSIÉVITCH, Stevlana. A guerra não tem rosto de mulher. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

ARISTÓTELES. Invitation à la philosophie. Paris, Minuit: Mille et une muits, 2002.

BACHERLARD, Gaston. A dialética da duração. São Paulo: Ática, 1994.

BALANDIER, Georges. A noção de situação colonial. Cadernos de Campo, São Paulo, v. 3, n. 3, p. 107-131, mar. 1993.

BERGSON, Henri. Matéria e memória: ensaio da relação do corpo com o espírito. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

BLOCH, Marc. Os reis taumaturgos. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

BOSI, Ecléa. Memória social: lembrança de velhos. São Paulo: Cia. das Letras, 1994.

CHARTIER, Roger. O mundo como representação. Estudos Avançados, São Paulo, v. 5, n. 11, p. 173-191, 1991.

DROYSEN, Johann Gustav. Historica: lecciones sobre la enciclopedia y metodologia de la historia. Barcelona: Alfa, 1983.

FAULKNER, W. O som e a fúria. Trad. Paulo Henriques Britto. 2. ed. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

FABIAN, Johannes. O tempo e o outro: como o antropólogo estabelece seu objeto. Petrópolis: Vozes, 2013.

FEBVRE, Lucien. Vivre l’histoire: propos d’initiation. In: FEBVRE, Lucien. Combats pour l’histoire. Paris: Armand Colin, 1992. p. 18-33.

GEERTZ, Clifford. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. In: GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 2008a. p. 13-41.

GEERTZ, Clifford. Um jogo absorvente: notas sobre a briga de galo balinesa. In: GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 2008b. p. 185-213.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Antropologia dos objetos: coleções, museus e patrimônios. Rio de Janeiro: IBRAM, 2007.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes: o cotidiano e as idéias de um moleiro perseguido pela inquisição. Tradução Maria Betânia Amoroso. São Paulo: Cia. das Letras, 1987.

HALBWACHS, Maurice. Memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

HUIZINGA, Johan. Nas sombras do amanhã: diagnóstico da enfermidade espiritual do nosso tempo. São Paulo: Saraiva, 1946.

INGOLD, Timothy. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 18, n. 37, p. 25-44,jun. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ha/a/JRMDwSmzv4Cm9m9fTbLSBMs/?lang=pt Acesso em: 12 de janeiro de 2021

INGOLD, Timothy. That’s enough about ethnography! Hau: Journal of Ethnographic Theory, v. 4, n. 1, p. 383-395, 2014. Disponível em: https://www.haujournal.org/index.php/hau/article/view/hau4.1.021 Acesso em: 09 de janeiro de 2021

KOPYTOFF, Igor. A biografia cultural das coisas: a mercantilização como processo. In: APPADURAI, Arjun. A vida social das coisas – as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói Editora da UFF.2008.

LUCRÉCIO. De rerun natura. Paris: Hachette, 1992.

NABOKOV, Vladimir. Lições de literatura. São Paulo: Três Estrelas, 2015.

NORA, Pierre. Entre a memória e a história: a problemática dos lugares. Tradução de Yara Aun Khoury. São Paulo: Projeto História, 1981. p. 7-28.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Sensibilidades: escrita e leitura da alma. In: PESAVENTO, Sandra Jatahy; LANGUE, Frédérique (org.). Sensibilidades na história: memórias singulares e identidades sociais. 1. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007.

PROUST, Marcel. No caminho de Swann. Trad. Mario Quintana. São Paulo: Globo, 2006.

RICOUER, Paul. A memória, a história e o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

Downloads

Publicado

2023-11-21

Como Citar

MENDANHA, T. F. Por uma etnografia das sensibilidades: histórias, memórias e antropologias. Hawò, Goiânia, v. 4, p. 1–22, 2023. DOI: 10.5216/hawo.v4.74752. Disponível em: https://revistas.ufg.br/hawo/article/view/74752. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê "Sobre dores e ressentimentos: patrimônios em perspetiva crítica".