As (não) convocações de mulheres para cargos de liderança nas comissões técnicas no Handebol brasileiro nos anos de 2014-2020

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/rpp.v24.65760

Palavras-chave:

Gênero. Esporte. Mulher. Trabalho.

Resumo

O objetivo do estudo foi quantificar as convocações de mulheres para os cargos de liderança nas comissões técnicas das seleções nacionais masculinas e femininas de handebol. Foram analisadas as convocações oficiais entre os anos de 2014 e 2020 e verificadas quantas vezes homens e mulheres foram convocados para os cargos do estudo. Temos em um total de 58 convocações, não houve convocação para treinadora principal, apenas uma convocação para auxiliar técnica e 18 convocações para supervisora no feminino. No masculino não houve convocação de mulheres para os cargos estudados. Concluímos que o cenário do handebol de alto nível brasileiro é hegemonicamente comandado por homens, refletindo as desigualdades de gênero no campo profissional esportivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tathyane Krahenbühl, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil, tathy04n@gmail.com

Professora efetiva - Faculdade de Educação Física e Dança da Universidade Federal de Goiás (FEFD/UFG)

Downloads

Publicado

28-06-2021

Como Citar

Silva, L. A., Jacó, J. F., & Krahenbühl, T. (2021). As (não) convocações de mulheres para cargos de liderança nas comissões técnicas no Handebol brasileiro nos anos de 2014-2020. Pensar a Prática, 24. https://doi.org/10.5216/rpp.v24.65760

Edição

Seção

Artigos Originais