A INDÚSTRIA DO FITNESS E SEU DESENVOLVIMENTO DESIGUAL: UM ESTUDO SOBRE AS ACADEMIAS DE GINÁSTICA NA CIDADE DE GOIÂNIA

Autores

  • Dennia Pasquali Faculdade de Educação Física, Universidade Federal de Goiás - Goiânia
  • Ricardo Niterói Faculdade de Educação Física, Universidade Federal de Goiás - Goiânia
  • Fernando Mascarenhas

DOI:

https://doi.org/10.5216/rpp.v14i2.12311

Palavras-chave:

Fitness, Academias de Ginástica, Goiânia

Resumo

Este artigo resulta de uma investigação sobre a lógica de desenvolvimento da “Indústria do Fitness”. A partir do estudo de caso, buscamos cotejar as tendências de expansão desta “Indústria” com dados referentes ao contexto de Goiânia-GO. Foi construída uma caracterização quantitativa do mercado e realizada uma pesquisa qualitativa, envolvendo observação e entrevistas, junto a 10 academias do município. Concluiu-se que o crescimento deste setor segue a lógica de desenvolvimento desigual, com a oposição entre grandes academias, que demonstram enorme capacidade de inovação, distribuindo-se pelos centros mais dinâmicos da cidade, e as pequenas academias que proliferam na periferia, baseadas em métodos tradicionais de organização do trabalho e dependentes do consumo local.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dennia Pasquali, Faculdade de Educação Física, Universidade Federal de Goiás - Goiânia

Acadêmica do curso de Licenciatura em Educação Física da UFG. Bolsista de Iniciação Científica. Integrante do GEPELC-UFG.

Ricardo Niterói, Faculdade de Educação Física, Universidade Federal de Goiás - Goiânia

Licenciado em Educação Física pela UFG. Integrante do GEPELC-UFG

Fernando Mascarenhas

Mestre e Doutor em Educação Física pela Unicamp. Professor da Faculdade de Educação Física da UFG.

Downloads

Publicado

2011-09-13

Como Citar

PASQUALI, D.; NITERÓI, R.; MASCARENHAS, F. A INDÚSTRIA DO FITNESS E SEU DESENVOLVIMENTO DESIGUAL: UM ESTUDO SOBRE AS ACADEMIAS DE GINÁSTICA NA CIDADE DE GOIÂNIA. Pensar a Prática, Goiânia, v. 14, n. 2, 2011. DOI: 10.5216/rpp.v14i2.12311. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fef/article/view/12311. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais