Consumo de informação durante a pandemia da Covid-19

um estudo sobre construção de legitimidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v26.75447

Palavras-chave:

Legitimidade, Pandemia, Consumo de Informação

Resumo

O objetivo desta pesquisa é identificar a forma como as pessoas buscaram e avaliaram informações acerca da pandemia da Covid-19, analisando o processo de legitimação de informações nesse período, tendo como lente teórica o conceito de legitimidade da Teoria Institucional. Através de entrevistas em profundidade com 42 participantes, foram identificadas quatro etapas no processamento de informações, bem como as estratégias de legitimação usadas em cada uma. Na etapa 1 (“Tudo ao mesmo tempo”), foram usadas as estratégias de legitimidade pragmática e, com menor ênfase, a cognitiva. Na etapa 2 (“Luto e negação”), as estratégias de legitimação moral prevaleceram. Já na etapa 3 (“Menos é mais”), observou-se o uso equilibrado das estratégias de legitimação cognitiva e moral. Na etapa 4 (“Quase normal”), também foram dominantes as estratégias cognitiva e moral. O entendimento das estratégias de legitimação de informações usadas pelos consumidores pode contribuir para que, na prática, mais informações fidedignas sejam processadas e compartilhadas. Além disso, se considerarmos que a legitimidade faz com que um grupo aceite e adote um determinado objeto social, se mais informações verdadeiras forem repassadas, mais comportamentos protetivos à saúde poderão ser adotados. Por outro lado, fontes de informações falsas podem usar das mesmas prerrogativas para serem percebidas como legitimas e, assim, influenciar negativamente atitudes e comportamentos das pessoas. É fundamental, portanto, estar também atento a estratégias que legitimam essas falsas informações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Abrantes Ferreira, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil, danielaf0604@gmail.com

Doutora em Administração pelo Instituto COPPEAD de Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com extensão em Métodos Participativos de Aprendizagem (Colloquium on Participant Centered Learning) pela Harvard Business School, EUA. Professora Associada do Departamento de Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro (FACC/UFRJ). Coordenadora do Grupo de Pesquisa "Consumo Sustentável e Plataformas Digitais" no Diretório de Grupos do CNPq e do Projeto de Extensão "Arte Juntas" (FACC/UFRJ). 

Referências

ALBRIGHT, J. Welcome to the Era of Fake News. Media and Communication, v. 5, n. 2, p. 87-89, 2017.

ARDLEY, B. C.; QUINN, L. Practitioner accounts and knowledge production: An analysis of three marketing discourses. Marketing Theory, v. 14, n. 1, p. 97-118, 2014.

ARNOULD, E. J.; THOMPSON, C. J. Consumer Culture Theory (CCT): Twenty years of research. Journal of Consumer Research, v. 31, n. 14, p. 868-882, 2005.

BANSAL, P.; CLELLAND, I. Talking trash: Legitimacy, impression management, and unsystematic risk in the context of the natural environment. Academy of Management Journal, v. 47, n. 1, p. 93-103, 2004.

BARDIN, L. Análise de conteúdo: edição revista e ampliada. São Paulo: Edições 70, 2016.

BARNHART, M.; HUFF, A. D. Negotiating the Legitimacy of an American Icon: Myth and the US Gun Market. NA–Advances in Consumer Research, v. 46, 2018.

BARRETO, L. K. S.; NETO, A. R. V.; VASCONCELOS, F. S.; SILVA COSTA, R. P. Startups e o consumo de comunicação: possibilidades por variáveis de influência em redes sociais digitais. Comunicação & Informação, v. 20, n. 2, p. 45-58, 2017.

BAUER, M. W. Análise de conteúdo clássica: uma revisão. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G (org.) Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 13a ed. Petrópolis: Vozes, 2015.

BEDNAR, M. K. Watchdog or lapdog? A behavioral view of the media as a corporate governance mechanism. Academy of Management Journal, v. 55, n. 1, p. 131-150, 2012.

BIERWIACZONEK, K.; KUNST, J. R.; PICH, O. Belief in COVID-19 conspiracy theories reduces social distancing over time. Applied Psychology, v. 12, p. 1270-1285, 2020.

BITEKTINE, A. Toward a Theory of Social Judgments of Organizations: The Case of Legitimacy, Reputation, and Status. Academy of Management Review, v. 36, n. 1, p. 151-79, 2011.

BITEKTINE, A.; HAACK, P. The “macro” and the “micro” of legitimacy: Toward a multilevel theory of the legitimacy process. Academy of Management Review, v. 40, n. 1, p. 49-75, 2015.

CAPURRO, R.; HJORLAND, B. O conceito de informação. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 12, n. 1, p. 148-207, 2007.

CHANEY, D.; LUNARDO, R.; BRESSOLLES, G. Making the store a place of learning: The effects of in-store educational activities on retailer legitimacy and shopping intentions. Journal of Business Research, v. 69, n. 12, p. 5886-5893, 2016.

CORNELISSEN, J. P.; DURAND, R.; FISS, P. C.; LAMMERS, J. C.; VAARA, E. Putting communication front and center in institutional theory and analysis. Academy of Management Review, v. 40, n. 1, p. 10-27, 2015.

COSKUNER-BALLI, G.; THOMPSON, C. J. The status costs of subordinate cultural capital: At-home fathers’ collective pursuit of cultural legitimacy through capitalizing consumption practices. Journal of Consumer Research, v. 40, n. 1, p. 19-41, 2013.

COSTA, R. M. B.; CARVALHO, C. Jornalismo e redes sociais: novas práticas e reconfigurações. Comunicação & Informação, v. 24, p. 1-16, 2021.

CRESWELL, J. W. Projeto de Pesquisa: Métodos Qualitativo, Quantitativo e Misto. 3a ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

CRUZ-SUAREZ, A., PRADO-ROMÁN, A., & PRADO-ROMÁN, M. Legitimidade cognitiva, acesso aos recursos e resultados organizacionais. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 54, n. 5, p. 575-584, 2014.

D’ANCONA, M. Post Truth: The New War on Truth and How to Fight Back, London: Ebury Press., 2017.

DAVENPORT, T. H. Ecologia da informação: porque só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Futura, 1998.

DOMINGUES, L. Infodemia: uma ameaça à saúde pública global durante e após a pandemia de Covid-19. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde, v. 15, n. 1, p. 12-17, 2021.

DOUGLAS, M. Como as instituições pensam. São Paulo: Edusp, 1998.

EPSTEIN, I. Quando um fato se transforma em notícia no jornalismo e na ciência. Comunicação e Sociedade, v. 28, n. 47, p. 159-179, 2007.

ERZ, A.; HEERIS CHRISTENSEN, A. Transforming consumers into brands: Tracing transformation processes of the practice of blogging. Journal of Interactive Marketing, v. 43, n. 1, p. 69-82, 2018.

EYSENBACH, G. How to Fight an Infodemic: The Four Pillars of Infodemic Management. Journal of Medical Internet Research, v. 22, n. 6, p. e21820, 2020.

FERREIRA, D. A.; CHIMENTI, P. C. P. S. Netnography: Unveiling Human Narratives in a Digital World. Netnography: unveiling human narratives in a digital world. Brazilian Journal of Marketing, v. 21, n. 4, p. 1433-1455, 2022.

FLICK, U. Introdução à Pesquisa Qualitativa, 3ª ed. São Paulo: Artmed, 2009.

FREEMAN, D. et al. Coronavirus conspiracy beliefs, mistrust, and compliance with government guidelines in England. Psychological Medicine, v. 1, n. 13, p. 251-263, 2020.

FREIRE, N. P. et al. The infodemic transcends the pandemic. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v. 26, n. 9, p. 4065-4068, 2021.

GALHARDI et al. Fato ou Fake? Uma análise da desinformação frente à pandemia da Covid-19 no Brasil. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v. 25, p. 4201-4210, 2020.

GIESLER, M. How Doppelgänger Brand Images Influence the Market Creation Process: Longitudinal Insights from the Rise of Botox Cosmetic. Journal of Marketing, v. 76, n. 6, p. 55-68, 2012.

GIRÃO, M.; IRIGARAY, H. A. R.; STOCKER, F. Fake news e storytelling: dois lados da mesma moeda ou duas moedas com lados iguais? Cadernos EBAPE.BR, v. 21, n. 1, p. e2023-0003, 2023.

HAKALA, H.; NIEMI, L; KOHTAMAKI, M. Online brand community practices and the construction of brand legitimacy, Marketing Theory, v. 17, n. 4, p. 537-58, 2017.

HANDCOCK, M. S.; GILE, K. J. On the Concept of Snowball Sampling. Sociological Methodology, v. 41, n. 1, p. 367-371, 2011.

HANDELMAN, J. M.; ARNOLD, S. J. The role of Marketing Actions with a Social Dimension: Appeals to the Institutional Environment. Journal of Marketing, v. 63, p. 33-48, 1999.

HENRIQUES, C. A dupla epidemia: febre amarela e desinformação. Revista Eletrônica Comunicação Informação Inovação Saúde, v. 12, n. 1, p. 9-13, 2018.

HOFFMAN, D. L.; NOVAK, T. P. Toward a deeper understanding of social media. Journal of Interactive Marketing, v. 26 n. 2, p. 69-70, 2012.

HUMPHREYS, A. Megamarketing: The creation of markets as a social process. Journal of Marketing, v. 74, n. 2, p. 1-19, 2010a.

HUMPHREYS, A. Semiotic structure and the legitimation of consumption practices: The case of casino gambling. Journal of Consumer Research, v. 37, n. 3, p. 490-510, 2010b.

HUMPHREYS, A.; LATOUR, K. A. Framing the Game: Assessing the Impact of Cultural Representations on Consumer Perceptions of Legitimacy. Journal of Consumer Research, v. 40, n. 4, p. 773-795, 2013.

HUMPHREYS, A.; THOMPSON C. J. Branding Disaster: Reestablishing Trust through the Ideological Containment of Systemic Risk Anxieties. Journal of Consumer Research, v. 41, n. 4, p. 877-910, 2014.

HYBELS, R. C. On legitimacy, legitimation, and organizations: A critical review and integrative theoretical model. In: Academy of Management Proceedings. Briarcliff Manor, NY 10510: Academy of Management, 1995. p. 241-245.

JANN, B.; KRUMPAL, I.; WOLTER, F. Social Desirability Bias in Surveys–Collecting and Analyzing Sensitive Data. Methods, data, analyses, v. 13, n. 1, p. 3-6, 2019.

JOHNSON, C. Introduction: Legitimacy processes in organizations. Research in the Sociology of Organizations, v. 22, p. 1-24, 2004.

JOHNSON, C.; DOWD, T. J.; RIDGEWAY, C. L. Legitimacy as a Social Process. Annual Review of Sociology, v. 32, p. 53-78, 2006.

KATES, S. M. The Dynamics of Brand Legitimacy: An Interpretive Study in the Gay Men’s Community. Journal of Consumer Research, v. 31, n. 2, p. 455-464, 2004.

KOZINETS, R. V.; FERREIRA, D. A.; CHIMENTI, P. How do platforms empower consumers? Insights from the affordances and constraints of Reclame Aqui. Journal of Consumer Research, v. 48, n. 3, p. 428-455, 2021.

KOZINETS, R.V.; SCARABOTO, D.; PARMENTIER, M. A. Evolving netnography: How brand auto-netnography, a netnographic sensibility, and more-than human netnography can transform your research, Journal of Marketing Management, v. 34, n. 3-4, p. 231-242, 2018.

LAWRENCE, T. B.; PHILLIPS, N. From Moby Dick to Free Willy: Macro-cultural discourse and institutional entrepreneurship in emerging institutional fields. Organization, v. 11, n. 5, p. 689-711, 2004.

LECA, B.; NACCACHE, P. A critical realist approach to institutional entrepreneurship. Organization, v. 13, n. 5, p. 627-651, 2006.

LILLQVIST, E.; MOISANDER, J. K.; FIRAT, A. F. Consumers as legitimating agents: How consumer-citizens challenge marketer legitimacy on social media. International Journal of Consumer Studies, v. 42, n. 2, p. 197-204, 2017.

MAIA, M. A. Q.; CONEGLIAN, C.; SHINTAKU, M. Modelo para postagens de notícias com enfoque na qualidade da Informação. Comunicação & Informação, v. 25, p. 245-264, 2022.

MEYER, P. News media responsiveness to public health. In: ALKIN, C.; WALLACK, L. (eds.). Mass communication and public health. Newbury Park: Sage, 1990.

MEYER, J. W.; BRIAN, R. Institutionalized organizations: formal structure as myth and ceremony. American Journal of Sociology, v. 83, n. 2, p. 340-363, 1977.

MINAYO, M. C. S. Amostragem e Saturação em Pesquisa Qualitativa: Consensos e Controvérsias. Revista Pesquisa Qualitativa, v. 5, n. 7, p. 01-12, 2017.

MINAYO, M. C. S.; DESLANDES, S. F.; GOMES, R. (Org.) Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes, 2016.

MINGERS, J.; STANDING, C. What is information? Toward a theory of information

as objective and veridical. Journal of Information Technology, v. 33, n. 2, p. 85-104, 2018.

MOZZATO, A. R.; GRZYBOVSKI, D. Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios. Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 4, p. 731-747, 2011.

NIC.BR; CETIC.BR. Painel TIC Covid-19. 2ª edição: Serviços públicos on-line, telesaúde e privacidade. Outubro, 2020. Disponível em: https://www.cetic.br/pt/tics/tic-covid-19/painel-covid-19/2-edicao/G1W/. Acesso em: 23 de abr. de 2021.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE. Entenda a infodemia e a desinformação na luta contra a COVID-19, 2021. Disponível em https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/52054/Factsheet-Infodemic_por.pdf?sequence=16, Acesso em 01 abr. 2022.

PRADO-ROMAN, C.; DIEZ-MARTIN, F.; BLANCO-GONZALEZ, A. O efeito da comunicação sobre a legitimidade e o desempenho das organizações. Revista Brasileira de Gestão e Negócios, v. 22, n. 3, p. 565-581, 2020.

PRESS, M.; ARNOULD, E. J. Legitimating community supported agriculture through American pastoralist ideology. Journal of Consumer Culture, v. 11, n. 2, p. 168-94, 2011.

RABAÇA, C. A.; BARBOSA, G. Dicionário de Comunicação. São Paulo: Editora Ática, 2001.

RAMOS, D. M. D.; NASCIMENTO, V. G. D. A família como instituição moderna. Fractal: Revista de Psicologia, v. 20, p. 461-472, 2008.

RAO, H.; MONIN, P.; DURAND, R. Institutional change in Toque Ville: Nouvelle cuisine as an identity movement in French gastronomy. American Journal of Sociology, v. 108, n. 4, p. 795-843, 2003.

RECUERO, R. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

REUTERS INSTITUTE FOR THE STUDY OF JOURNALISM. Digital News Report 2020, 2020. Disponível em: https://static.poder360.com.br/2020/06/DNR_2020_FINAL.pdf. Acesso em 23 abr. 2022.

ROSSETTO, C. R.; ROSSETTO, A. M. Teoria institucional e dependência de recursos na adaptação organizacional: uma visão complementar. RAE eletrônica, v. 4, 2005.

SANDIKCI, Ö.; GER, G. Veiling in style: how does a stigmatized practice become fashionable? Journal of Consumer Research, v. 37, n. 1, p. 15-36, 2010.

SASTRE, A.; CARVALHO, J. M. O comportamento do usuário no processo de difusão de fake news: reflexões sobre o processo de comunicação nas plataformas digitais. Comunicação & Informação, v. 21, n. 3, p. 91-106, 2018.

SCARABOTO, D.; FISCHER, E. Frustrated Fatshionistas: An Institutional Theory Perspective on Consumer Quests for Greater Choice in Mainstream Markets. Journal of Consumer Research, v. 39, n. 6, p. 1234-1257, 2012.

SCOTT, W. R. Institutions and organizations. Ideas, interests, and identities. 4th ed. Thousand Oaks, CA: Sage Publications, 2013.

SILVA, M. R.; ALMEIDA, M. A. Pesquisas internacionais sobre fake news e competência em informação no campo da biblioteconomia e ciência da informação. Comunicação & Informação, v. 25, p. 407-432, 2022.

SILVA, C. R. S.; NUNES, J. V.; TEIXEIRA, T. M. C. Do conceito de informação ao discurso sobre competência em Informação. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, v. 11, n. 2, p. 185-205, 2021.

SLIMANE, K. B. et al. Bringing institutional theory to marketing: Taking stock and future research directions. Journal of Business Research, v. 105, p. 389-394, 2019.

SUCHMAN, M. C. Managing legitimacy: Strategic and institutional approaches. Academy of Management Review, v. 20, n. 3, p. 571-610, 1995.

TANDOC, E. J. C.; LIM, Z. W.; LING, R. Defining “fake news” A typology of scholarly definitions. Digital Journalism, v. 6, n. 2, p. 137-153, 2018.

TONDATO, M. P.; ARAUJO, D. M. Entre a necessidade e a sociabilidade: transformações nas relações de consumo na pandemia Covid19. Comunicação & Informação, v. 24, p. 1-16, 2021.

THORNTON, P. H.; OCASIO, W.; LOUNSBURY, M. The institutional logics perspective: A new approach to culture, structure and process. London: OUP Oxford, 2012.

VAN DIJCK, J. The culture of connectivity: A critical history of social media. Oxford and New York, NY: Oxford University Press, 2013.

WAISBORD, S. Truth is What Happens to News: On journalism, fake news, and post-truth. Journalism Studies, v. 19, n. 13, p. 1866-1878, 2018.

WILNER, S. J.; HUFF, A. D. Objects of desire: The role of product design in revising contested cultural meanings. Journal of Marketing Management, v. 33, n. 3-4, p. 244-271, 2017.

WOOD, D. J. Corporate Social Performance Revisited. Academy of Management Review, v. 16, n. 4, p. 691-718, 1991.

YIM, M. C.; PARK, H. S. Why legitimacy matters in crisis communication: A case study of the “Nut Rage” incident on Korean Air. Journal of Business and Technical Communication, v. 33, n. 2, p. 172-202, 2019.

YUKSEL, M.; MILNE, G. R.; MILLER, E. G. Social media as complementary consumption: the relationship between consumer empowerment and social interactions in experiential and informative contexts. Journal of Consumer Marketing, v. 33, n. 2, p. 111-123, 2016.

Downloads

Publicado

2023-12-28

Como Citar

FERREIRA, D. A. Consumo de informação durante a pandemia da Covid-19: um estudo sobre construção de legitimidade. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 26, p. 378–403, 2023. DOI: 10.5216/ci.v26.75447. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/75447. Acesso em: 19 maio. 2024.