Junho de 2013 e as jornadas de um gigante acordado

mídias, desinformação e crise de representação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v26.74406

Palavras-chave:

Despolitização, Jornadas de Junho de 2013, Desinformação, Mídias sociais, Crise de representação

Resumo

As Jornadas de Junho de 2013 foram uma série de protestos que tomaram o Brasil e causaram mudanças significativas na política nacional e na forma com a qual os brasileiros se relacionam com a mídia e a informação. O uso das mídias sociais como contra narrativa à mídia tradicional na cobertura das manifestações e da violência policial ocasionou numa mudança de significados e num agravamento de problemas com representação tanto política quanto midiática. Através de uma pesquisa descritiva, foi possível ver os contornos e significados que preencheram Junho de 2013, bem como verificar o quanto que os problemas atuais com desinformação dialogam com a forma com a qual esses protestos e a disputa de narrativas se deram.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wérleson Alexandre de Lima Santos, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, Brasil, werleson.santos@outlook.com

Mestrando em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Pernambuco.

Hélio Márcio Pajeú, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, Brasil, helio.pajeu@ufpe.br.

Doutor em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Professor do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

AMARAL, A. J.; FIEDLER, C. Z.; MEDINA, R. De encontro à nova razão neoliberal: primavera árabe, Occupy e as jornadas de junho de 2013 no Brasil. Conversas & Controvérsias, Porto Alegre, v. 5, n. 2, jul./dez. 2018. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/conversasecontroversias/article/view/30308. Acesso em: 15 jun. 2022.

ATAIDE, G. A falsa consciência nos movimentos históricos: o caso das Jornadas de Junho e seus desdobramentos. In: CEI, V. et al. (Org.). O que resta das Jornadas de Junho. Porto Alegre: Editora Fi, 2017. p. 129-142.

BUCCI, E. News não são fake – fake news não são news. In: BARBOSA, M. (org.). Pós-verdade e fake news: reflexões sobre a guerra de narrativas. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019. p. 37-48.

CALIL, G. Embate e disputas em torno das Jornadas de Junho. Projeto História, São Paulo, n. 47, p. 377-409, ago. 2013. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/17155. Acesso em: 10 jun.2022.

CAMPOS, C. L. O.; MELO, B. R. de; SAMPAIO, J. V. Narrando a história atual: a construção da imagem dos grupos sociais em conflito nas manifestações de junho de 2013 no Brasil. Calidoscópio, v. 14, n. 3, p. 519-530, set./dez. 2016. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/calidoscopio/article/view/cld.2016.143.15. Acesso em: 23 jun. 2022.

CIRINO, J. A. F.; TUZZO, S. A.; TEMER, A. C. R. P. Teoria crítica social para leitura crítica da mídia. Comunicação & Informação, Goiânia, v. 17, n. 2, p. 155-174, jul./dez. 2014. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/33271. Acesso em: 23 jun. 2022.

FALLIS, D. What is disinformation?. Library Trends, [Baltimore], v. 63, n. 3, p. 401-426. jan/mar. 2015. Disponível em: https://arizona.pure.elsevier.com/en/publications/what-is-disinformation. Acesso em: 05 abr. 2022.

FERNANDES, S. Sintomas mórbidos: a encruzilhada da esquerda brasileira. São Paulo: Autonomia Literária, 2019. 387 p.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz & Terra, 2015. 151 p.

HAN, B. No enxame: perspectivas do digital. Petrópolis: Vozes, 2018. 134 p.

MIGUEL, L. F. A reemergência da direita brasileira. In.: SOLANO GALLEGO, E. O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018. p. 17-26

MORAES, D. de. Comunicação, hegemonia e contra-hegemonia: a contribuição teórica de Gamsci. Debates, Porto Alegre, v. 4, n. 1, p. 54-77, jan./jun. 2010.

NUNES, R. Como chegamos aqui? De Junho de 2013 a Bolsonaro. In: NUNES, R. Do transe à vertigem: ensaios sobre bolsonarismo e um mundo em transição. São Paulo: Ubu, 2022. p. 167-203.

SAAD-FILHO, A. Mass protests under ‘Left Neoliberalism’: Brazil, June-July 2013. Critical Sociology, Londres, v. 39, n. 5, p. 657-669. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0896920513501906. Acesso em: 05 jul. 2022.

SANTOS, E. H. de J. Crise de representação política no Brasil e os protestos de junho de 2013. Liinc em revista, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 86-95. Disponível em: https://revista.ibict.br/liinc/article/view/3550. Acesso em: 06 jul. 2022.

SINGER, A. Brasil, Junho de 2013: classes e ideologias cruzadas. Novos Estudos, [s.l.] v. 97, nov. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/j/nec/a/6WV7TBcKVrbZDdb7Y8mFVZp/?lang=pt. Acesso em: 02 jul. 2022.

TREVISAN, J. S. Devassos no paraíso: a homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade. 4. ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Objetiva, 2018. 726 p.

Downloads

Publicado

2023-09-01

Como Citar

SANTOS, W. A. de L.; PAJEÚ, H. M. Junho de 2013 e as jornadas de um gigante acordado: mídias, desinformação e crise de representação. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 26, p. 281–298, 2023. DOI: 10.5216/ci.v26.74406. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/74406. Acesso em: 2 mar. 2024.