Jornalismo, hegemonia e produção de sentido:

a maquinaria informacional em estudo

Autores

  • Rafael Bellan Rodrigues de Souza Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Vitória, Espírito Santo, Brasil, rafaelbellan@yahoo.com.br

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v24.65930

Palavras-chave:

Jornalismo. Hegemonia. Produção de Sentido. Marxismo.

Resumo

A posse dos dispositivos comunicacionais, que envolve o controle sistemático dos meios de produção, dos algoritmos, da linguagem e da circulação das mercadorias culturais, constitui-se em um poder ampliado, capaz de delimitar o controle do trabalho jornalístico, mas também das subjetividades dos consumidores. O artigo propõe uma categorização do jornalismo como maquinaria informacional e aborda como estudos da produção de sentido podem descortinar os interesses e ideologias que orientam a prática jornalística. Assim, a análise dos conteúdos jornalísticos pode interligar o eixo produtivo e o eixo representacional, o que permite um enfoque capaz de compreender o papel dessa forma de conhecimento na elaboração da hegemonia vigente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAKTHIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara F. Vieira. São Paulo: Hucitec, 1979.

CARVALHO, Carlos Alberto de. Sobre limites e possibilidades do conceito de enquadramento jornalístico. Contemporânea, Salvador, v. 7, n. 2. dez. 2009.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CHARAUDEAU, Patrick. Discurso das mídias. São Paulo: Contexto, 2015.

COUTINHO, Eduardo Granja. Comunicação e contra-hegemonia. Rio de janeiro: UFRJ, 2008.

DANTAS, Rodrigo. Ideologia, hegemonia e contra-hegemonia. In: COUTINHO, Eduardo Granja. Comunicação e contra-hegemonia. Rio de janeiro: UFRJ, 2008.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo, Boitempo, 2016.

DOWNING, John D.H. Mídia radical: rebeldia nas comunicações e movimentos sociais. São Paulo: Senac, 2002.

ENZENSBERGER, Hans Magnus. Elementos para uma teoria dos meios de comunicação. São Paulo: Conrad, 2003.

FERREIRA, Maria Nazareth. Os desafios da produção científica no neoliberalismo: as culturas e a comunicação subalternas. Comunicação & Informação, v. 9, n. 2, 144-155, 2013. https://doi.org/10.5216/c&i.v9i2.25243

FIGARO, Roseli. (org.). As mudanças no mundo do trabalho do jornalista. São Paulo: Atlas, 2013.

FREDERICO, Celso; TEIXEIRA, Francisco. Marx no céculo XXI. São Paulo: Cortez, 2008.

GENRO FILHO, Adelmo. O segredo da pirâmide - para uma teoria marxista do jornalismo. Florianópolis: Insular, 2012.

GOFFMAN, Erving. Os quadros da experiência social: uma perspectiva de análise. Petrópolis: Vozes, 2012.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. São Paulo: Civilização Brasileira, 1999. v.1.

GRAMSCI, Antonio. O leitor de Gramsci: escritos escolhidos 1916 - 1935. (org.) Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

GRUPPI, Luciano. O conceito de hegemonia em Gramsci. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

HALL, Stuart. A ideologia e a teoria da comunicação. Matrizes, São Paulo, v. 10, n. 3, p. 33-49, set./dez. 2016.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

HARVEY, David. A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1993.

HJARVARD, Stig. Midiatização: conceituando a mudança social e cultural. Matrizes, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 21-44, jan/jun. 2014.

IANNI, Otávio. O príncipe eletrônico. Perspectivas, São Paulo, 1999. p. 11-29,

JAMESON, Fredric. A cultura do dinheiro: ensaios sobre a globalização. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Bauru, SP: Edusc, 2001.

KONDER, Leandro. A questão da ideologia. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

LIMA, Venício A. de. Mídia: teoria e política. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2005.

LUKÁCS, György. Para uma ontologia do ser social II. São Paulo: Boitempo Editorial, 2013.

MARX, Karl. Grundrisse. São Paulo: Boitempo, 2011.

McCOMBS, Maxwell. A Teoria da agenda: a mídia e a opinião pública. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

MÉSZÁROS, István. Filosofia, ideologia e ciência social. São Paulo: Boitempo, 2009.

MÉSZÁROS, István. O poder da ideologia. São Paulo: Boitempo, 2004.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2002.

MORAES, Dênis de. Crítica da mídia e hegemonia cultural. Rio de Janeiro: Mauad X, 2016.

MORAES, Dênis de (org.). Mídia, poder e contrapoder: da concentração monopólica à democratização da informação. São Paulo: Boitempo, 2013.

MORETZSOHN, Sylvia. Pensando contra os fatos: jornalismo e cotidiano: do senso comum ao senso crítico. Rio de Janeiro: Revan, 2007.

MOSCO, Vicente. Economia política da comunicação: uma perspectiva laboral. Comunicação e Sociedade 1. Cadernos do Noroeste, Série Comunicação, Braga, v. 12, n. 1-2, p. 97-120, 1999.

PAULO NETTO, José. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

PENA, Felipe. Teoria do jornalismo. São Paulo: Contexto: 2005.

PORTO, Mauro. Enquadramentos da mídia e política. In: RUBIM, A. A. (org.) Comunicação, análise de enquadramento e política: conceitos e abordagens. Salvador: EdUFBA, 2004.

ROTHBERG, Danilo. Enquadramento e metodologia de crítica de mídia. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM JORNALISMO, 5., 2007, Aracajú. Anais [...]. Aracajú: UFS, 2007.

SANTOS, Mílton e SILVEIRA, María Laura. O Brasil território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record. 2001.

SHOEMAKER, Pamela J., VOS, Tim P. Teoria do gatekeeping: seleção e construção da notícia. Porto Alegre: Penso, 2011.

SCHNEIDER, Marco. Representação, realidade e comunicação midiatizada. Revista Contemporânea, v. 8, n. 1. jul. 2010.

SOARES, Murilo Cesar. Representações, jornalismo e a esfera pública democrática. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.

SODRÉ, Muniz. A narração do fato: por uma teoria do acontecimento. Petrópolis: Vozes, 2009.

SOUZA, Rafael Bellan R. de. O trabalho dos jornalistas e suas contradições: uma ontologia da crise. Matrizes, São Paulo, v. 11, n. 3, p. 129-149, set./dez. 2017.

THOMPSON, John B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do jornalismo. v. I: porque as notícias são como são. Florianópolis: Insular, 2005.

WILLIAMS, Raymond. Cultura e materialismo. São Paulo: Unesp, 2011.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo e literatura. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

SOUZA, R. B. R. de . Jornalismo, hegemonia e produção de sentido: : a maquinaria informacional em estudo. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 24, 2021. DOI: 10.5216/ci.v24.65930. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/65930. Acesso em: 29 jun. 2022.