Quando a Casa-Grande ‘Vem Pra Rua’

a manifestação do imaginário escravocrata da elite do atraso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v26.64565

Palavras-chave:

Manifestações pró-impeachment., Movimentos sociais., Imaginários., Casa-grande e senzala.

Resumo

O presente estudo enfoca o olhar para manifestações pró-impeachment que têm lugar no Brasil após a reeleição da presidenta Dilma Rousseff em 2014. A análise é realizada de forma comparativa entre fotos amplamente midiatizadas durante os protestos pelo impedimento e pinturas dos principais artistas viajantes que retrataram o Brasil no início do século XIX: Jean-Baptiste Debret e Johann Moritz Rugendas. Desse modo, o presente estudo verifica um certo imaginário conservador que é levado às ruas e que, por revelar traços de origens escravocratas, rompe com definições que caracterizam os tradicionais movimentos sociais, constituindo-se meramente em manifestações nostálgicas do passado, ao resgatar imagens da casa-grande e senzala, segregando a sociedade em “eles e nós”, brancos e negros, classe média e seus serviçais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Vaz, Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), Curitiba, Paraná, Brasil, alinevaz900@gmail.com

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Linguagens da Universidade Tuiuti do Paraná (PPGCom/UTP); pesquisadora associada ao Grupo de Pesquisa “Desdobramentos Simbólicos do Espaço Urbano em Narrativas Audiovisuais” (GRUDES, PPGCom-UTP/CNPq); bolsista CAPES/PROSUP. E-mail: alinevaz900@gmail.com

Marcela Barba Santos, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, Paraná, Brasil, barba.mbs@gmail.com

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal do Paraná. Graduada em Comunicação Institucional pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2014). Membro do Grupo de Pesquisa em Comunicação Política e Opinião Pública (CPOP). E-mail: barba.mbs@gmail.com

Fernanda Regina Rios Assis, Universidade Tecnológica do Paraná (UTFPR), Curitiba, Paraná, Brasil, fra1612@gmail.com

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens da Universidade Tecnológica do Paraná (PPGEL- Curitiba / UTFPR); Especialista em Comunicação e Cultura Interfaces (2014) e Graduada em Comunicação Social (2010) pela Universidade Positivo. E-mail: fra1612@gmail.com

Tarcis Prado Junior, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, Paraná, Brasil, tarcisjr@yahoo.com.br

Doutor em Comunicação e Linguagens (Universidade Tuiuti do Paraná); Pós doutorando em Sociologia (Universidade Federal do Paraná); Mestre e Especialista em Saúde Pública (Universidade de São Paulo). E-mail: tarcisjr@yahoo.com.br

Referências

BERGAMO, Gabriella. N. O teatro musical nos palcos do Brasil: Questões do processo histórico do gênero musical. p. 14, 2014. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/132712/TCC%20%C3%BAltima%20versao%20-%20GABRIELLA%20N.%20BERGAMO.pdf?sequence=1. Acesso em: 24 ago. 2019.

CASTELLS, Manuel. A era da informação: economia, sociedade e cultura – poder da identidade. 2.ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000. v.2.

CENSO 2010: escolaridade e rendimento aumentam e cai mortalidade infantil. IBGE. 2012. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/noticias-censo?id=1&idnoticia=2125&view=noticia. Acesso em: 20 ago. 2019.

CIFUENTES, M. E. Movimientos Sociales en América Latina: notas para um debate urgente. XVI Congresso Latino-Americano de Sociologia. Rio de Janeiro. mar. 1986.

COLLINS, Patricia H. Pensamento Feminista Negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. Tradução Jamille Pinheiro Dias. 1ª edição. São Paulo: Boitempo Editorial, 2019. 495 p.

COMO e por que o Intercept está publicando chats privados sobre a Lava Jato e Sergio Moro. The Intercept Brasil. 2019. Disponível em: https://theintercept.com/2019/06/09/editorial-chats-telegram-lava-jato-moro. Acesso em: 16 jun. 2019.

DATAFOLHA. 100 mil foram a Paulista em 12 de abril e defendem o impeachment. 2015b. Folha. Disponível em: <http://datafolha.folha.uol.com.br/opiniaopublica/2015/04/1615923- 100-mil-foram-a-paulista-em-12-de-abril-77-defendem-impeachment.shtml>. Acesso em: 24 ago. 2019.

DOMINGUES, Petrônio; GOMES, Flávio d. S. Políticas da raça: experiências e legados da abolição e da pós-emancipação no Brasil. São Paulo: Selo Negro Edições, 2014.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário: introdução à arqueologia geral. Tradução de: Hélder Godinho. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

DURAND, Gilbert. O imaginário: ensaio acerca das ciências e da filosofia. Tradução de: Renée Eve Levié. Rio de Janeiro: Diefel, 2014.

HOOKS, bell, Talking Back: Thinking Feminist, Thinking Black (Boston, South End, 1989), p. 42.

JÚNIOR, Augusto. Tiradentes e a Inconfidência. Revista O Alferes, v.6, n.19, p. 117-118, 1988. Disponível em: https://revista.policiamilitar.mg.gov.br/index.php/alferes/article/view/408/391. Acesso em: 26 ago. 2019.

LARA, Silvia H., “Escravidão, cidadania e história do trabalho no Brasil”. Projeto História, 16 (fev.1998): 25-38. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/revph/article/view/11185/8196. Acesso em 15/06/2019.

LARA, Silvia H.; MENDONÇA, Joseli Maria Nunes. Leis e História do Trabalho no Brasil: uma base de dados. In: IV Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional, 2009, Curitiba. Centro de Pesquisa em História Social e da Cultura. IFCH-UNICAMP. CECULT. Disponível em: http://www.escravidaoeliberdade.com.br/site/images/Textos4/silvialarajoselimendonca.pdf. Acesso em 22/01/2020.

LEGISLAÇÃO: Trabalhadores e Trabalho em Portugal, Brasil e África Colonial Portuguesa. Base de Dados, CECULT (IFCH-UNICAMP) e CEDIS (FD-UNL), Disponível em: https://www2.ifch.unicamp.br/cecult/lex/web/. Acesso em 22/01/2020.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. In: Enciclopédia Einaudi, Le Goff (org.). Porto: Imprensa nacional – Casa da Moeda, 1984.

LISSOVSKY, Mauricio. O sumiço da senzala: tropos da raça na fotografia brasileira. Devires, v. 13, n. 1, p. 34–65, 2016.

MAFFESOLI, Michel. “O imaginário é uma realidade”. In: Revista Famecos, v. 8, n. 15, p. 74-82, 2001.

MALTA, Renata Barreto; SILVA MENDONÇA, Letícia. A mulher negra no circuito da cultura: uma análise do canal Afros e Afins. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 25, p. 433–455, 2022. DOI: 10.5216/ci.v25.67044. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/67044. Acesso em: 3 fev. 2023.

NEVES, Maria. Documentos sobre a Escravidão no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, p. 49-55, 2001.

OLIVEIRA, Dalila A. As políticas educacionais no governo Lula: rupturas e permanências. RBPAE – v.25, n.2, p. 197-209, mai./ago. 2009. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/rbpae/article/view/19491/11317. Acesso em: 22 ago. 2019.

OPERAÇÃO LAVA JATO. Caso Lava Jato. Ministério Público Federal. Disponível em: https://www.mpf.mp.br/grandes-casos/lava-jato/entenda-o-caso. Acesso em: 28 jan. 2023.

O SURGIMENTO dos ‘coxinhas’. Sergio da Motta e Albuquerque. Observatório da Imprensa. 03/09/2013. Edição 762.Disponível em: http://observatoriodaimprensa.com.br/feitos-desfeitas/_ed762_o_surgimento_dos_coxinhas/. Acesso em: 22 ago. 2019.

PEREIRA, Edimilson; GOMES, Núbia. Ardis da imagem: exclusão étnica e violência nos discursos da cultura brasileira. Belo Horizonte: Mazza Edições, Editora PUC Minas, 2001.

PINSKY, Jaime. A Escravidão no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, p. 76-77, 2010.

SCHERER-WARREN, Ilse. Redes de Movimentos Sociais. Loyola, 1993.

SOUZA, Jesse. A elite do atraso: da escravidão à Lava Jato. Rio de Janeiro: Leya, 2017.

YAZBEK, Maria C. Estado, Políticas Sociais e Implementação do SUAS. CapacitaSUAS, Brasília: MDS, 2008, p.79-136.

Downloads

Publicado

2023-06-28

Como Citar

VAZ, A.; SANTOS, M. B.; RIOS ASSIS, F. R.; PRADO JUNIOR, T. Quando a Casa-Grande ‘Vem Pra Rua’: a manifestação do imaginário escravocrata da elite do atraso. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 26, p. 161–186, 2023. DOI: 10.5216/ci.v26.64565. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/64565. Acesso em: 25 jul. 2024.