Saberes compartilhados

pesquisa-ação em políticas públicas voltadas à mulher

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v25.63919

Palavras-chave:

Políticas públicas, Pesquisa-ação, Mulheres, Violência de gênero

Resumo

O presente trabalho aborda a questão das políticas públicas diante das ofensas aos direitos humanos das mulheres trazendo elementos que auxiliam na compreensão do que essas representam no Estado prestacional, mediante a apresentação de uma iniciativa realizada na cidade de Bauru-SP que visa à comunicação intersetorial na rede de atendimento à mulher em situação de violência doméstica e familiar na cidade. A pesquisa utiliza o método social exploratório e como técnica de coleta de dados, utiliza tanto a pesquisa bibliográfica sobre o tema políticas públicas, quanto à pesquisa-ação em uma oficina voltada a agentes que atuam no atendimento à mulher em situação de violência. As políticas públicas existem para mediar às relações entre o Estado e a sociedade, e assim contribuir para a solução de problemas sociais. Na pesquisa-ação realizada, todos os representantes dos setores mencionados discutiram em profundidade os pontos vulneráveis do atendimento à mulher em situação de violência na cidade de Bauru. O encontro favoreceu a troca de informações de setores que raramente comunicavam-se entre si, e os resultados ampliaram as capacidades de compreensão dos envolvidos e suas práticas, o que pode favorecer as mudanças necessárias para a concretização de um atendimento humanizado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tamara de Souza Brandão Guaraldo, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Bauru, São Paulo, Brasil, tamara.guaraldo@unesp.br

Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Estadual Paulista - UNESP (PPGCI) e do curso de Relações Públicas da UNESP - Bauru. Doutora em Ciência da Informação, Mestre e Bacharel em Comunicação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). 

Celia Maria Retz Godoy dos Santos, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Bauru, São Paulo, Brasil, celia.retz@unesp.br

Professora do Programa de Pós-Graduação em Mídia e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista - UNESP (PPGMIT) e do curso de Relações Públicas da UNESP - Bauru. Doutora em Sociologia e Mestre em Comunicação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Bacharel em Comunicação pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCCAMP). 

Daniele Mendes de Melo, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Bauru, São Paulo, Brasil, dmendmel@gmail.com

Master of Comparative Constitucional Law pela Samford University, EUA. Especialização lato sensu pela Instituição Toledo de Ensino, ITE, Brasil. Graduada em direito pela Instituição Toledo de Ensino, ITE, Brasil. Exerce o cargo de juíza de direito na 2ª Vara Criminal de Bauru/SP e de coordenadora do Anexo de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher de Bauru/SP. 

Referências

ALEXY, Robert. Tradução de Rogério Luiz Nery da Silva. Direitos fundamentais sociais e proporcionalidade. In: ALEXY, Robert; BAEZ, Narciso Leandro Xavier e SILVA, Rogério Luiz da (Orgs.). Dignidade humana, direitos sociais e não-positivismo inclusivo. Florianópolis: Qualis, 2015. p. 165-178.

BAEZ, Narciso Leandro Xavier. A morfologia dos direitos fundamentais e os problemas metodológicos da concepção de dignidade humana em Robert Alexy. In: ALEXY, Robert; BAEZ, Narciso Leandro Xavier e SILVA, Rogério Luiz da (Orgs.). Dignidade humana, direitos sociais e não-positivismo inclusivo. Florianópolis: Qualis, 2015. p. 39-90.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 25 mar.2020.

BRASIL. Lei Maria da Penha. Lei n. 11.340, de 07 de agosto de 2006. Presidência da República, 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acesso em: 25 mar. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Medida Cautelar na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 347/DF. Relator: Ministro Marco Aurélio, 19 de fevereiro de 2016. Disponível em: https://jurisprudencia.stf.jus.br/pages/search/sjur339101/false. Acesso em: 16 jun. 2020.

CANELA JUNIOR, Osvaldo. Controle judicial de políticas públicas. São Paulo: Saraiva, 2011.

CANELA JUNIOR, Osvaldo. O orçamento e a “reserva do possível”: dimensionamento no controle judicial de políticas públicas. In: Grinover, Ada Pellegrini; Watanabe, Kazuo (Coords). O Controle jurisdicional de políticas públicas. Rio de Janeiro: Forense, 2013. p. 225-236.

CARNEIRO, Sueli. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011.

COUTINHO, Diogo Rosenthal. Direito, desigualdade e desenvolvimento. São Paulo: Saraiva, 2013.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, Jan. 2002.

DANIEL, Juliana Maia. Discricionariedade administrativa em matéria de políticas públicas. In: Grinover, Ada Pellegrini; Watanabe, Kazuo (Coords). O Controle jurisdicional de políticas públicas. Rio de Janeiro: Forense, 2013. p. 93-124.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

GREENWOOD, Davydd J.; LEVIN, Morten. Reconstruindo as relações entre universidade e sociedade por meio da pesquisa-ação. In: DENZIN, Norman K.; LINCOLN, Yvonna S. (Orgs.) O planejamento da pesquisa qualitativa: teoria e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 91-113.

HÄBERLE, Peter. Direitos fundamentais no Estado Prestacional. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2019.

MALISKA, Marcos Augusto. O princípio da proporcionalidade e os direitos fundamentais prestacionais. In: ALEXY, Robert; BAEZ, Narciso Leandro Xavier e SILVA, Rogério Luiz da (Orgs.). Dignidade humana, direitos sociais e não-positivismo inclusivo. Florianópolis: Qualis, 2015. p. 267-290.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

MIRANDA, Jorge. Direitos fundamentais. 2. ed. Reimp. Coimbra: Edições Almedina, S.A., 2018.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Tradução Eliane Lisboa. 4. ed. Porto Alegre: Sulina, 2011.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. CIDH. Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra a mulher, [S.l.], 1979. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2013/03/convencao_cedaw.pdf. Acesso em: 04 nov.2019.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Recomendação Geral n. 19 do Comitê para a Eliminação de todas as Formas de Discriminação contra a Mulher, [S.l.], 1992. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1VQVCOV2Vd_aGA8ANNyZHH-JstmPrMQX0mUZtXrz_zT8/view. Acesso em: 16 jun. 2020.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Recomendação Geral n. 35 do Comitê para a Eliminação de todas as Formas de Discriminação contra a Mulher, [S.l.], 2019. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2019/09/769f84bb4f9230f283050b7673aeb063.pdf. Acesso em: 16 mar. 2020.

ORGANIZAÇAO DAS NAÇÕES UNIDAS. Uma em cada três mulheres já sofreu violência sexual ou física. [S.l.], 11/12/2015. Disponível em: https://nacoesunidas.org/uma-em-cada-tres-mulheres-ja-sofreu-violencia-sexual-ou-fisica-alertam-agencias-da-onu/. Acesso em: 03 jan. 2020.

PASINATO, Wania. Lei Maria da Penha: Novas abordagens sobre velhas propostas. Onde avançamos? Civitas - Revista de Ciências Sociais, 2010, v. 10, n. 2, p. 216-232. Disponível em https://doi.org/10.15448/1984-7289.2010.2.6484. Acesso em 03 jun. 2020.

PASINATO, Wania. MACHADO, Bruno Amaral. ÁVILA, Thiago Pierobom de. Políticas públicas de prevenção à violência doméstica e familiar contra as mulheres. In: ________ (Coords). Políticas públicas de prevenção à violência contra a mulher. São Paulo: Marcial Pons; Brasília [DF]: Fundação Escola, 2019. p. 13-26.

PIMENTEL, Silvia. Experiências e desafios: Comitê sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher (CEDAW/ONU) – relatório bienal de minha participação. Brasília: Secretaria Especial de Políticas Públicas para as Mulheres, 2008. Disponível em: http://www.unfpa.org.br/Arquivos/cedaw.pdf. Acesso em: 17 fev. 2020.

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais: uma teoria geral dos direitos fundamentais na perspectiva constitucional. 13. ed. rev. e atual. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2018.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da Pesquisa Ação. 14. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

Downloads

Publicado

2022-12-27

Como Citar

DE SOUZA BRANDÃO GUARALDO, T.; MARIA RETZ GODOY DOS SANTOS, C.; MENDES DE MELO, D. Saberes compartilhados: pesquisa-ação em políticas públicas voltadas à mulher. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 25, p. 874–889, 2022. DOI: 10.5216/ci.v25.63919. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/63919. Acesso em: 20 jul. 2024.