Memória e imaginário de produtores artísticos de Santos

caminhos para a economia criativa da cidade

Autores

  • Priscila Ferreira Perazzo Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), São Caetano do Sul, SP, Brasil, priscila.perazzo@online.uscs.edu.br https://orcid.org/0000-0001-9073-075X
  • Márcio Alexandre Esteves Bernardino Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), São Caetano do Sul, SP, Brasil, marcioaeb@gmail.com

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v24.62858

Palavras-chave:

Comunicação, Economia Criativa, Memória, Imaginário, Santos.

Resumo

Na cidade de Santos tem-se empreendido a economia criativa a partir da memória e do imaginário social santista, de modo a promover desenvolvimento econômico e humano no campo da arte local. Questiona-se como a memória e o imaginário social podem contribuir para a economia criativa na cidade. O objetivo da discussão é demonstrar que o crescimento da atividade criativa em Santos tem relações com a constituição histórica da cidade e o imaginário social de seus produtores artísticos. Parte-se da compreensão de economia criativa, da identificação do imaginário social santista a partir da memória que recupera narrativas orais de histórias de vida de produtores culturais santistas, com base nas premissas da História Oral. Conclui-se que a economia criativa é a oportunidade para difundir a arte local, possibilitando que o público compreenda, por meio dos valores arraigados em sua memória coletiva e em seu imaginário social, a importância do produto artístico santista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscila Ferreira Perazzo, Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), São Caetano do Sul, SP, Brasil, priscila.perazzo@online.uscs.edu.br

Doutora em História Social. Docente no Programa de Pós-Graduação Comunicação – Mestrado Profissional em Inovação na Comunicação de Interesse Público pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Responsável pelo Laboratório Hipermídias da USCS. Líder do Grupo de Pesquisa Memórias do ABC. São Caetano do Sul, São Paulo

Márcio Alexandre Esteves Bernardino, Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), São Caetano do Sul, SP, Brasil, marcioaeb@gmail.com

Mestre em Inovação na Gestão e Produção da Comunicação de Interesse Público pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS) - SP. Pós-graduado em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e graduado em Comunicação Social pela Universidade Católica de Santos (Unisantos), com bacharelados em Jornalismo e Publicidade e Propaganda. Santos, São Paulo.

Referências

ABREU, Jonas Modesto de; CONCEIÇÃO, Silvano da. Cultura política e relações de poder em São Paulo: uma análise do imaginário social paulista na década de 1930. Revista Opsis, [s. l.], v. 11, n. 2, p. 63-74, dez. 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.5216/o.v11i2.14762. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/Opsis/article/view/14762 . Acesso em: 26 mar. 2019.

AQUINO, Cássio Adriano Braz; MARTINS, José Clerton de Oliveira. Ócio, lazer e tempo livre na sociedade do consumo e do trabalho. Revista Mal-estar e Subjetividade, Fortaleza, v. 7, n. 2, p. 479-500, 2007. Disponível em: encurtador.com.br/kwST4. Acesso em: 11 jun. 2018.

ARANTES, Antônio Augusto. Produzindo o passado: estratégias de construção do patrimônio cultural. São Paulo: Brasiliense, 1984. 256 p.

BACZKO, Bronislaw. Imaginação social. In: Enciclopédia Einaudi. Anthropos-Homem. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1985. v. 5.

BERNARDINO, Márcio Alexandre Esteves. Comunicação, Cultura e História de Santos: a gestão do imaginário social da arte no interesse público local. 2019. 165 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Municipal de São Caetano do Sul, São Caetano do Sul, 2019.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BRETON, Andre; RIVERA, Diego. Por uma arte revolucionária independente. In: FACIOLI, Vicente (org.). Breton & Trotsky. São Paulo: Paz e Terra, 1985.

CANEDO, Daniele. Cultura é o quê? Reflexões sobre o conceito de cultura e a atuação dos poderes públicos. In: ENCONTRO DE ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES EM CULTURA, 5., 2009, Salvador. Anais [...]. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2009. p. 1-14. Disponível em: http://www.cult.ufba.br/enecult2009/19353.pdf. Acesso em: 3 fev. 2020.

COSTA, Jean Henrique; FARIAS, Tássio Ricelly Pinto de. Indústria cultural, cibercultura e música independente em Brasília: um estudo com as bandas ‘Amanita’ e ‘Feijão de Bandido’. Acta Scientiarum. Human And Social Sciences, [s. l.], v. 36, n. 1, p. 9-17, jul. 2014.. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4025/actascihumansoc.v36i1.21971. Acesso em: 12 out. 2018.

FINO, P.; QUEIROZ, O. O uso dos estereótipos turísticos durante o regime militar brasileiro. Dos Algarves: a Multidisciplinary e-Journal, [s. l.], v. 30, p. 97-111, jun. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.18089/damej.2017.30.8. Disponível em: http://www.dosalgarves.com/rev/N30/9rev30.pdf. Accesso em: 12 maio 2019.

FLORIDI, Luciano. The onlife manifesto: being human in a hyperconnected era. Oxford: Oxford Internet Institute, 2015. 264 p. Disponível em: file:///C:/Users/compaq/Downloads/1001971.pdf. Acesso em: 30 maio 2019.

GONÇALVES, Alcindo. Lutas e Sonhos: cultura política e hegemonia progressista em Santos, 1945-1962. São Paulo: Unesp; Santos: Prefeitura Municipal de Santos, 1995.

GRUMAN, Marcelo. Caminhos da cidadania cultural: o ensino de artes no Brasil. Educar em Revista, [s. l.], n. 45, p.199-211, set. 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40602012000300014. Acesso em: 17 jan. 2019.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

KOGURUMA, Paulo. A metrópole do café: urbanização tumultuaria e cosmopolitismo sócio cultural, 1890-1920. História Revista, [s. l.], v. 3, n. 1, p. 93-109, jul. 2010. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/hr.v3i1.10659. Acesso em: 9 ago. 2018.

LARAIA, R. de B. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Zahar, 1986.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Globalização comunicacional e transformação cultural. Rio de Janeiro: ABDR, 2003.

MATA, Jhonatan Alves Pereira. Políticas do afeto e performance do gosto: sobre o conceito de “amador” no audiovisual. Revista Vozes & Diálogo. Itajaí, v. 15, n. 2, jul/dez. 2016. Disponível em: https://siaiap32.univali.br//seer/index.php/vd/article/view/8780. Acesso em: 11 jun. 2016.

MATTOSO, Jorge. Tecnologia e emprego: uma relação conflituosa. São Paulo em Perspectiva, [s. l.], v. 14, n. 3, p.115-123, jul. 2000. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0102-88392000000300017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392000000300017. Acesso em: 3 fev. 2020.

MELGAREJO, Erlei Roldan. Economia criativa: alternativa para o desenvolvimento sustentável econômico e social para os países em desenvolvimento. Responsabilidade e Reciprocidade, v. 1, n. 1, p. 228-238, 2011. Disponível em: https://reciprocidade.emnuvens.com.br/rr/article/view/26/24. Acesso em: 3 fev. 2020.

MIGUEZ, Paulo. Economia criativa: uma discussão preliminar. In: NUSSBAUMER, Gisele Marchiori. Teorias & políticas da cultura: visões multidisciplinares. Salvador: UFBA, 2007. p. 1-258. Disponível em: encurtador.com.br/abfhy. Acesso em: 19 ago. 2019.

MORELLI-MENDES, Cleber; ALMEIDA, Cristóvão Domingos de. O desenvolvimento da economia criativa no Brasil: uma perspectiva através da indústria cinematográfica brasileira. Verso e Reverso, [s. l.], v. 30, n. 75, p. 196-207, abr. 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4013/ver.2016.30.75.04. Acesso em: 3 fev. 2020.

OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. Petrópolis: Vozes, 1977. 187 p. Disponível em: encurtador.com.br/fms23. Acesso em: 3 fev. 2020.

PERAZZO, Priscila Ferreira. Dossiê Narrativas Orais de História de Vida. Revista Comunicação & Inovação, São Caetano do Sul, v. 16, n. 30, p. 121-131, jan./abr. 2015. Disponível em: file:///C:/Users/compaq/Downloads/2754-9920-2-PB%20(1).pdf. Acesso em: 17 jan. 2019.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-215, jul. 1992. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/1941. Acesso em: 17 jan. 2019.

REIS, A. C. F.. Transformando a criatividade brasileira em recurso econômico. In: REIS, A. C. F. Economia criativa como estratégia de desenvolvimento. São Paulo: Itaú Cultural, 2008. p. 1-267.

SODRÉ, Muniz. Antropológica do espelho: uma teoria da comunicação linear e em rede. petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

TAYLOR, C. As fontes do self: a construção da identidade moderna. São Paulo: Loyola, 1997.

TOCQUEVILLE, Alexis de. A democracia na América. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

ULHÔA, Joel Pimentel de. Cidadania. Philósophos, [s. l.], v. 5, n. 2, p. 49-68, 5 set. 2010. Universidade Federal de Goiás. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/phi.v5i2.11338. Acesso em: 13 maio 2018.

VELLOSO, Mônica Pimenta. A Brasilidade verde-amarela: nacionalismo e regionalismo paulista. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 6, n. 11, p. 89-112, 1993. Disponível em: encurtador.com.br/emy15. Acesso em: 11 jun. 2018.

WANIS, Amanda. Cidade Criativa: Política Urbana e Cultural na Reconstrução Simbólica do Rio Olímpico. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL POLÍTICAS CULTURAIS, 5., 2014, Rio de Janeiro. Anais [...].Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2014. p. 1 - 16. Disponível em: encurtador.com.br/abep8. Acesso em: 3 fev. 202

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

PERAZZO, P. F.; BERNARDINO, M. A. E. . Memória e imaginário de produtores artísticos de Santos: caminhos para a economia criativa da cidade. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 24, 2021. DOI: 10.5216/ci.v24.62858. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/62858. Acesso em: 23 maio. 2022.