Mídia, UPPs e megaeventos: estratégias discursivas de legitimação de uma política de segurança pública

Autores

  • Pedro Barreto Pereira Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.5216/38758

Palavras-chave:

Mídia. Segurança. Favela. Cidade.

Resumo

Entre 2007 e 2016, o Rio de Janeiro ingressou no circuito dos megaeventos esportivos internacionais. A partir de então, as três esferas governamentais vêm promovendo uma série de políticas públicas de modo a reconfigurar estética e urbanisticamente a cidade. Discursivamente, a estratégia envolve a refundação da “Cidade Maravilhosa” e a exaltação dos aludidos atributos pitorescos do carioca, tais como simpatia, irreverência e hospitalidade. Além dos já conhecidos ícones, que remetem a uma cultura do hedonismo, como samba, carnaval e futebol, a favela torna-se outro elemento a ser incorporado ao branding carioca. Para atrair turistas, investidores e atender às demandas de lei e ordem da elite carioca, contudo, o projeto em curso conta, fundamentalmente, com a ocupação policial dessas mesmas favelas: as UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora), que, ao mesmo tempo em que permitem o acesso das elites a áreas até então consideradas violentas, promovem a migração dos moradores de menor poder aquisitivo para bairros mais afastados e precários. A lógica em vigor passa a ser então a do consumo como pré-requisito da cidadania: o acesso à “Cidade Maravilhosa”, tão cobiçada por todo o mundo, fica restrito a uma pequena parcela da população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Barreto Pereira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação, vinculado à linha de pesquisa Mídias e Mediações Socioculturais, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Brasil, Rio de Janeiro. Mestre em Comunicação e Cultura pelo mesmo programa e linha de pesquisa.

Referências

X PACIFICAÇÃO. Produção de Renata Almeida Magalhães e Carlos Diegues. Direção de Cadu Barcellos, Luciano Vidigal, Rodrigo Felha, Wagner Novais. Rio de Janeiro, Brasil, 2012. (86min.). Disponível em:<https://www.youtube.com/watch?v=lQGAjDUtozY>. Acesso em: 02 out. 2015.

ALMEIDA, A. G.; NAJAR, A. L. Cidade Maravilhosa e Cidade Partida: notas sobre a manipulação de uma cidade deteriorada. Rua [online], Campinas (SP), v. 1, n. 18, 2012. Disponível em:<http://www.labeurb.unicamp.br/rua/pages/home/capaArtigo.rua?id=127>. Acesso em: 02out. 2015.

ANISTIA INTERNACIONAL (Brasil). Disponível em <https://anistia.org.br/campanhas/jovemnegrovivo/>. Acesso em: 2 out. 2015.

BATISTA, V. M. O Alemão é muito mais complexo. In: BATISTA, V. M (Org.) Paz armada. Rio de Janeiro: Revan, 2012.

BATISTA, V. M. O medonacidade do Rio de Janeiro: dois tempos de uma história. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

BECKETT, K. Making crime pay: law and order in contemporary american politics. New York; Oxford: Oxford University Press, 1997.

COMAROFF, J. L. J. Ethnicity, Inc. University of Chicago Press: Chicago, 2009.

COSTA, A. C. Com pratos fartos e preços convidativos, bares de comunidades com UPP querem atrair turistas. O Globo Online. Rio de Janeiro, 9 de outubro de 2010. Disponível em: <http://oglobo.globo.com/rio/rioelegal/mat/2010/10/09/com-pratos-fartos-precos-convidativos-bares-de-comunidades-com-upp-querem-atrair-turistas-922756117.asp>. Acesso: 1 out. 2015.

GARLAND, D. A cultura do controle: crime e ordem na sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Revan, 2008.

GOFFMAN, E. Estigma. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 1980.

HOHLFELDT, A. Hipóteses contemporâneas de pesquisa em Comunicação. In: HOHLFELDT, A. et al (Org.). Teorias da comunicação: conceitos, escolas e tendências. Petrópolis: Vozes, 2001.

JAGUARIBE, B. Imaginando a “cidade maravilhosa”: modernidade, espetáculo e espaços urbanos. Revista Famecos, Porto Alegre, v. 18, n. 2, p. 327-347, mai./ago. 2011.

BRASIL. Ministério da Justiça. Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento Nacional de Informações penitenciárias. Brasília, DF, 2014. 148 p. Disponível em: <http://www.justica.gov.br/seus-direitos/politica-penal>. Acesso em: 2 out. 2015.

MISSE, M. Crime, sujeito e sujeição criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria “bandido”. Revista Lua Nova, São Paulo, n. 79, p. 15-38, 2010.

MISSE, M. Sobre a construção social do crime no Brasil: esboços de uma interpretação. In: MISSE, M. Acusados e acusadores: estudos sobre ofensas, acusações e incriminações. Rio de Janeiro: Editora Revan/Faperj, 2008.

NITAHERA, A. Comitê critica reforma do Maracanã e remoção de famílias no período da copa. EBC Agência Brasil, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: <http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2014-12/comite-critica-reforma-do-maracana-e-remocao-de-familias-no-periodo-da-copa>. Acesso em: 24 mai. 2015.

NOVO retrato da metrópole: bons ventos da economia no estado atraem novos moradores e mudam a cara dos bairros. O Globo, Rio de Janeiro, 2013.

PAIVA, R.; SODRÉ, M. Cidade dos artistas: cartografia da televisão e da fama no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Mauad, 2004.

PEREIRA, P. Segurança para quem? O discurso midiático sobre as Unidades de Polícia Pacificadora. 2012. 120f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Cultura) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil, 2012.

RODRIGUES. N. À sombra das chuteiras imortais: crônicas de futebol. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SANTOS, C. Shoppings de luxo, no lugar de comércio local: reforma urbana provoca deslocamento de minorias étnicas do centro para áreas do subúrbio. O Globo, Rio de Janeiro, 2013.

SANTOS, J. F. dos. Feliz 1958: o ano que não devia terminar. 4. ed. Rio de Janeiro: Record, 1998.

SANTOS, M. As cidades mutiladas. In: SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania. São Paulo: IMESP, 1997.

TERKILDSEN, N.; SCHNELL, F. How media frames moves public opinion: analysis of women´s movement. Political Research Quarterly. v. 50, n. 4, p. 879-900, 1997.

VALLADARES, L. P. A invenção da favela: do mito de origem à favela.com. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.

VASCONCELLOS, P. (et al.). Cidade em transe: imóveis na cruzada se valorizam em até 135%: localização privilegiada de áreas da zona sul atrai compradores com maior poder aquisitivo. O Globo, Rio de Janeiro, p. 23-27 de outubro de 2013.

VAZ, P. Vítima virtual a mídia. In: VIGILÂNCIA, SEGURANÇA E CONTROLE SOCIAL. 2009, Curitiba. Anais... Curitiba: PUCPR, 2009. p. 51-69.

VAZ, P.; BAIENSE, C. Mídia e enquadramento: as representações da favela na virada do século XXI. VIII ENCONTRO NACIONAL DE HISTÓRIA DA MÍDIA, 8., 2011, Guarapuava. Anais... Guarapuava, PR: Unicentro, 2011.

ZALUAR, A.; ALVITO, M. (Orgs.). Um século de favela. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

Downloads

Publicado

2015-12-04

Como Citar

PEREIRA, P. B. Mídia, UPPs e megaeventos: estratégias discursivas de legitimação de uma política de segurança pública. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 18, n. 2, p. 180–197, 2015. DOI: 10.5216/38758. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/38758. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Caderno Casadinho Procad UFG - UFRJ