Desafios da comunicação de estatísticas públicas para o fortalecimento da cidadania das minorias

Autores

  • Adriana Gonçalves Saraiva Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Rio de Janeiro. Rio de Janeiro (RJ).

DOI:

https://doi.org/10.5216/36116

Palavras-chave:

Comunicação Pública. Minorias. Estatísticas. Cidadania. Mídia.

Resumo

A partir da constatação da existência de Minorias invisíveis, que não são contempladas pelas estatísticas públicas produzidas pelo IBGE, esse artigo propõe uma reflexão acerca da Comunicação Pública das Estatísticas e Mídia. Utilizando perspectivas diversas para se compreender a produção das Estatísticas - científica, social e política – busca razões para a invisibilidade de grupos sociais. E aponta como consequência: o Estado não dispor de informações para auxiliar na definição de políticas públicas que auxiliem na melhora das condições de vida. O artigo traz resultados da análise documental sobre Comunicação pública no IBGE.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Gonçalves Saraiva, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Rio de Janeiro. Rio de Janeiro (RJ).

Mestre em Comunicação e Cultura, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Pesquisadora do Laboratório de Estudos em Comunicação Comunitária (LECC). Assessora de imprensa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Brasil, Rio de Janeiro (RJ), Rio de Janeiro.

Referências

COUTINHO, E. G.; FREIRE FILHO, J.; PAIVA, R. (Orgs.). Mídia e poder: ideologia, discurso e subjetividade. Rio de Janeiro: Mauad X, 2008.

COUTINHO, C. N. Gramsci: um estudo sobre seu pensamento político. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

DUARTE, J.; VERAS, L.(Org.) Glossário de comunicação pública. Brasília: Casa Musas, 2006.

FOUCAULT, M. Estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

HACKING, I. Inaugural lecture: chair of fhilosophy and history of scientistic concepts

at the collège de france, 16 January 2001. Economy and Society, v. 31. USA: Taylor & Francis, 2002.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICAS (IBGE). Planejamento Estratégico do IBGE 2012-2015. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/home/disseminacao/eventos/missao/planejamento_estrategico_ibge_2012_2015.pdf>. Acesso em: 18 Out. 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICAS (IBGE). Política de Comunicação Integrada. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/home/disseminacao/eventos/missao/politica_de_comunicacao.pdf>. Acesso em: 18 Out. 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICAS (IBGE). Código de Boas Práticas de Estatísticas do IBGE. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/home/disseminacao/eventos/missao/codigo_boas_praticas.shtm>. Acesso em: 18 Out. 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICAS (IBGE). Metodologia do Censo Demográfico 2010. Série Relatórios Metodológicos, vol. 41. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: < ftp://ftp.ibge.gov.br/Censos/Censo_Demografico_2010/metodologia/metodologia_censo_dem_2010.pdf>. Acesso em: 18 Out. 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICAS (IBGE). Revista IBGE, n. 0, out/nov./dez 2011. Rio de Janeiro, 2011.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICAS (IBGE). Estatuto da Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Brasília, 2003. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/disseminacao/eventos/missao/estatuto.shtm>. Acesso em: 18 Out. 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICAS (IBGE). Relatório de Atividades da Coordenação de Comunicação Social. Rio de Janeiro, 2011.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICAS (IBGE). Plano de Ações de Comunicação para o Censo 2010. Rio de Janeiro, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICAS (IBGE). Escola Nacional de Ciências Estatísticas. Disponível em: < http://www.ence.ibge.gov.br/index.php/sobre-estatistica/o-que-e-estatistica>. Acesso em: 15 de novembro de 2014.

LIMA, V. A. Regulação das comunicações: história, poder e direitos. São Paulo: Paulus, 2011.

MAIA, S. A notícia da estatística: a divulgação das estatísticas do IBGE na visão dos jornalistas. 2005. 128f. Dissertação (Mestrado em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais)-Escola Nacional de Ciências Estatísticas (ENCE), Rio de Janeiro, 2005.

MORAES, D. Jornalismo e diversidade. America Latina en Movimiento. Equador: Agencia Latinoamericana de Informacion, maio, 2013. Disponível em < http://www.alainet.org/de/node/76121>. Acesso em 17 de julho de 2014.

PAIVA, R. (Org.). O retorno da comunidade: os novos caminhos do social. Rio de Janeiro: Mauad, 2003.

RAMONET, I. Meios de comunicação: um poder a serviço de interesses privados? In: DE MORAES, Dênis (org.). Mídia, poder e contrapoder: da concentração monopólica à democratização da informação. Rio de Janeiro: Boitempo Editorial, 2013.

SENRA, N. Informação estatística como objeto de estudo (uma primeira tentativa de formalização). DataGramaZero: Revista de Ciência da Informação, v.6, n.4 ago., 2005. Disponível em: < http://dgz.org.br/ago05/Art_04.htm>. Acesso em: 15 de julho de 2013.

SENRA, N. História das estatísticas brasileiras: estatísticas desejadas (C.1822-C.1889). Rio de Janeiro: IBGE, 2002. v. 1.

SENRA, N. Pesquisa histórica das estatísticas: temas e fontes. Hist. Ciênc. Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, 2008.

STARR, P. Social categories and claims in the liberal state. Social Research, v. 59, n. 2, p. 263-295, 1992. Disponível em <http://www.princeton.edu/~starr/articles/articles90-92/Starr_Social_Categories_and_Claims.pdf.>. Acesso em 15 de julho 2013.

Downloads

Publicado

2015-06-15

Como Citar

SARAIVA, A. G. Desafios da comunicação de estatísticas públicas para o fortalecimento da cidadania das minorias. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 18, n. 1, p. 174–191, 2015. DOI: 10.5216/36116. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/36116. Acesso em: 28 maio. 2022.

Edição

Seção

Caderno Casadinho Procad UFG - UFRJ