Estratégias singulares de agendamento: o caso do Greenpeace

Autores

  • Renata Borges Crispim Faculdade Sul-Americana de Goiânia.

DOI:

https://doi.org/10.5216/c&i.v6i2.24210

Palavras-chave:

Agendamento. Terceiro Setor. Jornalismo como esfera pública.

Resumo

A imprensa como esfera pública. O Terceiro Setor e a necessidade de visibilidade midiática. A entrada na esfera pública jornalística e o estabelecimento de estratégias de agendamento. O recurso à singularidade como estratégia de comunicação. O caso do Greenpeace e as estratégias elaboradas pela ONG paraadentrar a esfera pública jornalística. Os resultados dos esforços de agendamento do Terceiro Setor. A singularidade como estratégia eficaz de agendamento. A imprensa e a valorização de novos atores sociais como atores aptos a ter voz ativa na arena pública do jornal.

 

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Borges Crispim, Faculdade Sul-Americana de Goiânia.

Mestre em Comunicação pela Universidade de Brasília e professora na Faculdade Sul-Americana em Goiânia.

Downloads

Publicado

2013-05-14

Como Citar

CRISPIM, R. B. Estratégias singulares de agendamento: o caso do Greenpeace. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 6, n. 2, p. 75–86, 2013. DOI: 10.5216/c&i.v6i2.24210. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/24210. Acesso em: 25 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos