Mídia e preconceito

Autores

  • Derval Gomes Golzio Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.5216/c&i.v9i1.10880

Palavras-chave:

Imprensa, Análise do conteúdo, Preconceito, Afrodescendentes, Esteriótipos

Resumo

Apesar do tempo que separa a abolição da escravatura no Brasil e os dias atuais, os afrodescendentes permanecem discriminados no mercado de trabalho. Os resultados de umaanálise de conteúdo realizada com base em 58 reportagens na revista de maior circulação nacional, Veja, e traduzidos neste “paper”, revelam que o número de profissões ocupadas pelos afrodescendentes é bastante reduzido, em comparação com as ocupadas e expostas pelocontingente branco do país. Para além de qualquer questionamento sobre o preconceito sutil quecaracteriza os textos jornalísticos das reportagens que compõem a amostra, é importante evidenciarque a maior parte das profissões exercidas pelos afrodescendentes não exige,

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-08-18

Como Citar

GOLZIO, D. G. Mídia e preconceito. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 9, n. 1, p. 16–29, 2010. DOI: 10.5216/c&i.v9i1.10880. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/10880. Acesso em: 23 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos