Oralidade – e o povo sobrevive na sua fala reinventada

Autores

  • Nilton José dos Reis Rocha Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.5216/c&i.v10i1.10346

Palavras-chave:

Oralidade, Voz, Memória, Tradição, Atualidade

Resumo

O foco principal deste artigo é a oralidade como ferramenta e esfera de comunicação das camadas populares e preservação de sua cultura. Um caminho alternativo e precioso quando os sujeitos não têm acesso às formas de discursos legitimadores, incluindo a escrita. O presente texto tece a importância do tripé voz, memória e tradição, como bases de continuidade e futuro. Têm na vasta literatura sobre o texto oral, da tradição bíblica a Saramago, dos poemas chineses do Che-King a Suassuna, de Guimarães Rosa aos repentistas, misto de poetas e jornalistas do cotidiano popular, suas fontes contemporâneas de inspiração. Voz e gesto, ritos e mitos, corpo e imaginário, tudo isto, compondo uma narrativa que não se esgota. E, sábia, penetra, agora, os poros das infovias e, de novo, encontra seus veios de atualidade e superação constantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-08-08

Como Citar

ROCHA, N. J. dos R. Oralidade – e o povo sobrevive na sua fala reinventada. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 10, n. 1, p. 114–125, 2010. DOI: 10.5216/c&i.v10i1.10346. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/10346. Acesso em: 24 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos