Quizás, Quizás, Quizás: deleite da câmera voyeurista e a construção da personagem Zahara no filme dentro do filme Má Educação, de Pedro Almodóvar

Autores

  • Naira Rosana Dias da Silva Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.5216/c&i.v10i1.10304

Palavras-chave:

Cinema, Voyeurismo, Mulher-fatal, Travesti, Pedro Almodóvar

Resumo

Zahara é uma personagem encenada no filme dentro do filme Má Educação (2004), do cineasta espanhol Pedro Almodóvar, compondo a metalinguagem do cinema. Ela representa o estereótipo da mulher-fatal, como a dos filmes noirs. Entretanto, não é uma mulher, mas um travesti que se apresenta numa boate para uma platéia voyeurista, como a própria câmera, que se faz de extensão do olhar, para o deleite do público voyeur. Inspirada na cantora e atriz espanhola Sara Montiel, Zahara personifica uma estrela de cinema. Estuda-se a comunicação visual de tais representações sob a ótica da linguagem cinematográfica – abordando estereótipo, gênero, identidade sexual, feminismo e história –, para investigar como Almodóvar transfere características femininas para a personagem e como se dá a questão do voyeurismo e da objetificação da mulher no cinema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-08-08

Como Citar

SILVA, N. R. D. da. Quizás, Quizás, Quizás: deleite da câmera voyeurista e a construção da personagem Zahara no filme dentro do filme Má Educação, de Pedro Almodóvar. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 10, n. 1, p. 34–42, 2010. DOI: 10.5216/c&i.v10i1.10304. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/10304. Acesso em: 23 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos