POR QUE FAZEMOS PERFORMANCE E ATIVISMO FEMINISTA?

Autores

  • Stela Fischer Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v3i1.46166

Palavras-chave:

Ativismo feminista, performance feminista, teatro de mulheres.

Resumo

O texto identifica e analisa duas ações cênicas ativistas do Coletivo Rubro Obsceno: Eu abortei (2014) e O que te prende, mulher? (2014-2016), ambas apresentadas como intervenção urbana na cidade de São Paulo. Considerando a análise e cartografia dessas ações - que lançam posicionamentos políticos na construção de poéticas cênicas, e cujas premissas giram em torno de visibilizar as subjetividades das mulheres -, enfatizo a importância da reflexão crítica a partir do próprio fazer artístico. Compartilho a experiência de atuação enquanto artista das artes cênicas e, acima de tudo, identifico os motivos pelos quais ainda se faz necessário promover ativismos feministas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Stela Fischer, Universidade de São Paulo

Stela Fischer é doutora em Artes Cênicas pela Universidade de São Paulo, Mestre em Artes/Teatro pela Universidade Estadual de Campinas. Autora do livro Processo Colaborativo e Experiências de Companhias Teatrais Brasileiras (Hucitec, 2010). Coordena na cidade de São Paulo o Coletivo Rubro Obsceno, um agrupamento de mulheres artistas com a finalidade de discutir as questões de gênero nas artes da cena.

Referências

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. Volume 1 e 2. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BIROLI, Fávia; MIGUEL, Luis Felipe. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismos e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015a.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2015b.

DIÉGUEZ, Ileana. Prácticas de visibilidad. Ethos, teatralidad y memória. In: ZAPATA, Miguel Rubio. El cuerpo ausente (performance política). Lima: Grupo Cultural Yuyachkani, 2008.

DIÉGUEZ, Ileana. Cenários Liminares: teatralidades, performances e política. Uberlândia: EDUFU, 2011.

FABIÃO, Eleonora. Performance e teatro: poéticas e políticas da cena contemporânea. Revista Sala Preta, v. 8, 2008. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/salapreta/article/viewFile/57373/60355>. Acesso dez. 2016.

FABIÃO, E.; LEPECKI, A. (Orgs.). Ações Eleonora Fabião. Rio de Janeiro: Itaú Cultural, 2015.

GODINHO, Tatau; VENTURI, Gustavo (orgs.). Mulheres brasileiras e gênero nos epsaços público e privado: uma década de mudanças na opinião pública. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2013.

PRECIADO, Beatriz. Texto Younqui. Madrid: Espasa, 2008.

ROLNIK, Suely. Cartografia Sentimental. Transformações contemporâneas do desejo. São Paulo: Estação Liberdade, 1989.

ROLNIK, Suely. Geopolítica da cafetinagem. 2006. Disponível em: http://eipcp.net/transversal/1106/rolnik/pt. Acesso mar. 2016.

SPIVAK, Gayatri C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

2017-07-31

Como Citar

FISCHER, S. POR QUE FAZEMOS PERFORMANCE E ATIVISMO FEMINISTA?. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 3, n. 1, p. 008–020, 2017. DOI: 10.5216/ac.v3i1.46166. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/46166. Acesso em: 24 maio. 2024.