Variação sazonal das borboletas (Lepidoptera) da mata do Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Autores

  • Matheus Mir Leite Ferreira Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Instituto de Ciências Biológicas, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, colgradc­bio@icb.ufmg.br https://orcid.org/0000-0003-3651-9851
  • André Roberto Melo Silva Centro Universitário UNA, Faculdade de Ciências Biológicas e Saúde, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil https://orcid.org/0000-0003-3113-5840
  • Marina do Vale Beirão Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Instituto de Ciências Exatas e Biológicas, Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil https://orcid.org/0000-0002-4573-998X
  • Gabryella Soares Pinheiro dos Santos Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Instituto de Ciências Biológicas, BirBrairLAB, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil https://orcid.org/0000-0002-9970-1311
  • Mariana de Almeida Oliveira Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Instituto de Ciências Biológicas, Laboratório de Imunobiologia, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil https://orcid.org/0000-0001-7508-6679

DOI:

https://doi.org/10.5216/rbn.v18i1.65005

Palavras-chave:

ecologia, insetos, rophalocera, sazonalidade, urbanização

Resumo

As borboletas (Lepdoptera), por serem coloridas e de fácil visualização, são ótimas bandeiras para conservação. Também são boas indicadoras ambientais e úteis no monitoramento de ecossistemas. O objetivo desse estudo foi realizar análise da composição, riqueza e abundância das borboletas do Museu de História Natural e Jardim Botânico (MHNJB) UFMG, relacionando esses parâmetros com a sazonalidade. As coletas foram realizadas bimestralmente durante um ano (entre junho de 2016 e maio de 2017). Cada amostragem foi realizada por dois dias, com o uso de redes entomológicas em cada uma das quatro áreas predeterminadas, num total de 48 horas de esforço amostral. Foram coletadas 571 borboletas de 95 espécies, sendo 40 singletons e 14 doubletons. A abundância e a riqueza não variaram entre os meses (F = 1,227, p = 0,337; F = 1,34, p = 0,378, respectivamente) e nem entre as estações (F = 0,7749, p = 0,388; F = 1,0045, p = 0,327, respectivamente). Já a composição das espécies diferiu entre os meses (p = 0,003) e entre as estações (p = 0,017). A curva de acúmulo de espécies não se estabilizou, indicando que há mais espécies para serem amostradas nas matas (áreas T1, T2, T3 e T4) do Museu.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Mir Leite Ferreira, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Instituto de Ciências Biológicas, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, colgradc­bio@icb.ufmg.br

Graduado em Ciências Biológicas (Licenciatura) pela Universidade Federal de Minas Gerais. Tem experiencia com manejo de fauna silvestre em cativeiro , educação ambiental e ecologia de insetos (Lepidoptera e hymenoptera). Atualmente, cursando o bacharelado na mesma instituição

André Roberto Melo Silva, Centro Universitário UNA, Faculdade de Ciências Biológicas e Saúde, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Biólogo e Mestre em Zoologia dos Vertebrados, pela PUC-MG, em 2001 e 2004 respectivamente. É professor do Centro Universitário UNA (Belo Horizonte) e Faculdade FASEH (Vespasiano), lecionando as disciplinas do ciclo básico Citologia, Histologia, Embriologia e específicas, Zoologia dos Invertebrados, Biogeografia e orientação de TCC. Trabalha com pesquisa e consultoria em Zoologia e Ecologia, com ênfase Ecologia de Comunidades de Borboletas.

Marina do Vale Beirão, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Instituto de Ciências Exatas e Biológicas, Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil

Graduação em Ciências Biológicas - Bacharelado pela Universidade Federal de Minas Gerais (2005), graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Minas Gerais (2003), mestrado em Ecologia (Conservação e Manejo da Vida Silvestre) pela Universidade Federal de Minas Gerais (2008) e doutorado em Ecologia, Conservacao e Manejo da Vida Silvestre pela Universidade Federal de Minas Gerais (2016). Atualmente é pós doutoranda da Universidade Federal de Ouro Preto (Ecologia de Biomas Tropicais). Tem experiência em Ecologia de comunidades de borboletas, Bioestatística e Espécies ameaçadas de extinção.

Gabryella Soares Pinheiro dos Santos, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Instituto de Ciências Biológicas, BirBrairLAB, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Mestre e doutoranda em Patologia pela Universidade Federal de Minas Gerais. Bióloga com ênfase em Biotecnologia e Meio Ambiente pelo Centro Universitário Una.

Mariana de Almeida Oliveira, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Instituto de Ciências Biológicas, Laboratório de Imunobiologia, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Graduação em Ciências Biológicas pelo Centro Universitário UNA (2017) e mestrado em Bioquímica e Imunologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2020). Atualmente é doutoranda em Imunologia da Universidade Federal de Minas Gerais. Tem experiência na área de Imunologia, com ênfase em Imunologia.

Referências

Andres B., D. Orme, S. Villeger, J. Bortoli, F. L. & M. Logez. 2020. Betapart: Partitioning Beta Diversity into Turnover and Nestedness Components. R package version 1.5.2. Disponível em: <https://CRAN.R-project.org/package=betapart>. Acesso em 25 nov. 2020.

Beutel, R. G., F. Friedrich, S. Q. Ge & X. K. Yang. 2014. Insect Morphology and Phylogeny. Berlin, Gruyter.

Boggs, C. L., W. B. Watt & P. R. Ehrlich. 2003. Butterflies: ecology and evolution taking flight. Chicago, University of Chicago Press.

Bonfantti, D., R. A. Di Mare & R. Giovenardi. 2009. Butterflies (Lepidoptera: Papilionoidea and Hesperioidea) from two forest fragments in northern Rio Grande do Sul, Brazil. Check List. 5: 819-829. DOI: https://doi.org/10.15560/5.4.819

Breuste, J. H. & M. Artmann. 2015. Allotment gardens contribute to urban ecosystem service: case study Salzburg, Austria. J. Urban Plan. Dev. 141(3): A5014005. DOI: https://doi.org/10.1061/(ASCE)UP.1943-5444.0000264

Brito, M. M., D. B. Ribeiro, M. Raniero, E. Hasui, F. N. Ramos & A. Arab. 2014. Functional composition and phenology of fruit-feeding butterflies in a fragmented landscape: variation of seasonality between habitat specialists. J. Insect Conserv. 18(4): 547-560. DOI: https://doi.org/10.1007/s10841-014-9650-8

Brown Jr., K. S. & O. H. H. Mielke. 1968. Lepidoptera of the Central Brazil Plateau. III. Partial list for the Belo Horizonte area, showing the character of the southeastern “Blend Zone”. J. Lepid. Soc. 22(3): 147-157.

Brown Jr., K. S. 1992. Borboletas da Serra do Japi: diversidade, habitats, recursos alimentares e variação temporal. pp. 142-186. In: Patricia, L. & C. Morellato (Org.). História Natural da Serra do Japi: Ecologia e preservação de uma área florestal no Sudeste do Brasil. Campinas, FAPESP.

Brown Jr., K. S. & A. V. L. Freitas. 1999. Lepidoptera, pp. 225-243. In: Joly, C. A. & C. E. M. Bicudo (Org.). Biodiversidade do Estado de São Paulo, Brasil: síntese do conhecimento ao final do século XX, Invertebrados Terrestres. São Paulo, FAPESP.

Brown Jr., K. S. & A. V. L. Freitas. 2000. Diversidade de Lepidoptera em Santa Teresa, Espírito Santo. Bol. Mus. Biol. Mello Leitão. 11(12): 71-118.

Brown Jr., K. S. & A. V. L. Freitas. 2000. Atlantic forest butterflies: indicators for landscape conservation. Biotropica. 32 (4): 934-956. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1744-7429.2000.tb00631.x

Brown Jr., K. S. & A. V. L. Freitas. 2002. Butterfly communities of urban forest fragments in Campinas, São Paulo, Brazil: structure, instability, environmental correlates, and conservation. J. Insect Conserv. 6: 217-231. DOI: https://doi.org/10.1023/A:1024462523826

Buterflies of América. 2017. Disponível em: <https://www.butterfliesofamerica.com>. Acesso em 05 de mai. 2019.

Canals, G. R. 2000. Butterflies of Buenos Aires. Buenos Aires, L.O.L.A., 347p.

Chan, K. M. A., P. Balvanera, K. Benessaiah, M. Chapman, S. Díaz, E. Gómez-Baggethun, R. Gould, N. Hannahs, K. Jax, S. Klain, G. Luck, B. Martín-López, B. Muraca, B. Norton, K. Ott, U. Pascual, T. Satterfield, M. Tadaki, J. Taggart & N. Turner. 2016. Opinion: Why protect nature? Rethinking values and the environment. P. Natl. Acad. Sci. USA. 113(6): 1462–1465. DOI: https://doi.org/10.1073/pnas.1525002113

Climatempo. 2017. Portal Climatempo. BH acumula só um terço da chuva de 2017. Disponível em: <https://www.climatempo.com.br/noticia/2017/10/20/bh.acumula.so.um.terco.da.chuva.de.2017-1569>. Acesso 20 mai. 2017.

DeVries, P. J., D. Murray. & E. R. Lande. 1997. Species diversity in vertical, horizontal, and temporal dimensions of a fruit-feeding butterfly community in an Ecuadorian rainforest. Biol. J. Linn. Soc., London. 62(3): 343-364.

DeVries, P. J. & T. R. Walla. 2001. Species diversity and community structure in Neotropical fruit-feeding butterflies. Biol. J. Linn. Soc. 74(1): 1-15. DOI: https://doi.org/10.1006/bijl.2001.0571

Duarte, M., G. Marconato, A. Specht & M. Casagrande. 2012. Lepidoptera. pp. 625-679. In: Rafael, J. A., G. A. R. Melo, C. J. B. Carvalho, S. A. Casari & R. Constantino (Org.). Insetos do Brasil: Diversidade e Taxonomia. Ribeirão Preto, Holos.

Felix, D. F. 2009. Composição florística do Museu de História Natural e Jardim Botânico da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais. 111 f. Dissertação (Mestrado em Biologia Vegetal), Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais.

Filgueiras, B. K. C., D. H. A. Melo, I. R. Leal, M. Tabarelli, A. V. L. Freitas & L. Iannuzzi. 2016. Fruit-feeding butterflies in edge-dominated habitats: community structure, species persistence and cascade effect. J. Insect Conserv. 20: 539-548. DOI: https://doi.org/10.1007/s10841-016-9888-4.

Freitas, A. V. F., C. A. Iserhard, J. P. Santos, J. Y. O. Carreira, D. B. Ribeiro, D. H. A. Melo, A. H. B. Rosa, O. J. Marini-Filho, G. M. Acácio & M. Uehara-Prado. 2014. Studies with butterfly bait traps: an overview. Rev. Colomb. Entomol. 40(2): 203-212.

Grotan, V., R. Lande, S. Engen, B. Sæther & P. J. DeVries. 2012. Seasonal cycles of species diversity and similarity in a tropical butterfly community. J. Anim. Ecol. 81(3): 714-723. DOI: https://doi.org/ 10.1111/j.1365-2656.2011.01950.x.

Hamer, K. C., J. K. Hill, N. Mustaffa, S. Benedick, T. N. Sherratt, V. K. Chey & M. Maryati. 2005. Temporal variation in abundance and diversity of butterflies in Bornean rain forests: opposite impacts of logging recorded in different seasons. J. Trop. Ecol. 21(4): 417–425. DOI: https://doi.org/10.1017/S026646705002361.

ICMBio/MMA. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção: Volume VII – Invertebrados 1 ed. Brasília, ICMBio/MMA. Disponível em :<https://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/comunicacao/publicacoes/publicacoes-diversas/livro_vermelho_2018_vol7.pdf>. Acesso em 22 out. 2020.

Jari O., F. G. Blanchet, M. Friendly, R. Kindt, P. Legendre, D. McGlinn, P. R. Minchin, R. B. O'Hara, G. L. Simpson, P. Solymos, M. Henry, H. Stevens, E. Szoecs & H. Wagner. 2019. Vegan: Community Ecology Package. R package version 2.5-6. Disponível em: <https://CRAN.R-project.org/package=vegan>. Acesso em 24 nov. 2020.

Lamas, G. 2004. Atlas of Tropical Lepidoptera: checklist. Assoc. Trop. Lepid. Scientific Publishers, Gainesville, 439 p.

Magurran, A. E. 2011. Medindo a Diversidade Biológica. Paraná. UFPR.

Oksanen, J., F. G. Blanchet, M. Friendly, R. Kindt, P. Legendre, D. McGlinn, P. R. Minchin, R. B. O'Hara, G. L. Simpson, P. Solymos, M. H. H. Stevens, E. Szoecs & H. Wagner. 2019. Vegan - Community Ecology Package. R Package version 2. 5-6. Disponível em: <https://CRAN.R-project.org/package=vegan>. Acesso em 18 nov. 2020.

Oliveira, M. A. D. E., C. F. F. Gomes, E. M. Pires, C. G. S. Marinho & T. M. C. Della Lucia. 2014. Bioindicadores ambientais: insetos como um instrumento desta avaliação. Ver. Ceres. 61: 800-807 (suplemento). DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-737X201461000005

Prefeitura de Belo Horizonte. 2017. Minas Gerais. Portal Prefeitura de Belo Horizonte. Disponível em: <http://www.belohorizonte.mg.gov.br/local/servico-turistico/espaco-para-evento/aberto/parque-municipal-americo-renne-giannetti>. Acesso em 20 abr. 2017.

R Core Team. 2017. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. Disponível em: <https://www.R-project.org/.>. Acesso em 25 jun. 2020.

Ribeiro, D. B., P. I. Prado, K. S. Brown Jr. & A. V. L. Freitas. 2010. Temporal Diversity Patterns and Phenology in Fruit-feeding Butterflies in the Atlantic Forest. Biotropica. 42(6): 710-716. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1744-7429.2010.00648.x.

Ricklefs, R. E. 2003. A Economia da Natureza. 5 ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan.

Rocha, C. F. D., H. G. Bergallo, M. Van Sluys & M. A. S. Alves. 2006. Biologia da Conservação: essências. São Carlos, Editora Rima.

Ruszczyk, A. 1986. Ecologia urbana de borboletas, I. O gradiente de urbanização e a fauna de Porto Alegre-RS. Ver. Bras. Bio. 46: 675-688.

Silva, A. R. M, E, V. D. Silva W. X. De Deus & O. H. Costa. 2014. Borboletas frugívoras (Lepidoptera: Nymphalidae) da mata do Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Arq. do Mus. de Hist. Nat. e J. Bot. 23: 33.

Silva, A. R. M, G. G. Landa & R. F. Vitalino. 2007. Borboletas (Lepidoptera) de um fragmento de mata urbano em Minas Gerais, Brasil. Lundiana. 8(2): 137-142.

Silva, A. R. M., C. O. Castro, P. O. Mafia, M. O. C. Mendonca, T. C. C. Alves & M. V. Beirão. 2012. Borboletas frugívoras (Lepidoptera: Nymphalidae) de uma área urbana (Area de Proteção Especial Manancial Cercadinho) em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Biota Neotrop. 12: 292-297. DOI: https://doi.org/10.1590/S1676-06032012000300028.

Soares, G. R., A. P. Oliveira & A. R. M. Silva. 2012. Borboletas (Lepidoptera: Papilionoidea e Hesperioidea) de um parque urbano em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Biota Neotrop. 12: 209-217. DOI: https://doi.org/10.1590/S1676-06032012000400022.

Soga, M., T. Kawahara, K. Fukuyama, K. Sayama, T. Kato, M. Shimomura, T. Itoh, T. Yoshida & K. Ozaki. 2015. Landscape versus local factors shaping butterfly communities in fragmented landscapes: Does host plant diversity matter? J. Insect Conserv. 19: 781-790. DOI: https://doi.org/10.1007/s10841-015-9799-9

Stefanescu, C., S. Herrando & F. Páramo. 2004. Butterfly species richness in the north-west Mediterranean Basin: the role of natural and human-induced factors. J. Biogeogr. 31: 905-915. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1365-2699.2004.01088.x

Vanin, S. A. 2012. Filogenia e Classificação. pp. 81-10. In: Rafael, J. A., G. A. R. Melo, C. J. B. Carvalho, S. A. Casari & R. Constantino. Insetos do Brasil. Diversidade e Taxonomia. 1 ed. Ribeirão Preto, Holos.

Verzoça, F. C. & R. F. Bion. 2011. Polinização de Lantana fucata Lindley (Verbenaceae) por Parides ascanius Cramer (Lepidoptera: Papilionoidea) na Restinga de Grumari, Rio de Janeiro. EntomoBrasilis. 4(1): 7-9. DOI: https://doi.org/10.12741/ebrasilis.v4i1.108

Wagner, T. 2003. Seasonality of canopy beetles in Uganda. pp. 146-158. In: Basset, Y., V. Novotny, S. E. Miller & R. L. Kitching (Eds.). Arthropods of tropical forests: spatio-temporal dynamics and resource use in the canopy. New York, Cambridge University Press.

Wickham, H. 2016. ggplot2: Elegant Graphics for Data Analysis. Springer-Verlag, New York. Version 4.0. Disponível em: <https://ggplot2.tidyverse.org>. Acesso em 28 jun. 2020.

Downloads

Publicado

17-02-2021

Como Citar

LEITE FERREIRA, M. M.; MELO SILVA, A. R. .; DO VALE BEIRÃO, M. .; SOARES PINHEIRO DOS SANTOS, G. .; DE ALMEIDA OLIVEIRA, M. . Variação sazonal das borboletas (Lepidoptera) da mata do Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, Goiânia, v. 18, n. 1, p. 1–16, 2021. DOI: 10.5216/rbn.v18i1.65005. Disponível em: https://revistas.ufg.br/RBN/article/view/65005. Acesso em: 26 fev. 2024.