Quebra de dormência de sementes de Chamaecrista flexuosa (L.) Greene visando a restauração ecológica do Cerrado

Autores

  • Fernando Campanhã Bechara Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Gelson Dias Fernandes Universidade de São Paulo
  • Raquel Lima Silveira Casa da Floresta Assessoria Ambiental

DOI:

https://doi.org/10.5216/rbn.v4i1.4657

Palavras-chave:

Cerrado, espécie arbustiva, Leguminosae, nucleação, teste de germinação

Resumo

O Cerrado é considerado um bioma de absoluta importância para a conservação por sua alta riqueza biológica e pela alta pressão antrópica a que vem sendo submetido. Restaurar representa um desafio no sentido de iniciar um processo de sucessão o mais semelhantemente possível com os processos naturais, incluindo todas as formas de vida. Chamaecrista flexuosa (L.) Greene (canela-de-ema), Leguminosae-Caesalpinioideae, é um subarbusto ruderal trianual, de rápido crescimento, com frutificação precoce e abundante. A introdução de C. flexuosa em núcleos adensados possui alto potencial de recuperação de solos e atração de animais polinizadores. Plantas herbáceo-arbustivas, componentes das primeiras fases seriais, são importantes no combate de gramíneas exóticas invasoras e na adequação ambiental para a chegada de espécies mais exigentes. Visando a quebra de dormência das sementes de C. flexuosa foi efetuado um teste de emergência de plântulas em delineamento inteiramente aleatorizado, com oito repetições de 25 sementes por tratamento. A dormência das sementes foi quebrada através de imersão em água a 80oC por 5 segundos, o que resultou em 73,5% de emergência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aguiar, C. M. L. 2003. Flower visits of Centris bees (Hymenoptera: Apidae) in an area of Caatinga (Bahia, Brazil). Stud. Neotrop. Fauna E. 38: 41-45.

Aguiar, I. B., F. C. M. Piña-Rodrigues & M. B. Figliolia. 1993. Sementes florestais tropicais. ABRATES, Brasília, 350 p.

Bechara, F. C. 2006. Unidades demonstrativas de restauração ecológica através de técnicas nucleadoras: Floresta Estacional Semidecidual, Cerrado e Restinga. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, Piracicaba.

Bewley, J. D. 1997. Seed germination and dormancy. The Plant Cell 9: 1055-1066.

Bewley, J. D. & M. Black. 1994. Seeds: physiology of development and germination. Plenum Press, New York, 445 p.

Camargo, R. A. & S. T. S. Miotto. 2004. O gênero Chamaecrista Moench (Leguminosae- Caesalpinioideae) no Rio Grande do Sul. Iheringia, Ser. Bot. 59: 131-148.

Connel, J. H. & M. D. Lowman. 1989. Low diversity tropical rain forests: some possible mechanisms for their existence. Am. Nat. 134: 88-119.

Connel, J. H. & R. O. Slatyer. 1977. Mechanisms of succession in natural communities and their role in community stability and organization. Am. Nat. 111: 1119- 1144.

ESALQ. Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”. 2005. Núcleo de Monitoramento Agroclimático. Disponível em: <http://www.lce.esalq.usp.br/nur- ma.html>. Acesso em: 5 nov. 2006.

Espindola, M. B., F. C. Bechara, M. S. Bazzo & A. Reis. 2005. Recuperação ambiental e contaminação biológica: aspectos ecológicos e legais. Biotemas 18: 27-38.

Faria, S. M, J. F. Moreira, F. C. Cordeiro & R. L. Machado. 2003. Obtenção de estirpes de rizóbio para leguminosas florestais (aproximação 2004). Seropédica, Embrapa Agrobiologia. 10 p. (Embrapa Agrobiologia. Comunicado Técnico, 61).

Grus, V. M. 1990. Germinação de sementes de pau-ferro e cássia-javanesa submetidas a tratamentos para quebra de dormência. Rev. Brasil. Sem. 6: 29-35.

Higa, A. R. & L. D. Silva. 2006. Pomar de sementes de espécies florestais nativas. FU- PEF, Curitiba, 266 p.

Hilhorst, H. W. M. 1995. A critical update on seed dormancy. I. Primary dormancy. Seed Science Research 5: 61–73.

Klein, R. M. 1979. Ecologia da flora e vegetação do Vale do Itajaí. Sellowia 31: 109- 164.

Kronka F. J. N. 2005. Inventário florestal da vegetação natural do Estado de São Paulo. Instituto Florestal, São Paulo, 200 p.

Labouriau, L. G. 1983. A germinação de sementes. OEA, Washington, 174 p.

Martinez, M. L. 2003. Facilitation of seedling establishment by an endemic shrub in tropical coastal sand dunes. Plant Ecol. 168: 333-345.

Myers, N., R. A. Mittermeir, C. G. Mittermeir, G. A. B. Fonseca & J. Kent. 2000. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature 403: 853-858.

Naisbitt, I., E. K. James & J. I. Sprent. 1992. The evolutionary significance of the legume genus Chamaecrista as determined by nodule structure. New Phytol. 122: 487-492.

Piña-Rodrigues, F. C. M. & A. J. Piratelli, 1993. Aspectos ecológicos da produção de sementes, p. 47-81. In: I. B. Aguiar, F. C. M. Piña-Rodrigues & M. B. Figliolia (Eds.), Sementes florestais tropicais. Brasília, ABRATES.

Popinigis, F. 1977. Fisiologia de sementes. AGIPLAN, Brasília, 289 p.

Reis, A. & M. B. Wiesbauer. 2006. O uso de sementes na restauração ambiental, p. 83-92. In: A. R. Higa & L. D. Silva (Eds.), Pomar de sementes de espécies florestais nativas. Curitiba, FUPEF.

Reis, A., F. C. Bechara, M. B. Espindola, N. K. Vieira & L. L. Souza. 2003. Restauração de áreas degradadas: a nucleação como base para incrementar os processos sucessionais. Natureza & Conservação 1: 28-36; 85-92.

Ruhren, S. 2003. Seed predators are unde- terred by nectar feeding ants on Chamaecrista nictitans (Caesalpineaceae). Plant Ecol. 166: 189-198.

Souza, F. M. & J. L. F. Batista. 2004. Restoration of seasonal semideciduous Forest in Brazil: influence of age and restoration design on forest structure. Forest Ecol. Manag. 196: 275-285.

Sprent, J. I. 2001 Nodulation in Legumes. Royal Botanic Gardens, Cumbria, 146 p.

Toledo, F. F. D. & J. Marcos Filho. 1977. Manual de sementes: tecnologia e produção. Editora Agronômica Ceres, São Paulo, 224 p.

Yarranton, G. A. & R. G. Morrison. 1974. Spatial dynamics of a primary succession: nucleation. J. Ecol. 62: 417-428.

Downloads

Publicado

29-09-2008

Como Citar

BECHARA, F. C.; FERNANDES, G. D.; SILVEIRA, R. L. Quebra de dormência de sementes de Chamaecrista flexuosa (L.) Greene visando a restauração ecológica do Cerrado. Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, Goiânia, v. 4, n. 1, p. 58–63, 2008. DOI: 10.5216/rbn.v4i1.4657. Disponível em: https://revistas.ufg.br/RBN/article/view/4657. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos