Germinação de sementes de três espécies do gênero Parkia submetidas a diferentes métodos de superação de dormência e temperatura

Autores

  • Fabieli Pelissari UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO
  • Carlos Vinicio Vieira Universidade Federal de Mato Grosso
  • Célio Jacinto da Silva Universidade Federal de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.5216/rbn.v1i1.25428

Palavras-chave:

Dormência, escarificação, germinação, temperatura.

Resumo

O trabalho teve como objetivo avaliar métodos de superação de dormência em diferentes temperaturas em sementes de Parkia pendula, Parkia platycephala e Parkia multijuga, visando a maximização e uniformização da germinação. As sementes de cada espécie passaram pelos seguintestratamentos: T1 – escarificação mecânica em esmeril elétrico; T2 - escarificação mecânica em esmeril elétrico seguido por imersão em água corrente por 24h; T3 – escarificação com ácido sulfúrico 98% por 10 min.; T4 – imersão em água a 80°C por 10 min.; T5- controle. As sementes de cada tratamento foram acondicionadas em germinadores do tipo B.O.D. em temperaturas de 25°C, 30°C e 25-30°C com fotoperíodo de 12 horas. Todas as espécies apresentaram interação entre os dois fatores estudados (superação de dormência e temperatura), ou seja, existe pelo menos uma combinação ideal entre esses fatores que otimiza a germinação e o aumento no IVG, com exceção da porcentagem de germinação para P. multijuga. Para superação da dormência de P. pendula e P. platycephala recomenda-se o T1 e para P. multijuga o T2. A temperatura de 30°C é recomendada para as três espécies.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabieli Pelissari, UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO

Formada em Ciências Biológicas, com mestrado em Ciências Ambientais (em andamento). Atualmente trabalho no Laboratório de Análise de Sementes da Universidade Federal de Mato Grosso, realizando pesquisas na área, em especial, fisiologia da germinação.

Referências

Albrecht, J.M.F.; M.C.L.F. Albuquerque & V.S.M. Silva. 1986. Influência da temperatura e do tipo de substrato na germinação de sementes de cerejeira. Revista Brasileira de Sementes 8(1): 49-55.

Alves, E.U.; E.A. Cardoso; R.L.A. Bruno; A.U. Alves; E.A. Galindo & J.M.B. Junior. 2007. Superação da dormência em sementes de Caesalpinia pyramidalis Tul. Revista Árvore 31(3):405-415.

Alves, E.U.; R.C. Paula; A.P. Oliveira; R.L.A. Bruno & A.A. Diniz. 2002. Germinação de sementes de Mimosa caesalpiniaefolia Benth. em diferentes substratos e temperaturas. Revista Brasileira de Sementes. 24(1): 169-178.

Alves, M.C.S.; S.M. Filho; M.A.Neto & E.M.Teófilo. 2000. Superação da dormência em sementes de Bauhinia monandra e B. ungulata. Revista Brasileira de Sementes 22(2): 139-144.

Azeredo, G.A. 2010. Superação de dormência de sementes de Piptadenia moniliformis Benth. Revista Brasileira de Sementes 32(2): 049-058.

Azeredo, G.A.; R.C. Paula; S.V. Valeri & F.V. Moro. 2010. Superaçao de dormência de sementes de Peptadenia moniliformis Benth. Revista Brasileira de Sementes 32(2): 49-58.

Bacha, C.J.C. 2008. Análise da Evolução do Reflorestamento no Brasil. Revista de Economia Agrícola 55(2):5-24.

Baskin, C.C. & J.M. Baskin. 1998. Seeds: ecology, biogeography and evolution of dormancy and germination. Academic Press, San Diego. 666p.

Bewley, J.D & M. Black. 1982. Physiology and biochemistry of seeds in relation to germination – Viability, dormancy and environmental control, v. 2. Berlim: Springer-Verlag. 375 p.

Bilia, D.A.C.; C.J. Barbedo & A.M. Maluf. 1998. Germinação de diásporos de canela ( (Ocotea corymbosa (Meissn.) Mez – Lauraceae) em função da temperatura, do substrato e da dormência. Revista Brasileira de Sementes 20(1): 189-194.

Biruel, R.P.; I.B. Aguiar & R.C. Paula. 2007. Germinação de sementes de pau ferro submetidas a diferentes condições de armazenamento, escarificação química, temperatura e luz. Revista Brasileira de Sementes 29(3):151-159.

Brancalion, P.H.S.; A.D.L.C. Novembre & R.R. Rodrigues. 2010. Temperatura ótima para germinação de sementes de espécies arbóreas brasileiras. Revista Brasileira de Sementes 32(4): 15-21.

Bruno, R.L.A.; E.U. Alves; A.P. Oliveira & R.C. Paula. 2001. Tratamento pré-germinativos para superar a dormência de sementes de Mimosa caesalpiniaefolia Benth. Revista Brasileira de Sementes 23(2): 136-143.

Cardoso, V.J.M. 2004. Dormência: estabelecimento do processo. p.95-108 In: Borghetti, F. & A.G. Ferreira (Org). Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed.

Cardoso, V.J.M. 2009. Conceito e classificação de dormência. Oecologia Brasiliensis 13: 619-631.

Carvalho, N. M; Nakagawa. J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4o Ed. Jaboticabal: Funep, 2000. 588p.

Cruz, E.D.; J.E.U. Carvalho & N.V.M. Leão. 2001. Métodos para superação da dormência e biometria de frutos e sementes de Parkia nitida Miguel. (Leguminosae – Mimosoideae). Acta Amazonica 31(2): 167-177.

Eira, M.T.S.; R.W.A. Freitas & C.M.C. Mello. 1993. Superação da dormência de sementes de Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong. – Leguminosae. Revista Brasileira de Sementes 15(2): 177-181.

Escobar, T.A.; V.M. Pedroso; R.N. Bonow & E.B.Schwengber. 2010. Superaão de dormência e temperaturas para germinação de sementes de Acacia caven (Mol.) Mol. (espinilho). Revista Brasileira de Sementes 32(2):124-130.

Finch-Savage, W.E & G. Leubner-Metzger. 2006. Seed dormancy and the control of germination. New Phytologist 171:501-523.

Floriano, E.P. 2004. Germinação e dormência de sementes florestais. v.2. Santa Rosa. 19. Fowler, J.A.P. & A. Biancheti. 2000. Dormência em sementes florestais. Colombo: Embrapa Florestas. 27p.

Galeão R. R.; J.O.P. Carvalho; J.A.G. Yared; L.C.T. Marques & P.P.C. Filho. 2006. Diagnóstico dos projetos de reposição florestal do estado do Pará. Revista Ciências Agrárias 45: 101-120.

Hermansen, L. A.; M.L. Duryea; S.H. West; T.L. White & M.M. Malavasi. 2000. Records Pretreatments to overcome seed coat dormancy in Dimorphandra mollis. Seed Science and Technology 28(3): 581-595.

Hopkins, H.C. 1986. Parkia (Leguminosae: Mimosoideae). In Flora Neotrópica 43. New York Botanical Garden, 124p.

Lopes, J.C.; P.C. Dias & C.M.P. Azevedo. 2006. Tratamentos para acelerar a germinação e reduzir a deterioração das sementes de Ormosia nitida Vog. Revista Árvore 30(2): 171-177.

Maguire, J. D. 1986. Speed of germination aid in selection and evaluation for seeding emergence and vigor. Crop Science 2(2): 176-177.

Melo, M.G.G.; M.S. Mendonça; P. Nazário & A.M.S. Mendes. 2011. Superação de dormência em sementes de três espécies de Parkia spp. Revista Brasileira de Semente 33(3): 533-542.

Ministério da Agricultura e da Reforma Agrária. Regras para análise de sementes. Brasília : Mapa/ACS, 2009. 399p.

Ministério da Agricultura e Pesquisa Agropecuária. (www.agricultura.gov.br) último acesso em 27 de abril de 2013.

Miranda, M.C.P.; A.R. Castelo; D.L.C. Miranda & E.V. Rondon. 2012. Propriedade físicas e mecênicas da madeira de Parkia gigantocarpa DUCKE. Ciência da Madeira (Braz. J. Wood Sci.) 03(2): 55-65.

Nascimento, I.L.; E.U. Alves; R.L.A. Bruno; E.P. Gonçalves; P.N.Q. Colares & M.S. Medeiros. 2009. Revista Árvore. 33(1): 35-45.

Netto, D. A. M. 1994. Germinação de sementes de pau-de-balsa (Ochroma pyramidale (Cav.) Urb.) - Bombacaceae. Revista Brasileira de Sementes, 16(2):159-162.

Oliveira, L.M.; A.C. Davide & M.L.M. Carvalho. 2003. Avaliação de métodos para quebra da dormência e para a desinfestação de sementes de canafístula (Peltophorum dibuim (Sprengel)) Taubert. Revista Árvore 27(5):597-603.

Oliveira, L.M.; R.L.A. Bruno; E.U. Alves; D.M.Sousa & A.P. Andrade. 2012. Tratamentos pré-germinativos em sementes de Samanea tubulosa Benthan – (Leguminoseae – Mimosoideae). Revista Árvore 36(3): 433-440.

Oliveira, M.C.P.; I.D.K. Ferraz & G.J. Oliveira. 2006. Dispersão e superação da dormência de sementes de Parkia pendula (Willd.) Walp. (visgueiro) na Amazônia Central, Am, Brasil. Hoehnea 33(4): 485-493.

Pereira, M.L.; A. Zanon & M.C. Scheffer.1995. Germinação de sementes de guaco - Mikania glomerata Spreng. (Asteraceae). Horticultura Brasileira 13(1): 104.

Pereira, S.A. & S.A.N. Ferreira. 2010. Superação da dormência em sementes de visgeuiro-do-igapó (Parkia discolor). Acta Amazonica 40(1): 151-156.

Pinedo, G.J.P. & I.D.K.Ferraz. 2008. Hidro-condiocionamento de Parkia pendula [Benth ex Walp]: sementes com dormência física de árvore da Amazônia. Revista Árvore 32(1): 39-49.

Ribas, L.L.F; L.C. Fossati & A.C. Noguria. 1996. Superação de dormência de sementes de Mimosa bimucronata (DC.) O. Kuntze (Maricá). Revista Brasileira de Sementes, 18(1): 98-101.

Rosseto, J.; M.C.F. Albuquerque; R.M.R. Neto & I.C.O. Silva. 2009. Germinação de sementes de Parkia pendula (Willd.) Benth. Ex Walp. (Fabaceae) em diferentes temperaturas. Revista Árvore 33(1):47-55.

Schmidt, L. 2000. Guide to handling of tropical and subtropical forest seed. Denmark: Danida Forest Seed Centree, 511p.

Silva, A.I.S.; V.B.Corte; M.D. Pereira; G.R.F.Cuzzuol & I.T.A. Leite. 2009. Efeito da temperatura e de tratamentos pré-germinativos na germinação de sementes de Adenanthera pavonina L. Semina: Ciências Agrárias 30(4): 815-824.

Silveira, F.A.O. & G.W. Fernandes. 2006. Effect of light, temperature and scarification on the germination of Mimosa foliolosa (Leguminosae) seeds. Seed Science & Technology, 34: 585-592.

Tedesco, S.B.; M.O. Stefanello; M.T. Schifino-Wittmann; A. Battistin & M. Dall’Agnol. 2001. Superação de dormência em sementes de espécies de Adesmia DC. (Leguminosae). Revista Brasileira de Agrociências 7(2): 89-92.

Upreti, J. & U. Dhar. 1997. Study on seed germination of a leguminous liana - Bauhinia vahlii Wight and Arnott. Seed Science and Technology.

Varela,V.P.; P.A.N. Aquino & C.P. Azevedo. 1987. Tratamentos pré-germinativos em sementes de espécies florestais da Amazônia. III. Faveira-arara-tucupi (Parkia decussata Ducke) - Leguminoseae. Acta Amazônica 16 (17): 557-562.

Downloads

Publicado

28-11-2013

Como Citar

PELISSARI, F.; VIEIRA, C. V.; SILVA, C. J. da. Germinação de sementes de três espécies do gênero Parkia submetidas a diferentes métodos de superação de dormência e temperatura. Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, Goiânia, v. 10, n. 1, p. 28–35, 2013. DOI: 10.5216/rbn.v1i1.25428. Disponível em: https://revistas.ufg.br/RBN/article/view/25428. Acesso em: 23 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)