CARACTERÍSTICAS MORFOMÉTRICAS E TESTICULARES DE BÚFALOS EM DIFERENTES IDADES

Autores

  • Renata de Oliveira Santos Ramalho Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
  • Douglas Mena do Couto Universidade Federal Rural do Rio de janeiro
  • Victor Cruz Rodrigues Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
  • André Mantegazza Camargo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão

DOI:

https://doi.org/10.1590/cab18021599

Palavras-chave:

búfalos, medidas morfométricas, medidas testiculares.

Resumo

Objetivou-se com este trabalho analisar o peso vivo (PV), as medidas morfométricas e testiculares e suas correlações entre si em 31 búfalos Mediterrâneo em três idades. Foram utilizados sete animais de 8 meses (T1), treze de 10 meses (T2) e onze de 12 meses (T3), de uma propriedade da Baixada Litorânea do Rio de Janeiro. As medidas morfométricas e testiculares avaliadas foram: altura da garupa (AG), altura da cernelha (AC), comprimento da garupa (CG), espessura de coxão (ECX), circunferência escrotal (CE), comprimento testicular (CT) e largura testicular (LT). Foram calculados o volume testicular (VT) e o índice de massa corpórea (IMC), e foi determinada a forma testicular pela razão entre a LT e o CT. Foram encontradas as médias para das variáveis PV (240,57 ± 18,36; 259,38±28,66 e 331,82±63,23), AC (113,28 ± 2,44; 116,23 ± 4,74 e 121,45 ± 6,95cm), AG (116,07 ± 3,09; 117,54 ± 4,97 e 125,45 ± 6,92 cm), CG (34,86 ± 2,03; 36,35 ± 2,80 e 38,09 ± 3,24 cm), ECX (39,07 ± 2,22; 40 ± 2,37 e 42,91 ± 3,97cm), IMC (187,37 ± 11,45; 191,69 ± 14,61 e 222,39 ± 23,57) para os tratamentos T1, T2 e T3, respectivamente. Foram encontradas médias para as variáveis CE (17,43±1,81; 19,08±1,98 e 22,11±3,25 cm), CT (8,28 ± 0,99; 9,27 ± 1,33 e 10,68 ± 1,47 cm), LT (3,25 ± 0,25; 3,90 ± 0,58 e 4,66 ± 0,80cm) e VT (109,43 ± 24,93, 198,36 ± 87,08 e 343,83 ± 183,04 cm3) para os tratamentos T1, T2 e T3, respectivamente. A forma predominante para todos os tratamentos foi o Longo. Não houve diferença entre as médias dos tratamentos 1 e 2 para nenhuma das variáveis estudadas. Para as variáveis PV, AG e IMC, CE, LT e VT o tratamento 3 apresentou as maiores médias. Para as variáveis AC, CG, ECX e CT não houve diferença entre os tratamentos 2 e 3. Houve correlação entre todas as medidas testiculares e as medidas de AC, AG e CG e entre CE e VT, CT, LT.
Palavras-chave: búfalos; medidas morfométricas; medidas testiculares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Douglas Mena do Couto, Universidade Federal Rural do Rio de janeiro

Universidade Federal Rural do Rio de janeiro, Programa de pós-graduação em Zootecnia, Departamento de Reprodução e Avaliação Animal (DRAA).

Victor Cruz Rodrigues, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Departamento de Reprodução e Avaliação Animal (DRAA).

André Mantegazza Camargo, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão

Professor no  Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão - Campus Codó.

Publicado

2017-03-03

Como Citar

RAMALHO, R. de O. S.; COUTO, D. M. do; RODRIGUES, V. C.; CAMARGO, A. M. CARACTERÍSTICAS MORFOMÉTRICAS E TESTICULARES DE BÚFALOS EM DIFERENTES IDADES. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 18, 2017. DOI: 10.1590/cab18021599. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/e-21599. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

ZOOTECNIA