ASPECTOS HISTOPATOLÓGICOS DA DERMATITE DIGITAL EM VACAS LEITEIRAS

Autores

  • Rogério Carvalho de Souza
  • João Carlos Toledo Jr.
  • Paulo Marcos Ferreira
  • Antônio Último de Carvalho
  • Lívio Ribeiro Molina
  • Elias Jorge Facury Filho
  • Marina Guimarães Ferreira
  • Rafael Guimarães Ferreira

Resumo

Com o objetivo de avaliar as alterações histopatológicas provocadas pela dermatite digital, foram examinados e acompanhados sessenta casos da doença em 240 vacas lactantes do município de Brumadinho em Minas Gerais. Classificaram-se as lesões macroscopicamente em hiperplásica (grau 1), ulcerativa (grau 2) e proliferativa (grau 3), sendo que as de grau 1 levaram em média 28 dias para evoluírem para grau 2 e estas demandaram em média 45 dias para se transformarem em grau 3. Realizaram-se biópsias das lesões e enviaram-se as amostras coletadas para laboratório, onde foram processadas, coradas pela Hematoxilina-Eosina, sendo posteriormente analisadas por microscopia óptica. Os principais achados histopatológicos da forma hiperplásica foram intensa hiperqueratose e vacuolização centrocelular. Na forma ulcerativa observou-se descontinuidade da epiderme, erosão do estrato córneo, com colunas córneas apresentando áreas de degenerações vacuolares e necrose, além de hemorragias com permeio de células inflamatórias. Na forma proliferativa a epiderme encontrava-se espessada com formações papilares pronunciadas, passando do estrato espinhoso até o córneo. Na zona papilar dérmica havia abscedação com infiltrado inflamatório predominantemente neutrofílico. PALAVRAS-CHAVE: Dermatite digital, histopatologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2006-12-25

Como Citar

SOUZA, R. C. de; TOLEDO JR., J. C.; FERREIRA, P. M.; CARVALHO, A. Último de; MOLINA, L. R.; FACURY FILHO, E. J.; FERREIRA, M. G.; FERREIRA, R. G. ASPECTOS HISTOPATOLÓGICOS DA DERMATITE DIGITAL EM VACAS LEITEIRAS. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 7, n. 4, p. 423–431, 2006. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/872. Acesso em: 6 jul. 2022.

Edição

Seção

Medicina Veterinária