Extrato etanólico de cascas recicladas de pequi (Caryocar brasiliense, Camb.) induz apoptose em células de osteossarcoma canino

Autores

Resumo

O osteossarcoma é uma neoplasia mesenquimal associada à alta mortalidade em cães e humanos. O pequi (Caryocar brasiliense, Camb.) é nativo do Cerrado, bioma rico em biodiversidade predominante na região Centro-Oeste do Brasil. Embora esta planta seja frequentemente utilizada na medicina popular, as propriedades farmacológicas da casca do pequi ainda são pouco conhecidas. Este estudo teve como objetivo determinar a atividade citotóxica do extrato etanólico de cascas de pequi recicladas em células de osteossarcoma canino. As células foram cultivadas e tratadas com concentrações finais de extrato de zero, 0,029 µg/µL, 0,29 µg/µL e 2,91 µg/µL por 24, 48 ou 72 horas. As células foram submetidas a ensaio de viabilidade celular pelos métodos de exclusão de azul de tripano da redução de tetrazólio para determinar a IC50, ao ensaio de sobrevivência celular para calcular a fração de sobrevivência e à dupla marcação com anexina V e iodeto de propídio para determinar o tipo de morte celular. O extrato etanólico de casca de pequi na concentração de 2,91 µg/µL apresentou a maior inibição do crescimento de células de osteossarcoma, com redução de 71,80% no crescimento em relação ao controle. A IC50 média foi de 155,2 μg/mL em 72 horas. O crescimento celular em 72 horas foi 3,33% menor nas células tratadas com 2,91 µg/µL de extrato. A apoptose foi o tipo predominante de morte celular em células tratadas com 2,91 µg/µL de extrato. Esses resultados demonstram que o extrato etanólico de cascas de pequi recicladas promove apoptose em células de osteossarcoma canino.
Palavras-chave: Antineoplásico; Cerrado; D-17; osteossarcoma canino; pequi; sustentabilidade; taninos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karla Márcia da Silva Braga, Warren Alpert Medical School, Brown University

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Faculdade Anhanguera Educacional (2013). Mestre (2016) e Doutora (2020) em Ciência Animal pela Universidade Federal de Goiás (2016), na área de concentração em Patologia, Clínica e Cirurgia Animal e linhas de pesquisa em Cirurgia, Patologia Animal e Clínica Médica. Realiza pesquisas sobre estresse oxidativo, isquemia e reperfusão em células endoteliais de coração de camundongos. Foi Diretora Social da Associação Nacional de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais - Goiás (2015 - 2018). Foi membro do Conselho Estadual de Saúde Pública - CRMV-GO (2015 - 2017). Representou os discentes de doutorado na Comissão de Bolsas e Acompanhamento Discentes, da Escola de Veterinária e Zootecnia da Universidade Federal de Goiás (2017). Foi Bolsista CNPq na modalidade Doutorado Sanduíche no Exterior - SWE pela Brown University, Providence, RI, Estados Unidos com o projeto de doutorado intitulado "Ação do Extrato Etanólico da Casca de Pequi (Caryocar brasiliense) no Estresse Oxidativo em Miocárdio e Células Endoteliais do Coração de Camundongos (Mus musculus) Transgênicos". (Fevereiro/2018 - Janeiro/2019). As atividades de pesquisas foram desenvolvidos no Centro de Pesquisa Cardiovascular (CVRC), Divisão de Cirurgia Cardiotorácica do Departamento de Cirurgia Warren Alpert Medical School da Brown University (Fevereiro/2018 - Janeiro/2019). Atualmente realiza Pós-Doutorado na Divisão de Cirurgia Cardiotorácica do Departamento de Cirurgia Warren Alpert Medical School da Brown University

Vanessa de Sousa Cruz, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil

Médica Veterinária (UFG), com Pós-Doutorado em Oncologia e Biologia Molecular, CNPQ/PDJ e CAPES/PVE (EVZ/UFG); Mestrado e Doutorado em Ciência Animal (PPGCA/UFG); e Especialização em Administração dos Serviços de Saúde/Saúde Pública/Administração Hospitalar (IBEED/Fac Lions). Foi coordenadora e membro do NDE do curso de Medicina Veterinária (Facmais de Inhumas); membro do NDE do curso de Medicina Veterinária (Facmais de Palmeiras de Goiás); foi professora substituta, nível de professor adjunto, de Técnicas de Biologia Celular e Molecular Aplicadas à Medicina Veterinária (EVZ/UFG); foi professora de Patologia Geral e Especial (UEG); foi diretora científica e social da Anclivepa-Go e proprietária da Doctor Dog Clínica Veterinária. Atualmente é pesquisadora do Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD/CAPES) nas áreas do câncer, estresse oxidativo, plantas do cerrado e sustentabilidade (PPGCA/EVZ/UFG); professora de oratória (PPGCA/EVZ/UFG); professora externa de Tópicos Especiais em Patologia, Clínica e Cirurgia Animal - Oncologia em Pequenos Animais e Oncologia Prática e Intensiva (EVZ/UFG); e coordenadora do grupo OncoVet (EVZ/UFG). Tem experiência e interesse na área de Docência na graduação e pós-graduação; na área de Pesquisa em oncologia, estresse oxidativo e biologia molecular; e na área de clínica e cirurgia de pequenos animais, oncologia, geriatria, criação e comportamento de cães e gatos.

Emmanuel Arnhold, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil

Possui graduação em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal de Viçosa (2002), Mestrado em Genética e Melhoramento pela Universidade Federal de Viçosa (2004) e Doutorado em Genética e Melhoramento pela Universidade Federal de Viçosa (2006). Foi Professor Adjunto na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), no Campus de Ciências Agrárias e Ambientais (CCAA), entre 2006 e 2010. Atualmente é Professor Associado III na Universidade Federal de Goiás (UFG). Leciona disciplinas de estatística aplicada a experimentação agropecuária em nível de Graduação e Pós-Graduação. No campo da pesquisa e desenvolvimento tecnológico tem interesse no desenvolvimento de análises estatísticas aplicadas a sistemas agropecuários e biológicos. Também colabora com pesquisadores, auxiliando nas etapas de planejamento experimental e na análise e interpretação de dados. Participa dos cursos de Pós-Graduação em Ciência Animal e Zootecnia da UFG. Orienta e Co-orienta estudantes de Pós-Graduação. Faz parte da comissão editorial da Revista Trópica - Ciências Agrárias e Biológicas e da revista Ciência Animal Brasileira (CAB). Tem experiência com o software R. As principais áreas de atuação na pesquisa e desenvolvimento são: estatística computacional, desenvolvimento de pacotes em ambiente R, planejamento experimental e estatística aplicada a sistemas agropecuários.

Eugênio Gonçalves de Araújo, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil

Eugenio Gonçalves de Araujo possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Goiás (1987), mestrado em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Minas Gerais (1990), doutorado em Ciências Biológicas (Biologia Molecular) pela Universidade de Brasília (2001) e doutorado em Doutorado Sanduíche - Harvard University (2001). Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal de Goiás. Tem experiência na área de Medicina Veterinária, com ênfase em Anatomia Patologia Animal, atuando principalmente nos seguintes temas: vias de transdução de sinal em doenças dos animais domésticos e do homem.

Publicado

2022-03-15

Como Citar

DA SILVA BRAGA, K. M.; DE SOUSA CRUZ, V.; ARNHOLD, E.; ARAÚJO, E. G. de. Extrato etanólico de cascas recicladas de pequi (Caryocar brasiliense, Camb.) induz apoptose em células de osteossarcoma canino. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 23, n. 1, 2022. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/71198. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

MEDICINA VETERINÁRIA