Crescimento inicial de clones de palma forrageira submetidos a níveis de adubação potássica

Autores

Resumo

Objetivou-se avaliar o efeito de diferentes níveis de adubação potássica no crescimento inicial de clones de palma forrageira (Nopalea cochenillifera Salm Dyck). O experimento foi conduzido durante seis meses, disposto em delineamento em blocos ao acaso, em esquema fatorial 5x2, sendo cinco níveis de adubação potássica (0, 250, 500, 750 e 1000 Kg de K2O ha-1) e dois clones de palma forrageira (Doce Gigante e Doce Miúda), com quatro repetições. Foi plantado um cladódio por vaso (unidade experimental) com capacidade para 7 kg de solo (24 x 17 x 23 cm). Ao longo do período experimental, foram avaliadas as características estruturais das plantas, tais como altura e largura de planta, comprimento, largura, espessura e perímetro de cladódio, bem como contabilização do número de cladódios total e por ordem de surgimento. Ao final do experimento avaliou-se a biomassa, para determinação do rendimento de massa fresca (MV) e seca (MS) da parte aérea e do sistema radicular. Após a determinação de MS, determinou-se o teor potássico nos tecidos vegetais. Os dados foram submetidos a ANOVA e, caso necessário, ao teste de Tukey a 5% de significância. A adubação potássica e os clones de palma forrageira não exerceram influências significativas nas variáveis avaliadas durante a condução experimental. A adubação potássica não influencia as características estruturais, produtivas e teor potássico no crescimento inicial de clones de Nopalea cochenillifera.
Palavras-chave: Nopalea cochenillifera; potássio; semiárido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2022-04-29

Como Citar

CIRINO JUNIOR, B.; MAURÍCIO LUIZ DE MELLO VIEIRA LEITE; ERÁCLITO DA SILVA, F. .; PEREIRA ALVES, C.; ALEXANDRE CAMPELO DE OLIVEIRA; DANIELLE DA SILVA EUGÊNIO. Crescimento inicial de clones de palma forrageira submetidos a níveis de adubação potássica. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 23, n. 1, 2022. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/70836. Acesso em: 10 ago. 2022.