Uso da galactose na vitrificação de sêmen ovino em palhetas

Autores

Resumo

A vitrificação de espermatozoides é uma técnica que apresenta grande potencial para criopreservação de material genético, e sua eficácia tem sido superior aos métodos convencionais em algumas espécies. No entanto, existem poucos estudos sobre sua eficiência com sêmen ejaculado de carneiros e o uso da galactose como crioprotetor extracelular durante a vitrificação. Objetivou-se com este estudo avaliar o efeito da galactose (0,01 M), associada ou não ao glicerol (3% e 7%), em meio comercial (Steridyl® - controle), na criopreservação de espermatozoides de carneiros pelo método de palhetas, comparando o método clássico de congelação e a vitrificação. Ejaculados de seis carneiros da raça Dorper em idade reprodutiva foram coletados com vagina artificial, aliquotados, diluídos individualmente (100 × 106 espermatozoides/mL) nos meios testados, envasados em palhetas de 0,25 mL e submetidos à congelação clássica ou vitrificação. Foram analisadas a cinemática, morfologia, morfometria, viabilidade, integridade física e funcional da membrana espermática. A congelação clássica obteve melhores resultados de motilidade total e progressiva do que a vitrificação nos quatro extensores testados, uma vez que as amostras vitrificadas não apresentaram motilidade pós-reaquecimento (p < 0,05). A adição de galactose ou glicerol ao meio comercial não trouxe efeito benéfico tanto para a vitrificação quanto congelação clássica.
Palavras-chave: Biotecnologia de sêmen; Congelamento ultrarrápido; Crioprotetores; Reprodução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2021-06-15

Como Citar

CALIXTO MATIAS, M.; RODOLF RIBEIRO CÉZAR, A.; CARLA CAVALCANTI MARQUES, J.; KARLA ATAIDE DA SILVA, F.; NAYRELI FREIRE GONÇALVES SANDES, V.; CÂMARA, D. R. Uso da galactose na vitrificação de sêmen ovino em palhetas. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 22, n. 1, 2021. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/67525. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

MEDICINA VETERINÁRIA