INVOLUÇÃO UTERINA, ATIVIDADE OVARIANA, PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO E DISTÚRBIOS REPRODUTIVOS EM BÚFALAS

Autores

  • Sebastião T. Rolim Filho Curso de Pós-Graduação em Ciência Animal - Universidade Federal do Pará - Campus Universitário do Guamá
  • Haroldo Francisco L. Ribeiro Curso de Pós-Graduação em Ciência Animal - Universidade Federal do Pará - Campus Universitário do Guamá - Universidade Federal Rural da Amazônia – UFRA, Instituto da Saúde e Produção Animal – ISPA
  • William Gomes Vale Universidade Federal Rural da Amazônia – UFRA, Instituto da Saúde e Produção Animal – ISPA, Curso de Pós-Graduação em Ciência Animal - Universidade Federal do Pará - Campus Universitário do Guamá
  • Nayma da Silva Picanço
  • Elizabeth Machado Barbosa Universidade Federal Rural da Amazônia – UFRA, Instituto da Saúde e Produção Animal – ISPA
  • Rafaela Nunes Ferreira Curso de Pós-Graduação em Ciência Animal - Universidade Federal do Pará - Campus Universitário do Guamá
  • André Reale Simões Curso de Pós-Graduação em Ciência Animal - Universidade Federal do Pará - Campus Universitário do Guamá

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v12i2.5667

Palavras-chave:

Amazônia, búfalos, eficiência reprodutiva

Resumo

Objetivou-se com o presente estudo avaliar algumas características reprodutivas como a involução uterina, a atividade ovariana no pós-parto, o primeiro estro após o parto, e problemas reprodutivos em fêmeas bubalinas criadas no sistema misto (várzea e terra / pastagem artificial) em uma  fazenda experimental do município de Belém , Pará, Brasil. Entre 2002 a 2005, um total de  167 períodos de pós-parto  de 62 búfalas foram avaliados através de um exame clínico ginecológico e ultrassonografia. Os animais foram mantidos durante a estação chuvosa (janeiro-junho), em pastagens artificiais e, durante a estação seca (julho-dezembro), nas áreas de várzea, com excelente disponibilidade de pastagem. A retomada da atividade ovariana, verificada através da observação visual do primeiro estro do período do pós-parto, ocorreu em média 47,06 ± 25,66 dias, enquanto que a involução uterina verificada por palpação retal e exames ultrassonográficos foi de 27,5 ± 7,77 dias. O número de casos de abortamentos, retenção da placenta e morte embrionárias foram de 10 (5,90%), 13 (7,78%) e 14 (8,38%) casos, respectivamente, enquanto o número de casos de infecção uterina foi de 18 (10,7%). A presença de  ovários não-funcionais no decorrer do período do pós-parto foi observado em 26 (15,56%) casos, tendo sido encontrados dois (1,19%) casos de hipoplasia do ovário, três (1,79%) casos de cistos ovarianos e dois (1,19%) casos de salpingite.

PALAVRAS-CHAVE: Atividade ovariana, búfalos, cio pós-parto, distúrbios reprodutivos, eficiência reprodutiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-06-24

Como Citar

ROLIM FILHO, S. T.; RIBEIRO, H. F. L.; VALE, W. G.; PICANÇO, N. da S.; BARBOSA, E. M.; FERREIRA, R. N.; SIMÕES, A. R. INVOLUÇÃO UTERINA, ATIVIDADE OVARIANA, PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO E DISTÚRBIOS REPRODUTIVOS EM BÚFALAS. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 12, n. 2, p. 221–227, 2011. DOI: 10.5216/cab.v12i2.5667. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/5667. Acesso em: 26 maio. 2024.

Edição

Seção

Produção Animal