COLORAÇÃO DE GEMA DE OVO DE POEDEIRAS COMERCIAIS RECEBENDO PIGMENTANTE COMERCIAL NA RAÇÃO

Resumo

Objetivou-se avaliar a pigmentação de gemas de ovos de poedeiras alimentadas com produto comercial (PC), à base de cantaxantina e óleo de sementes de urucum. Utilizaram-se 240 poedeiras comerciais com 55 semanas de idade, que receberam cinco diferentes rações: controle (RC) à base de milho e farelo de soja, RC com dois níveis (70 e 140 ppm) do PC e RC com dois níveis de mistura entre pigmentantes comerciais sintéticos Carophyll® Yellow e Red (20 + 10 ppm) e (15 + 30 ppm) e quatro repetições de 12 aves cada. Foram avaliados o desempenho e a cor das gemas, que foi avaliada utilizando o leque colorimétrico. Não houve efeito sobre o desempenho das poedeiras, exceto para a cor da gema, que apresentou interação dos pigmentantes nos diferentes períodos de avaliação. Aos sete dias de fornecimento, houve estabilização da pigmentação, com uso de 70 ppm do produto comercial, enquanto as gemas oriundas dos ovos das aves que receberam a inclusão de 140 ppm estabilizaram a cor aos 14 dias do fornecimento. O produto comercial à base de cantaxantina e óleo de sementes de urucum é eficiente na pigmentação da gema de ovos em rações à base de milho amarelo.
Palavras-chave: aditivos; avicultura; carotenoides; pigmentante natural; produção de ovos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edison Jose Fassani, Universidade Federal de Lavras
Professor Associado do Departamento de Zootecnia da UFLA, área de avicultura e nutrição animais monogástricos
Matheus Terra Abreu, Universidade Federal de Lavras

Mestrando no Programa de Pós graduação em Zootecnia da UFLA, área Avicultura.

Moara Marina Belo Matos Silveira, Universidade Federal de Lavras

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Zootecnia da UFLA, área avicultura.

Publicado
24-05-2019
Como Citar
Fassani, E., Abreu, M., & Silveira, M. M. (2019). COLORAÇÃO DE GEMA DE OVO DE POEDEIRAS COMERCIAIS RECEBENDO PIGMENTANTE COMERCIAL NA RAÇÃO. Ciência Animal Brasileira, 20(1), 1-10. Recuperado de https://revistas.ufg.br/vet/article/view/50231
Seção
ZOOTECNIA