COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA RETAL E A TEMPERATURA DA MEMBRANA TIMPÂNICA EM GATOS (Felis catus) NORMOTÉRMICOS

Autores

  • Vanner Boere UnB
  • Giovana Adorni Mazzotti Hospital Veterinário de Pequenos Animais da UnB

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v10i3.4875

Palavras-chave:

temperatura retal, temperatura timpânica, Felis catus, termômetro

Resumo

O termômetro timpânico veterinário de raios infravermelhos é uma alternativa prática para a mensuração da temperatura corporal, mas pouco tem sido explorado para verificar sua equivalência com a temperatura retal utilizando-se um termômetro clínico de haste. Compararam-se a temperatura timpânica e a temperatura retal em 41 gatos normotérmicos. Dados da temperatura e da umidade do ambiente foram coletados para pareamento com os dados térmicos dos animais. A temperatura retal foi mais elevada que as temperaturas timpânicas de ambos os ouvidos, que por sua vez não diferiram. Não houve correlação entre as temperaturas corporais mensuradas, e fatores microclimáticos parecem não estar associados à variação da temperatura retal ou timpânica. A não equivalência entre as temperaturas das membranas timpânicas e do reto pode ser devida às características anatômicas e fisiológicas dessas regiões corporais. Apesar do custo mais elevado, o termômetro timpânico parece ser mais vantajoso na clínica com gatos domésticos, por ser mais prático e mais rápido.

PALAVRAS-CHAVES: Felis catus, temperatura retal, temperatura timpânica, termômetro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanner Boere, UnB

Programa de Pós-graduação em Saúde Animal, Faculdade de  Agronomia e Veterinária, Universidade de Brasília.

Downloads

Publicado

2009-09-30

Como Citar

BOERE, V.; MAZZOTTI, G. A. COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA RETAL E A TEMPERATURA DA MEMBRANA TIMPÂNICA EM GATOS (Felis catus) NORMOTÉRMICOS. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 10, n. 3, p. 961–966, 2009. DOI: 10.5216/cab.v10i3.4875. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/4875. Acesso em: 18 maio. 2024.

Edição

Seção

Medicina Veterinária