TRIPLEX DOPPLER DA ARTÉRIA HEPÁTICA CANINA NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-PRANDIAL

Autores

  • Elizabete Nikolak Nikolak Universidade Federal do Pará
  • Stefânia Araújo Miranda Universidade Federal do Pará
  • Expedito Júnior de Matos Santana Universidade Federal do Pará
  • Adriel Bhen Brito Universidade Federal do Pará
  • Poliana Silva Beserra Universidade Federal do Pará
  • Sheyla Farhayldes Souza Domingues Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v10i3.4829

Palavras-chave:

Ultra-sonografia, artéria hepática, índice de resistividade, índice de pulsatilidade, cães.

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar por meio do triplex doppler as variações dos índices de resistividade (IR) e pulsatilidade (IP) da artéria hepática (AH) de cães adultos saudáveis em períodos pré e pós-prandiais. O grupo amostral foi composto por quatorze cães sem raça definida, sendo nove fêmeas e cinco machos com peso entre seis e dezenove quilos e quatro e dezesseis quilos, respectivamente. Previamente aos exames ultrassonográficos, os animais foram submetidos a 24 horas de jejum e, para os exames pós-prandiais, foram alimentados com leite ou ração comercial. Utilizou-se o ultrassom Philips HDI 4000, munido de um transdutor microconvexo (5-8MHz). Dividiram-se as mensurações dos IR e IP da AH em três tempos: T0 (período pré-prandial), T1 (trinta minutos pós-prandial) e T2 (noventa minutos pós-prandial). Não houve diferença estatística quando comparadas as médias de IR e IP da AH entre T0 e T2. No entanto, ambos os índices foram significativamente menores no T1 quando comparado com os outros períodos de análise, comprovando aumento de fluxo sanguíneo na AH trinta minutos pós-prandial. O uso do triplex doppler da AH possibilitou mensurações do fluxo sanguíneo pré e pós-prandial, sendo uma técnica importante para estabelecer parâmetros comparativos entre homeostasia metabólica e diferentes estados fisiopatológicos hepáticos.

PALAVRAS-CHAVES: Artéria hepática, cães, índice de resistividade, índice de pulsatilidade, ultrassonografia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elizabete Nikolak Nikolak, Universidade Federal do Pará

1Laboratorio de Biologia e Medicina de Animais da Amazônia; Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal do Pará, Castanhal, Pará

Stefânia Araújo Miranda, Universidade Federal do Pará

1Laboratorio de Biologia e Medicina de Animais da Amazônia; Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal do Pará, Castanhal, Pará

Expedito Júnior de Matos Santana, Universidade Federal do Pará

1Laboratorio de Biologia e Medicina de Animais da Amazônia; Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal do Pará, Castanhal, Pará

Adriel Bhen Brito, Universidade Federal do Pará

1Laboratorio de Biologia e Medicina de Animais da Amazônia; Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal do Pará, Castanhal, Pará

Poliana Silva Beserra, Universidade Federal do Pará

1Laboratorio de Biologia e Medicina de Animais da Amazônia; Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal do Pará, Castanhal, Pará

Sheyla Farhayldes Souza Domingues, Universidade Federal do Pará

Coordenadora do Programa de pós-graduação em Ciencia Animal da Universidade Federal do Pará. 1Laboratorio de Biologia e Medicina de Animais da Amazônia; Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal do Pará, Castanhal, Pará

Downloads

Publicado

2009-09-30

Como Citar

NIKOLAK, E. N.; MIRANDA, S. A.; SANTANA, E. J. de M.; BRITO, A. B.; BESERRA, P. S.; SOUZA DOMINGUES, S. F. TRIPLEX DOPPLER DA ARTÉRIA HEPÁTICA CANINA NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-PRANDIAL. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 10, n. 3, p. 955–960, 2009. DOI: 10.5216/cab.v10i3.4829. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/4829. Acesso em: 20 maio. 2024.

Edição

Seção

Medicina Veterinária