ESTUDO DESCRITIVO E MORFOMÉTRICO DO CRÂNIO DO Ramphastos toco (AVES: PICIFORMES)

Autores

Resumo

O estudo de caracteres morfológicos e suas funções biomecânicas na estrutura craniana das aves levanta debates de cunho filogenético, taxonômico e morfofuncional. O objetivo deste trabalho foi descrever e analisar caracteres morfológicos e morfométricos do esqueleto do Ramphastos toco e confrontá-los com a bibliografia disponível. Foram analisados 13 crânios de indivíduos adultos e de um espécime dissecado fixado em formol (4%). As carcaças foram submetidas à técnica de maceração para o preparo dos esqueletos, com a retirada dos tecidos moles, desengorduramento e clareamento em água oxigenada (50%) e hipoclorito de sódio (50%). O formato e amplitude da sutura naso-frontal e zona flexora craniofacial, a presença dos sesamóides intracapsulares rostral e caudal na articulação quadrática e a presença do ligamento pós-orbital foram fatores que desafiaram a bibliografia existente e os modelos de transferência de força propostos durante estudos da cinética craniana da espécie. A discussão que emerge é a possibilidade dessas características limitadoras da cinética craniana descritas nos espécimes possuírem, em conjunto, a função de promover estabilidade funcional para uma estrutura cuja natureza dimensional, em si, gera instabilidade. Os resultados morfométricos também apresentaram divergências significativas quando comparados à bibliografia disponível, o que pode estar relacionado a variáveis como especiação alopátrica, hibridização e amostragem.
Palavras-chave: Ramphastos toco. Crânio. Morfologia. Morfometria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2019-09-23

Como Citar

CALDAS, S. S.; GOMES, M. V. F.; SILVA, M. C. E. de A.; FIALHO, F. S. F.; SANTANA, M. I. S. ESTUDO DESCRITIVO E MORFOMÉTRICO DO CRÂNIO DO Ramphastos toco (AVES: PICIFORMES). Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 20, p. 1–14, 2019. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/44970. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

MEDICINA VETERINÁRIA