AVALIAÇÃO DOS MÉTODOS DE ETEST E MICRODILUIÇÃO EM CALDO PARA O ESTUDO DA SUSCETIBILIDADE DO Sporothrix schenckii COM O ITRACONAZOL

Autores

  • Ana Raquel Mano Meinerz Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Marlete Brum Cleff Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Patrícia da Silva Nascente Universidade Federal de Pelotas
  • Luiza da Gama Osório UFPel
  • Rafael Guerra Lund UFPel
  • Mário Carlos Araújo Meireles Universidade Federal de Pelotas
  • Jõao Roberto de Braga Mello Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v11i2.437

Palavras-chave:

Sanidade Anima

Resumo

A frequente ocorrência de isolados fúngicos resistentes aos fármacos antifúngicos estimulou os avanços das técnicas de antifungigrama com a padronização das técnicas pelo CLSI. Porém, os métodos são ineficientes e com pouca praticidade na execução em laboratórios clínicos. Nesse contexto surgiram as técnicas comerciais, como o ETEST, que, dentre outras vantagens, demonstra maior facilidade na sua execução em relação às técnicas preconizadas pelo CLSI. O estudo utilizou o ETEST e o método de microdiluição em caldo realizado de acordo com o CLSI, para determinar a suscetibilidade de isolados de Sporothrix schenckii com o itraconazol. O CLSI emprega o meio RPMI 1640 e a leitura da CIM após o período de incubação de 72h a 35ºC. No estudo, foi determinada a CIM pelo ETEST utilizando o meio ágar Sabouraud dextrose e realizando a leitura após 72 horas de incubação a 35ºC. A análise de variância feita pelo teste de T pareado não demonstrou diferenças  estatísticas entre os valores das CIMs obtidos pela técnica de microdiluição em caldo (MIC entre 0,219 e 0,875 µg/mL) e o ETEST (MIC entre 0,032 e 2,0 µg/mL), porém o coeficiente de correlação (R) foi negativo, provavelmente pelo pequeno número de amostras.  Esses resultados estimulam mais estudos que confirmem a aplicação do ETEST para avaliar a suscetibilidade do S. schenckii com o itraconazol.

Palavras-chaveS: Esporotricose, microdiluição em caldo, Sporothrix schenckii, suscetibilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-06-23

Como Citar

MANO MEINERZ, A. R.; CLEFF, M. B.; NASCENTE, P. da S.; OSÓRIO, L. da G.; LUND, R. G.; ARAÚJO MEIRELES, M. C.; DE BRAGA MELLO, J. R. AVALIAÇÃO DOS MÉTODOS DE ETEST E MICRODILUIÇÃO EM CALDO PARA O ESTUDO DA SUSCETIBILIDADE DO Sporothrix schenckii COM O ITRACONAZOL. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 11, n. 2, p. 344–348, 2010. DOI: 10.5216/cab.v11i2.437. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/437. Acesso em: 27 fev. 2024.

Edição

Seção

Medicina Veterinária