ASTENIA CUTÂNEA EM GATO (RELATO DE CASO)

Autores

  • Silvia Franco Andrade Professora doutora do Departamento de Clínica Médica de Pequenos Animais do Curso de Medicina Veterinária da Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE), Presidente Prudente, SP, Brasil.
  • Raimundo Alberto Tostes rofessor doutor do Departamento de Anatomia Patológica da Faculdade de Medicina Veterinária do Centro Universitário de Maringá
  • Osimar Sanches Professor mestre do Departamento de Anatomia Patológica do Curso de Medicina Veterinária da UNOESTE
  • Alessandra Melchert Professora doutora do Departamento de Clínica Médica de Pequenos Animais do Curso de Medicina Veterinária da UNOESTE
  • Rosa Maria Barilli Nogueira Professora doutora do Departamento de Clínica Médica de Pequenos Animais do Curso de Medicina Veterinária da Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE)
  • Siha Fernandes Valente Pós-graduanda da Faculdade de Medicina, UNESP–Botucatu, SP.

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v9i2.4248

Palavras-chave:

Sanidade animal

Resumo

Astenia cutânea é caracterizada por alterações na síntese de colágeno ou na formação de fibras que resulta em perda de elasticidade e fragilidade da pele.Atendeu-se no HV da UNOESTE um felino, sem raça definida, macho, 1 ano, não vacinado e vermifugado, com livre acesso à rua e com queixa de apatia e anorexia fazia uma semana, apresentando hiperextensibilidade e fragilidade cutânea da região da cabeça e do flanco direito, com rompimento da pele e visualização do subcutâneo sem hemorragia. A qualquer toque ou manipulação do animal, o desprendimento da pele aumentava. Foram colhidas amostras da pele para realização de biopsia e os achados histológicos demonstraram atrofia epidermo-dermal com depleção de anexos cutâneos e discretas áreas de hemorragias nos locais de laceração cutânea. Ao tricômico de Masson percebeu-se desorganização das fibras colágenas. Na microscopia eletrônica de transmissão, observou-se intensa variação de diâmetro das fibras colágenas. Com base nos achados físicos e histopatológicos, confirmou-se a suspeita de astenia cutânea, dermatopatia que não possui tratamento específico, somente medidas de manejo que visem minimizar possíveis traumas ou lacerações, como ambientes acolchoados e restrição à saída para rua, além de tratamento das lesões e do desprendimento da pele.

PALAVRAS-CHAVES: Astenia cutânea, gato, síndrome da fragilidade cutânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-07-09

Como Citar

ANDRADE, S. F.; TOSTES, R. A.; SANCHES, O.; MELCHERT, A.; NOGUEIRA, R. M. B.; VALENTE, S. F. ASTENIA CUTÂNEA EM GATO (RELATO DE CASO). Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 9, n. 2, p. 524–528, 2008. DOI: 10.5216/cab.v9i2.4248. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/4248. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Relato de caso