ALTERAÇÕES CLÍNICAS E PATOLÓGICAS DA ASPERGILOSE EM PINGUINS-DE-MAGALHÃES (Spheniscus magellanicus)

Autores

  • Melissa Orzechowski Xavier UFRGS
  • Mauro Pereira Soares UFPel
  • Rodolfo Pinho Silva Filho
  • Valéria Ruoppolo
  • Alessandro Comarú Pasqualotto UFRGS
  • Mário C. Araújo Meireles UFPel
  • Luiz Carlos Severo UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v12i3.4014

Palavras-chave:

Mycosis, pathology, seabirds, infectious diseases

Resumo

Uma série de 15 casos fatais de aspergilose em pinguins (Spheniscus magellanicus) foi observada durante um período de quatro anos em um centro de reabilitação no Sul do Brasil. Os achados clínicos e patológicos das lesões encontradas na necropsia são aqui descritos. A maioria dos animais (11/15) teve morte súbita sem evidenciar sinal clínico prévio. Em 33,3% (5/15) dos casos, aspergilose estava restrita ao trato respiratório e 66,6% demonstrou doença disseminada, com envolvimento hepático, renal, de glândulas adrenais e trato gastrointestinal. Lesões típicas se caracterizaram por nódulos granulomatosos branco-amarelados. De acordo com a literatura consultada, essa é a maior série de casos de aspergilose descrita em pinguins na América do Sul.
PALAVRAS-CHAVE: aspergilose; aves marinhas; micoses; patologia; pinguins.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2011-09-29

Como Citar

XAVIER, M. O.; SOARES, M. P.; SILVA FILHO, R. P.; RUOPPOLO, V.; PASQUALOTTO, A. C.; MEIRELES, M. C. A.; SEVERO, L. C. ALTERAÇÕES CLÍNICAS E PATOLÓGICAS DA ASPERGILOSE EM PINGUINS-DE-MAGALHÃES (Spheniscus magellanicus). Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 12, n. 3, p. 520–524, 2011. DOI: 10.5216/cab.v12i3.4014. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/4014. Acesso em: 28 fev. 2024.

Edição

Seção

Medicina Veterinária