CONCENTRAÇÃO SÉRICA DE FOSFATASE ALCALINA, GAMA-GLUTAMIL TRANSFERASE, URÉIA E CREATININA EM COELHOS (Oryctolagus cuniculus)

Autores

  • Mauren Picada Emanuelli UFSM
  • Sonia Terezinha dos Anjos Lopes UFSM
  • Roberto Marinho Maciel UFSM
  • Bruna Carolina Garmatz UFSM
  • Maurício de Oliveira Tavares

Palavras-chave:

Sanidade Animal

Resumo

As enzimas gama-glutamil transferase e fosfatase alcalina são marcadores séricos de processos colestásicos, sendo importantes no diagnóstico das hepatopatias. A uréia e a creatinina são excretadas através da urina. O aumento dos valores destes metabólitos em nível sérico é subsídio para diagnóstico de alteração da função renal em mamíferos. Procurou-se estabelecer, no presente estudo, valores de referência destas enzimas para coelhos (Oryctolagus cuniculus), visando subsidiar dados para o uso desses animais de laboratório em experimentos científicos. Para tanto, foi realizada colheita sangüínea de 45 animais, três amostras por coelho, totalizando 135 amostras, obtendo-se o soro por centrifugação imediata. Realizou-se o método colorimétrico e obtiveram-se valores de 36,44±10,66mg/dl de uréia, com mínimo de 9,24mg/dl e máximo de 66,06mg/dl; 0,94±0,22mg/dl para a creatinina, com mínimo de 0,51mg/dl e máximo de 1,53mg/dl e 72,41±29,68UI para fosfatase alcalina, com mínimo de 10,66UI e máximo de 167,39UI. A gama-glutamil transferase foi determinada pelo método cinético, revelando o valor de 6,85±3,31UI, mínimo de 2,0UI e máximo de 15,0UI.

PALAVRAS-CHAVES: Bioquímica sérica, coelhos, função hepática, função renal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-04-04

Como Citar

EMANUELLI, M. P.; LOPES, S. T. dos A.; MACIEL, R. M.; GARMATZ, B. C.; TAVARES, M. de O. CONCENTRAÇÃO SÉRICA DE FOSFATASE ALCALINA, GAMA-GLUTAMIL TRANSFERASE, URÉIA E CREATININA EM COELHOS (Oryctolagus cuniculus). Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 9, n. 1, p. 251–255, 2008. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/3694. Acesso em: 16 ago. 2022.

Edição

Seção

Nota Científica